sexta-feira, 28 de maio de 2010

A DISCIPLINA NA IGREJA

Como você define o termo “disciplina”: Uma matéria escolar? Um conjunto de regulamentos com o objetivo de manter a boa ordem de uma determinada organização? Submissão ou respeito a um regulamento? Impor castigo a alguém a fim de ensiná-lo uma questão ética, moral ou espiritual? Sim! E muito mais que isso, pois o vocábulo “disciplina” possui vários significados. Contudo o que mais nos interessa neste momento são dois sentidos dos quais a Igreja mais necessita. Um deles é a “disciplina educativa” e o outro a “disciplina corretiva”. Sobre a primeira, veremos a sua importância para o desenvolvimento moral, espiritual e social da Igreja como um dos seguimentos da sociedade, e do seu papel de resplandecer como luz neste mundo de trevas. Na segunda, veremos a sua necessidade no seio da Igreja assim como ela é necessária no contexto familiar no relacionamento entre pais e filhos.

Para que uma criança possa ter um futuro promissor que lhe garanta a independência financeira, status social e a dignidade de um cidadão respeitado, seus genitores precisam trabalhar o seu caráter e proporcionar uma educação de qualidade desde sua tenra idade. Além disso, precisam através dos seus exemplos proporcionarem-lhe um ambiente harmonioso, livre de violências verbais, físicas ou qualquer forma de constrangimentos que traumatizem a criança. Com a Igreja não é diferente, pois ela é formada por pessoas, as quais terão que aprender a se relacionar de forma harmoniosa mesmo que tenham entre si uma série de diferenças que tendem a fluir durante o convívio em seu novo grupo social. Tais diferenças são percebidas quando alguém reage a uma situação estranha ou adversa, que muitas vezes provoca a manifestação dos seus traços da personalidade e do seu caráter, resultantes de fatores biológicos, e do meio pelo qual foi influenciado durante a maior parte de sua infância e juventude. Ou melhor, existe um conjunto de meios ambientes que nos influenciam até a nossa idade adulta, como por exemplo, o lar, o trabalho, a escola, as reuniões sociais, os passeios, etc. E tudo isso contribui para a formação do caráter do individuo; por isso, temos em nossas congregações homens e mulheres que no passado foram ladrões, assassinos, estelionatários, arruaceiros, prostitutas e todo o tipo de mau caráter. Contudo, através da disciplina educativa aprenderam a imitar a Cristo; e hoje são novas criaturas, como disse Pedro: “Porque é bastante que no tempo passado da vida fizéssemos a vontade dos gentios, andando em dissoluções, concupiscências, borrachices, glutonarias, bebedices e abomináveis idolatrias” I Pe. 4:3. Uma nova vida em Cristo Jesus, pois aquele que está em Cristo é nova criatura (II Co. 5:17) que deixou para traz as velhas práticas.

A DISCIPLINA EDUCATIVA

Quanto à “disciplina educativa” podemos afirmar que Deus é o exemplo de um bom pai que se preocupa na educação dos seus filhos, por isso, ao criar Adão, Ele teve o cuidado de instruí-lo nas coisas mais importantes para a sua vida; e o mesmo aconteceu aos seus ascendentes, como Abrão, que foi chamado do meio de uma sociedade corrompida para receber de Deus a educação necessária a transformação do seu caráter.

No que concerne à ética, a moral e as práticas religiosas, Deus queria um povo completamente diferente das outras nações que não O conhecia. Por isso teve a preocupação de instruir seu povo, valendo-se de instrumentos educativos. Como por exemplo, na era patriarcal, falou pessoalmente com Abraão, Isaque e Jacó, de forma verbal. Posteriormente chamou Moisés e o dotou de autoridade e sabedoria para conduzir o seu povo e instruí-lo nos caminhos do Senhor, e para isso, deu a ele a lei escrita em pedras (Lei moral), e verbalmente as leis civis e cerimoniais que deveriam reger a vida religiosa, moral e social do seu povo. Essas leis formavam o cânon sagrado e tinham como objetivo principal fazer com que o seu povo se aproximasse dele pela obediência, e pudessem conviver em sociedade de forma ordeira, justa, humana e harmoniosa.

Preocupado com a educação do seu povo o Senhor Deus recomendou através de Moisés que os pais teriam como obrigação para com seus filhos, o dever de educá-los de acordo com os princípios da sua lei, quando disse: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas” Deut. 6:6-9. Essa obrigação que os pais tinham de educar seus filhos nos princípios divinos, com o tempo se evoluiu. Com a criação da Sinagoga (Assembléia), provavelmente pela ocasião do cativeiro babilônico, surgiu a escola formal na qual os meninos ainda em tenra idade começavam a freqüentá-la, estudando sobre a religião e outras artes, como a música, por exemplo, e isso durante a semana. Quando alcançava certa idade à criança podia no sábado ouvir os escribas explicar a lei; posteriormente, talvez aos doze ou treze anos, ela podia discutir com os mestres sobre as questões da lei, como aconteceu com Jesus pela ocasião da festa em Jerusalém.

A educação religiosa dos seus filhos sempre foi uma das maiores preocupações dos judeus do antigo Testamento, pois sabiam eles, que do sucesso espiritual dos seus filhos dependia o futuro de sua nação. A mesma concepção e objetivos com relação a educação religiosa devemos ter hoje, pois a educação cristã é quem vai determinar o nosso sucesso como cidadãos terrenos e nos garantir o direito de morar no céu. Pois assim como uma escola de boa qualidade forma bons profissionais, uma boa educação cristã adquirida no lar e na igreja, forma bons filhos, bons pais, bons empregados, bons patrões, bons filhos de Deus e verdadeiros cidadãos dos céus.

Jesus Cristo como o maior mestre que o mundo já pode conhecer, valeu-se de todos os métodos necessários para que a sua mensagem fosse bem assimilada e o objetivo de educar fosse alcançado; para isso, usou linguagem metafórica para ensinar os mais incultos, valeu-se de pretextos para poder iniciar um diálogo, respondia perguntas intrigantes com outra pergunta inteligente, etc,. Ele fez de tudo para poder alcançar os pedidos e tirá-los da ignorância espiritual e com isso garantir-lhes uma vida nova e terna. O Apóstolo Paulo ao escrever sobre a sua maneira de fazer com sua instrução pudesse alcançar todas as classes sociais e diferentes tipos de pessoas, disse: “Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele” I Co. 9:19-23.

A igreja de Cristo diante de tantos exemplos deixados pelo Mestre por excelência e de sua ordem na qual diz: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”Mat.28:19. E nos exemplos legados pelos apóstolos, não deve cometer o pecado da omissão, deixando o dever de promover a disciplina educativa entre os seus membros.

A DISCPLINA CORRETIVA

Falar em disciplina corretiva é falar em aplicação de castigo com o objetivo de fazer o aluno infrator e obstinado, obter maior proveito no processo de aprendizagem, ou seja, fazer com que ele siga as instruções recebidas, já que etimologicamente o termo “disciplina” possui o mesmo significado da palavra “discípulo” (Aquele que segue). E segundo um dos significados apresentados pela Enciclopédia on-line “Wikipedia da Língua Portuguesa”; disciplina tem o sentido de, “castigo que produz obediência”. No entanto isso não é suficiente para convencer tecermos um comentário sobre o assunto da disciplina na Igreja, se não encontrarmos algum respaldo bíblico para este conceito. Portanto, veremos logo em seguida o que diz a palavra de Deus sobre o assunto.

Vamos então procurar nos concentrar nos termos “correção” e “castigo”, mesmo que seja um assunto desagradável para muitos. Quando usamos o termo “castigo” levando em consideração o significado bíblico precisamos entender que nem sempre ele está associado à disciplina corretiva, pois em certos casos o castigo é aplicado em forma de recompensa pela transgressão cometida, ou melhor, é a aplicação do juízo de Deus sobre o infrator, como exemplo tem os casos registrados na Bíblia, como: O grande dilúvio que destruiu o mundo antigo, a destruição das cidades de Sodoma e Gomorra pelo fogo de Deus, um fato confirmado posteriormente pelo Apóstolo Judas que disse: “Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno” Jd. 7. E quem não conhece a história da morte dos egípcios no mar vermelho, e muitas outras?

Mesmo diante de tantos exemplos bíblicos precisamos comentar o que mais nos interessa no momento que é a aplicação do castigo como instrumento de correção - uma prática usada por Deus sempre que se faz necessário; e neste ínterim apresentaremos alguns exemplos e conceitos apresentados pelas sagradas escrituras, de castigos impostos pelo próprio Deus, e da necessidade da Igreja usá-lo como instrumento educativo.

Desde os tempos mais remotos Deus sempre usou o castigo como forma de fazer o seu povo seguir os seus mandamentos; e porque o faz? O escritor aos Hebreus responde: “Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija?” Heb. 12:6 e 7. Entendeu porque Ele aplica o castigo para correção? Porque nos trata como filhos! Ele utiliza esse método porque ao considerar alguém como seu próprio filho, o seu amor por ele se torna maior; aí alguém pode se perguntar: Como um pai que se diz amar o seu filho, demonstra isso de uma forma tão constrangedora como é o caso do castigo? Para melhor esclarecer isso, leia o texto seguinte: “Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno” Prov. 23:14. Entendeu porque Deus usa o castigo? Porque o castigo infligido pela pessoa que ama é menos doloroso do que os tormentos que estaria sujeito a sofrer no inferno. Trazendo isso para a nossa vida familiar e para os problemas atuais digo - é melhor você, como pai, que ama seu filho, impor-lhes certas medidas educativas, mesmo que elas pareçam dolorosas, do que deixá-lo crescer na delinqüência e depois você receber a pior notícia que um pai poderia receber sobre o seu filho.

É por querer o melhor para nossas vidas que Deus usa medidas tão duras contra nós. Contudo, Ele é um Pai que sabe o que é melhor para os seus filhos, por isso suas repreensões por mais que pareçam ser difíceis de serem suportadas, jamais nos causará a morte. Como disse o Salmista: “O SENHOR me castigou muito, mas não me entregou à morte” Sl. 118:18.

No Antigo Testamento encontramos vários registros de castigos aplicados por Deus aos seus servos infratores, como por exemplo: Abrão não esperou o cumprimento da promessa feita por Deus de dar-lhe um filho com sua própria esposa Sarai, contudo, por achar que estava demorando ou mesmo tivesse achado impossível para sua esposa gerar com a idade bastante avançada, tentou dar-lhe uma ajudinha, se relacionando com sua própria escrava Agar, da qual nasceu Ismael. Mas essa mãozinha de ajuda não agradou a Deus, e por isso manteve-se em silêncio para com Abrão durante treze anos, ou seja, aquele costumeiro diálogo que freqüentemente tinham foi rompido como forma de uma disciplina corretiva. Outro caso bastante claro foi o de Davi (II Sam. 11) – certo dia enquanto passeava pelo terraço da casa real, ele avistou Bate-Seba, mulher do seu soldado Urias que estava tomando banho – dominado pela sua beleza física, já que a tinha visto despida, David mandou buscá-la e se relacionou com sexualmente com ela, gerando desta relação, um filho. Se não bastasse, Davi mandou que colocasse Urias na frente da batalha para que morresse; consumando, portanto dois graves pecados – adultério e homicídio. Pecados que custou caro para Davi, pois mesmo tendo recebido o perdão da parte de Deus, como castigo, o filho fruto do seu relacionamento ilícito, morreu; um dos seus filhos tido de outra relação (Amnom) cometeu um incesto ao deflorar sua irmã Tamar (II Sam. 13); tempos depois, Absalão, para se vingar de Amnom pelo que fez a sua irmã, mandou seus homens assassiná-lo. E se isso não bastasse Absalão que já algum tempo vinha de olho na sucessão do trono, tentou usurpar-lo declarando guerra ao seu próprio pai, o que acabou em sua morte pendurado numa árvore no campo de batalha. Enfim, os pecados de Davi trouxeram para sua família problemas gravíssimos jamais esperados.

É preciso que mencionemos outro fato que aconteceu com Davi, foi quando ele fez o recenseamento de Israel o algo que contrariava a vontade diretiva de Deus. Mesmo depois de ter reconhecido o seu erro e pedido perdão a Deus, ele não ficou isento da disciplina corretiva; como está escrito: “Foi, pois, Gade a Davi, e fez-lho saber; e disse-lhe: Queres que sete anos de fome te venham à tua terra; ou que por três meses fujas de teus inimigos, e eles te persigam; ou que por três dias haja peste na tua terra? Delibera agora, e vê que resposta hei de dar ao que me enviou” II Sam. 24:13. Davi ao ter a liberdade de escolha um, dentre os três tipos de castigo, disse que escolheria cair nas mãos do próprio Deus, o qual poderia ter misericórdia dele. Assim Deus enviou uma grande peste sobre Israel; e desde Dã até Berseba morreram setenta mil homens.

Considerando o lado instrutivo do castigo imposto por Deus aos seus filhos, constatamos que ele causa grandes benefícios espirituais àqueles que como alunos que possui uma boa capacidade de assimilar as lições, reconhecem seus erros e os abandonam. David errou por algumas vezes, mas como bom aluno que por um pequeno descuido veio a cometer alguma infração, disse: “Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra” Sl. 119:67

Conhecedor do grande efeito positivo que a disciplina corretiva pode proporcionar, disse Jesus à igreja em Laudicéia: “Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te” Ap. 3:19.

A DISCIPLINA CORRETIVA NA IGREJA

A Igreja militante é parte da Igreja invisível, e esta por sua vez, parte integrante de Jesus; ou seja, ela, o corpo - e Cristo a cabeça. Sendo ela o corpo, conseqüentemente deve obedecer aos comandos passados pela cabeça. Nesse caso, a Igreja não é autônoma no sentido de criar leis e ditar ordens - apenas tem o dever de cumprir as já existentes nas santas Escrituras; dentre elas, o dever de aplicar a disciplina aos seus membros. O pastor não deve de forma alguma ser um mercenário que vê o seu cargo como uma profissão. Como alguém que cuida das ovelhas, mas só se interessa em aproveitar a sua lã, a sua carne e o seu leite. O pasto, a água, e o cuidado com a segurança e a saúde delas, no entanto, não se preocupa. Ele precisa pegar o exemplo de Cristo, o bom Pastor que deu a vida pelas suas ovelhas; pegar também o exemplo do Apóstolo Paulo que mesmo distante das Igrejas que fundara não se esquecia de exortar seus membros e recomendar o castigo para os infratores. Ao escrever a Timóteo, Paulo o instruiu dizendo: “Aos que pecarem, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor” I Tm. 5:20. O próprio Jesus deu a Igreja poderes para aplicar o castigo com o propósito de corrigir o infrator, quando disse: “Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada. E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” Mat. 18:15-20.

COMO DEVE SER APLICADA A CORREÇÃO

A Igreja tem como causa da sua existência o amor incondicional de Cristo Jesus que morreu por todos nós, independente da situação moral e espiritual que nos encontrávamos, portanto, ao aplicar a pena ela deve considerar o valor que o infrator representa para Cristo. Nesse caso a justiça, o amor e a misericórdia devem ser os elementos inseparáveis e indispensáveis na hora de aplicar uma medida corretiva. Caso contrário a emoção pode falar mais alto que a razão dando lugar a ressentimentos e vir a partir daí cometer injustiças, e além do mais, fazer como o servo incompassivo da parábola, que enquanto tinha recebia o perdão de uma grande dívida, conduzia seu conservo que lhe devia um valor irrisório.

Sem deixar de considerar o amor e a misericórdia, não deve esquecer-se da aplicação da justiça, e de considerar que a omissão na aplicação da pena punitiva pode ser considerada uma grande falta de amor. Isso porque, alguns pelo fato de cometerem certas infrações, e não receberem a devida repreensão, podem achar que a não punição é uma forma de apoiar seus erros ou considerá-los como algo sem importância. E indiretamente tornar-se-ia um incentivo a sua vida de pecados.

P.A.B.J – TO. 28/05/10

segunda-feira, 17 de maio de 2010

A BÍBLIA E A IGREJA

“Bíblia” e “Igreja” são inseparáveis. A primeira se trata de uma carta de amor destinada ao homem, na qual Deus revela os seus atributos e a verdadeira história da criação - como tudo começou e como há de terminar. Nela se encontra as respostas para as questões mais impressionantes, que às vezes intrigam intelectuais e cientistas. É por meio dela que tomamos conhecimento da história da queda do homem e dos planos traçados e executados por Deus com objetivo de oferecer a humanidade caída a oportunidade de retorno ao seu estado original, sem pecado; por meio do sacrifício de Cristo no Calvário.


A segunda (Igreja) diria que é o feedbek, ou seja, é o resultado da mensagem contida na carta de amor enviada por Deus. Pois foi por meio do conhecimento de sua vontade e propósitos, que homens santos que viveram até a dispensação atual, conseguiram obedecê-lo e deixar com que a obra de redenção do homem se concretizasse. Pois como o autor dessa magnífica obra se humanizaria se não fossem os grandes homens do passado que ao receberem a revelação divina se dispuseram em obedecê-la? Como Sete, Enoque, Noé, Heber, Abraão, Isaque, Jacó, José, Judá, David, e muitos outros?


A BÍBLIA SAGRADA

Etimologicamente o vocábulo “Bíblia” significa uma coleção de livros pequenos, isso porque a folha do papiro (Industrializada no Egito a 3000 a.C.), material primitivo usado na confecção dos primeiros escritos sagrados era chamada na língua grega de “biblos” e a um rolo (Livro) pequeno de “biblion” (singular) e “bíblia” (plural), ou seja: Bíblia, num sentido lato significa “uma coleção de livros pequenos”. Por isso, João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla, no IV século a.D. a denominou de Bíblia, já que esta é composta de 66 pequenos livros. Como o termo “Bíblia” pode ser atribuído a qualquer coleção de livros pequenos, mesmo que esses sejam de categoria profana, o mais correto é chamá-la de “Bíblia sagrada” para que fique claro que se trata do cânon sagrado.


A existência da Bíblia sagrada até os dias de hoje tem sido um dos grandes milagres realizado por Deus, pois o maior alvo do diabo desde o Édem tem sido o de deturpar a mensagem divina. Lá ele a deu um sentido que ela não tinha, e com isso ele conseguiu o seu objetivo, fazendo com que Eva menosprezasse e desobedecesse a recomendação divina e conseqüentemente perdesse a comunhão com o seu Criador.


Essa antiga prática de tentar desvirtuar a palavra de Deus sempre foi o método mais usado por satanás com o objetivo de procurar se vingar de Deus. Além disso, suas investidas violentas a Bíblia sempre fez parte de suas estratégias. Começou pela ocasião do estabelecimento da Igreja (Quando havia apenas o Antigo Testamento escrito), quando as autoridades judaicas tentaram impedir a propagação do Evangelho (Quando era exposto apenas de forma verbal), e depois de passar por várias perseguições durante o domínio imperial de Roma e o poder exercido pelos papas na Idade Média, sobrevive até hoje, em países orientais e de maneira mais sorrateira nos países ocidentais. Contudo, ela tem se mostrado invencível diante de tantas perseguições e se manterá vitoriosa até que seja recolhida ao céu para que sirva de testemunha e instrumento jurídico no julgamento dos cristãos (No tribunal de Cristo) e dos ímpios no juízo final.


Por ser uma carta de amor, nela podemos encontrar mensagens de vida, felicidade, paz, bondade, amor verdadeiro e tudo do que o homem precisa para ter a mesma felicidade experimentada pelo primeiro casal antes da queda. Ela é portadora da maior demonstração de amor, a qual não consiste apenas de palavras, mas na maior demonstração que uma pessoa poderia fazer a outra, quando Deus entregou o seu próprio Filho para morrer no lugar de pessoas indignas, marcadas pela maldade e pecados.


Porém, como tudo neste mundo existe um preço a ser pago o acesso ao reino dos céus e a vida eterna com Deus não é diferente. Ela tem um preço – e esse preço é a obediência as sagradas Escrituras. Sem esta, jamais o homem sairá da sua condição de perdido para ser recebido como filho de Deus, jamais sairá da condição de pobre e miserável para obter uma vida de prosperidade espiritual; jamais sairá do fundo do poço da imoralidade e da opressão para uma vida digna e liberta. Portanto, ela é o único manual do cristão e a única regra de fé e prática.


Muito embora a Bíblia seja um livro escrito por homens fracos e sujeitos as mesmas paixões que nós, contudo, santos - ela não apenas contém a palavra de Deus, ela é a própria palavra de Deus escrita, e nela está expressa à soberana vontade de Deus para com a humanidade, e isso se justifica pelo fato de toda ela ser inspirada pelo próprio Deus; como assim afirmou o Apóstolo Paulo ao escrever a Timóteo, quando diz: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça” II Tm. 3:16. E por expressar a própria vontade de Deus, desobedecê-la é desobedecer ao próprio Deus. E isso é o que é biblicamente é conhecido como pecado, transgressão, iniqüidade, errar o alvo, etc.


A BÍBLIA E SUA INFLUENCIA

Segundo o Escritor aos Hebreus, a Bíblia sagrada possui uma característica peculiar que a torna diferente de todos os livros existentes no mundo, quando diz: “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” Heb. 4:12. A sua diferença está no fato dela ser uma palavra viva - tão viva, que é capaz de produzir efeito superior a uma espada de dois fios, e tem o poder de penetrar as partes mais íntimas e abstratas do homem que é o espírito e a alma, e tem a capacidade de descobrir e julgar o que há de mais escondido no coração do homem. Por isso ela é livro incomparavelmente poderoso para influenciar as pessoas e mudar completamente o curso da vida daqueles que dão crédito as suas palavras e as recebem de coração. Ela é a arma (Instrumento) do Espírito de Deus realizar a obra de regeneração e santificação no coração do homem, como assim afirmou Paulo ao escrever a Igreja em Éfeso: “Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” Ef. 6:17. Sem ela não haveria nenhuma possibilidade de mudança interior e comportamental do ser humano. Pois somente ela possui o poder de Deus inerente em suas mensagens e por isso muitos ao conhecê-la abandonaram a marginalidade e ignorância espiritual para uma nova vida, resultando em suas integrações no seio da sociedade e da família de Deus. Como ao que ocorreu: À prostituta Raabe (Js. 6:17-25), à promíscua Samaritana (Jo.4:1-29), à Maria Madalena da qual Jesus expulsara sete demônios (Mc. 16:9), à Zaqueu discriminado e rejeitado pela sociedade judaica pelo motivo do exercício do seu cargo (Lc. 19:1-10), à Saulo de Tarso (Paulo), homem cego pela religiosidade e extremamente violento pelo zelo sem sabedoria (At. 8:3; 9:1-22), à Martinho Lutero, homem extremamente zeloso de sua religião assim como Paulo, mas que ao estudar sistematicamente a palavra de Deus e ao ouvir a voz do Espírito Santo teve o rumo de sua vida completamente mudado. A sua visão do reino de Deus e de sua vontade tomou uma nova dimensão e a convicção de sua fé verdadeira foi tão grande que ao ser pressionado perante o Imperador Carlos V e o prelado, em Worms, a se retratar de tudo que havia escrito e falado contra os dogmas do catolicismo em suas 95 teses, disse: “Não me retrato de coisa alguma, a não ser que me convençam pela Escritura ou por meio de argumentos irrefutáveis. É claro como a luz do dia que tanto papas como concílios têm algumas vezes errado. A minha consciência tem que submeter-se a Palavra de Deus; proceder contra a consciência é ímpio e perigoso, não posso nem quero retratar-me. Assim Deus me ajude. Amém”. A reforma Protestante – Abraão Almeida. PP. 94 e 95


A Palavra de Deus é poderosíssima e por isso ela transformou não apenas essas pessoas citadas anteriormente, mas, milhões e milhões de vidas que viviam marginalizadas, social e espiritualmente falando, como eu e você. E isso tem proporcionado ao nosso país e ao mundo melhores condições de vida para a sociedade em geral, pois, muito embora vivamos sempre em estado de alerta pelo motivo da violência que nos aterrorizam; o que diríamos se não tivesse a Palavra de Deus para regenerar muitas vidas que no passado viviam causando arruaças e desordens de todo tipo? Talvez fosse como a violenta Nínive, Sodoma e Gomorra, ou quem sabe, pior ainda! Possivelmente os homens teriam se autodestruído ou o próprio Deus teria dado cabo da humanidade.


A BÍBLIA NO CONTEXTO DA IGREJA

A Igreja em seu sentido mais restrito, ou seja, significando apenas a Igreja invisível que é constituída apenas dos salvos, não existiria sem a Palavra de Deus.


No domingo anterior quando anunciei a classe da escola bíblica sobre o tema a ser estudado nesta semana, perguntei: A Bíblia foi criada por causa da Igreja ou a Igreja por causa da Bíblia? E depois completei – na verdade nem eu mesmo sei explicar. Contudo, examinando com carinho essa pergunta que fiz sem que eu mesmo soubesse a resposta e sobre a importância da Bíblia no contexto da Igreja, cheguei à conclusão seguinte: O apóstolo João afirmou que “no principio era o verbo” que no grego é está escrito assim: “Em principio era o palavra” (A Palavra está escrita no masculino porque no grego é escrito dessa forma) Jo.1:1. Ora, se no princípio era a “Palavra” ela surgiu primeiro do que a Igreja, portanto, quem surgiu primeiro (Palavra) foi a causa, e a “Igreja”, o efeito. Nesse caso, a Igreja surgiu por causa da Bíblia e não a Bíblia por causa da Igreja. Sem o conhecimento de Deus, dos seus projetos e de sua vontade algo que só a Bíblia contém o mundo jamais poderia retornar a Ele para se submeter aos seus ensinos.


Pelo fato da Bíblia ser o instrumento divino por meio do qual Ele se torna conhecido aos homens e revelar a sua vontade soberana, ela constitui-se para a Igreja militante a Carta Magna. Assim como cada país possui uma Constituição que rege o direito e o dever dos seus cidadãos, e todas as leis devem ser subordinadas a ela; a Bíblia para a Igreja é a autoridade máxima quando se referem às questões éticas, morais e espirituais. E quando se trata de autoridade nada pode se igualar a Bíblia, mesmo que tentam substituí-la pelas tradições e fabulas filosofias e opiniões que satisfazem a natureza adâmica e aos caprichos satânicos. O catolicismo fruto do paganismo e influenciado pelo diabo coloca a tradição em pé de igualdade com a Bíblia com a finalidade de transgredir os mandamentos de Deus. Como se vê nas decisões tomadas no Concílio de Trento no ano de 1.546 e resumidas nos Artigos do Papa Pio IV (Art. I e II), que diz: “Firmemente admito e abraço as TRADIÇÕES APOSTÓLICAS E ECLESIÁSTICAS e todas as outras observâncias e constituições da mesma Igreja. Admito também as Santas Escrituras, de acordo com O SENTIDO QUE NOSSA SANTA MÃE, A IGREJA, TEM MANTIDO, à qual pertence julgar do verdadeiro sentido e interpretação das Escrituras; NEM AS RECEBEREI E INTERPRETAREI (Grifos meus), a não ser de acordo com o consenso unânimes dos padres”. Documentário o Estado do Vaticano – Lauro de Barros Campos, p.15.


Observe que a intenção do catolicismo é colocar a tradição escrita e oral na mesma posição das Sagradas Escrituras, abrindo com isso uma válvula de escape para toda vez que a Bíblia falar algo que eles não concordem eles terem ao que apelarem. Neste caso, a tradição - assim, ao obedecerem às tradições acham poderiam ter o mesmo sentimento de que estariam agradando a Deus da mesma forma que tivessem obedecido aos seus mandamentos. É como se um comandante militar entregasse uma missão a um soldado e a um capitão, e dissesse: Olha capitão, nessa missão o soldado “X” tem toda autoridade para fazer o que quiser - a sua ordem só terá valor até ao ponto que não contrarie a vontade dele.


Diante de uma situação dessas, qual seria a vantagem do capitão com relação ao soldado? Nenhuma! Apenas por ostentar um título, mas com respeito a autoridade não passava de um soldado apenas. Foi isso que o catolicismo fez com a Bíblia, tirou a sua autoridade e a deu as suas tradições, que para mascarar e ludibriar os incautos as denominou de “tradições dos apóstolos”; mas que de apostólica não tem nada. Como disse Jesus aos fariseus: “E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição” Mc. 7:9. E mais tarde nos advertiu Paulo: “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” Col. 2:8


A Igreja conhecedora da autoridade da Bíblia se preocupa em respeitá-la e dá-la a honra que lhe é merecida, tendo o cuidado de não causar nenhum tipo de violência, mantendo o respeito como livro e principalmente como a mensagem de Deus.


Líderes religiosos que se honram o seu título e sua posição no reino de Deus não se atrevem a forçar interpretações para conscientemente apoiar suas ideologias, motivadas por interesses próprios. Pois ela é o único livro que consegue preservar sua atualidade e permanecer eternamente, pois: “Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente” Is. 40:8. Portanto, não queira desrespeitá-la agredindo o seu verdadeiro sentido, caso contrário, um dia você terá que acertar contas com o grande Deus, que nos adverte: “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido” Mat. 5:18


A CENTRALIDADE DA BÍBLIA

A Bíblia tem como autor o próprio Deus, mesmo que tenha sido escrita por quarenta escritores; seu real interprete é o Espírito de Deus e o centro de suas mensagens contidas em todos os sessenta e seis livros é Jesus Cristo como o autor da salvação do homem. Por isso a igreja de Cristo como prova de sua fidelidade a vontade de Deus e amor a Jesus, que a redimiu, não pode desviar o foco do alvo principal que é levar Cristo e sua obra ao conhecimento de todos os povos.



P. B. J. TO. 22/05/10

quinta-feira, 13 de maio de 2010

UM CHAMADO A COMUNHÃO

Gênesis é o livro do começo. Começo da história da humanidade e das respostas para vários questionamentos que muitas vezes nos intrigam. Através dele se conhece como tudo foi criado no céu e na terra, inclusive a comunhão que existia entre o Criador e o homem no inicio da criação, e como ela foi rompida posteriormente; bem como da providencia tomada por Deus com o objetivo de reatá-la.
Como se vê pelos registros sagrados o pecado foi a causa do rompimento da comunhão que existia no principio entre Deus e Adão, o representante da raça humana. Entretanto, a mesma voz do Criador que soou no Jardim perguntando: “Adão! Adão! Onde estás? Até hoje soa nos corações dos homens. Pois o desejo de Deus é que toda a humanidade tenha comunhão com Ele e com seus irmãos.

A comunhão é algo de grande importância para o homem, pois é por meio dela que ele se torna parte integrante da família de Deus - dos seus sentimentos, dos seus interesses, dos seus objetivos da sua vontade, etc., e como recompensa, recebe a adoção de filho, condição que lhe dá o direito de ser participante de sua herança. Como disse o Apóstolo Paulo: “E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados” Rom. 8:17. Mas para que essa comunhão se torne realidade na vida do ser humano ele precisa estar de acordo com a vontade de Deus; pois: “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” Am. 3:3. É impossível se conseguir a comunhão com Deus sem antes o homem abandonar o mundo e suas concupiscências. João o Apóstolo escreveu: “Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade” I Jo. 1:6.

Assim, aqueles que andam com Deus é porque naturalmente estão de pleno acordo com Ele. E quem anda com Ele está protegido e abençoado, e por fim será levado para a sua morada celestial. Como aconteceu a Enoque o sétimo depois de Adão: “E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou” Gen. 5:22-24. Sabedor da necessidade que temos de estarmos em comunhão com Ele, Deus nos chama para por meio de Jesus Cristo nos abençoar e nos enriquecer com as bênçãos espirituais. Ele deseja que tenhamos comunhão com seu Filho Jesus, como escreveu o Apóstolo Paulo aos coríntios: “Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor” I Co. 1:9.

JESUS DESEJA QUE TODOS TENHAM COMUNHÃO

Pouco antes de ser entregue nas mãos dos homens para ser crucificado Jesus ao orar ao Pai intercedendo pelos seus discípulos disse: “E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste” Jo. 17:20-21. Esse desejo de ver o seu povo vivendo em comunhão demonstra a sua grande importância para a vida da Igreja. Não apenas uma comunhão segundo o conceito mundano, mas, algo de um significado mais profundo. Segundo o Pr. Claudionor C. Andrade, em seu Dicionário Teológico, o termo “COMUNHÃO (Do gr. Κoinonia; do lat. Comunicare, comunicar), sentimento de unidade que leva os cristãos a se sentirem um só corpo em Cristo Jesus. Tendo como vínculo o amor...” Como é o desejo de Cristo Jesus: “Que todos sejam um”. Uma unidade que é traduzida não apenas pela questão do espaço físico, pois estar reunido não é a mesma coisa de estar em comunhão. Uma igreja pode estar superlotada de pessoas, sem que elas estejam vivendo em comunhão. Por outro lado, alguém pode morar no Japão e a outra aqui no Brasil e experimentarem uma verdadeira comunhão.

A comunhão é algo que deve envolver o cristão em todos os aspectos, espírito, alma e até mesmo bens materiais. O Apóstolo Lucas nos fala o seguinte acerca dos primeiros cristãos: “E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister. Perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar” Atos 2:44-47. Observe que além de estar sempre reunidos ninguém considerava seu, o que o era de verdade, pois o egoísmo não imperava entre eles. Pelo contrário, tinham tudo em comum, de tal forma que quando alguém vendia uma propriedade ou qualquer coisa de valor, imediatamente levava aos apóstolos para que eles pudessem dividir com quem tivesse passando alguma necessidade.

Hoje, no mundo em que estamos vivendo, com tantos cristãos egoístas que fazem vistas grossas para as necessidades dos seus irmãos; pergunto: Será se a maioria daqueles que afirmam estar em comunhão com a Igreja e com Cristo pode dar provas disso através de suas obras? Ou apenas vive no mundo de ilusões enganando a si mesmo?

Isso é algo sério! A comunhão verdadeira é evidenciada em primeiro lugar, pela empatia, que é você se colocar no lugar do outro. È você sentir a fome do faminto, a nudez do maltrapilho, as injustiças sofridas pelo injustiçado, a perseguição do perseguido, a prisão do preso, as dores sofridas pelo enfermo, etc.
Ou diante de todos esses casos você demonstra pouca ou nenhuma sensibilidade? Se a sua sensibilidade diante do sofrimento do seu irmão ainda não se tornou realidade, você ainda precisa aprender algumas lições importantes de comunhão com o Mestre por excelência.

Outra coisa importante que a comunhão proporcionou aos cristãos primitivos foi o desejo de estarem reunidos no templo louvando o nome do Senhor Jesus. E todos os dias estavam no templo. A comunhão que eles tinham com Jesus Cristo e com os irmãos os impulsionavam a estarem sempre juntos para cultuarem a Deus no melhor lugar que existe no mundo que é a casa de Deus.

Você é como um daqueles irmãos que tinha prazer de estar no templo prestando cultos ao Criador? Ou se contenta apenas indo uma vez por semana, ou mesmo uma vez por mês para tomar a santa ceia? Quem ama a Deus e aos irmãos têm o maior prazer de estar na casa de Deus. O Salmista Davi assim escreveu acerca do seu prazer de estar na casa de Deus: “ALEGREI-ME quando me disseram: Vamos à casa do SENHOR” Sl. 122:1. Em outro salmos dirigido ao cantor-mor e aos filhos de Corá está escrito: “QUÃO amáveis são os teus tabernáculos, SENHOR dos Exércitos! A minha alma está desejosa, e desfalece pelos átrios do SENHOR; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo. Até o pardal encontrou casa, e a andorinha ninho para si, onde ponha seus filhos, até mesmo nos teus altares, SENHOR dos Exércitos, Rei meu e Deus meu. Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente (Selá.)” Sl. 84:1-4. Quem tem comunhão sente prazer de estar juntos, mesmo que isso possa custar algum sacrifício. Lembro-me de quando eu namorava a minha esposa, há cerca de 27 anos - eu viajava 290 km quase todos os finais de semana para encontrá-la, só pelo prazer de estarmos juntos. Assim é com Deus, mesmo sabendo que Ele pode estar em qualquer lugar que estivermos, mas se temos comunhão com Ele, fazemos qualquer sacrifício para estar em sua casa (Templo), pois foi lá o local que Ele reservou para que pudéssemos adorá-lo.

Os cristãos primitivos tinham por costume realizarem refeições em suas casas e convidarem os irmãos para juntos se confraternizarem. E com alegria e singeleza de coração partiam o pão. Isso nos mostra a verdadeira importância da comunhão entre os irmãos, pois o problema do orgulho e prepotência desaparece para dar lugar a simplicidade e a humildade. Cristãos orgulhosos que não querem se misturar com os irmãos mais humildes demonstram falta de comunhão verdadeira. E para esses o conselho que os dou é que aprendam com o Mestre Jesus, mesmo sendo Deus não usou dessa prerrogativa para demonstrar sua grandeza, pelo contrário, se identificou com o mais indigno dos homens.

O termo comunhão possui um significado extremamente interessante para os cristãos; pois passou a significar a santa ceia do Senhor Jesus. Paulo ao escrever aos irmãos de Corinto disse: “Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo?” I Co. 10:16. Talvez o ato de participar da ceia seja o que mais esclarece o significado da comunhão, pois o próprio Jesus ao instituir a ceia disse: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele” Jo. 6:56. Isso significa que ao participar do sangue e da carne de Jesus, os cristãos passam a ser uma só pessoa com Cristo, pois no sentido espiritual, ambos se tornam participantes e partes integrante do outro.

O chamado a comunhão tem soado desde os primeiros dias da história da Igreja, mas, é impossível termos comunhão com Deus e não podermos demonstrá-la por meio do nosso relacionamento com nossos irmãos. Por outro lado, precisamos saber que a comunhão entre irmãos é o resultado da nossa comunhão com Deus, pois quem não tem comunhão com Ele, não consegue tê-la com outra pessoa. Por mais que o relacionamento com outra pessoa seja estreito, no fundo não passa de ser motivado por algum tipo de interesse ou troca de gentilezas.
P.A.B.J-TO.
15/05/10

quinta-feira, 6 de maio de 2010

A MISSÃO DA IGREJA


Quando ouvimos falar em missões, a primeira idéia que temos é que missão começou pela ocasião do envio dos primeiros discípulos (Mc. 16), mas no grego, língua original do Novo Testamento a palavra “Missão” é escrita desta forma: “αποστολή” = Enviar. Nesse caso, se levarmos em consideração o termo original, chega-se a conclusão que, quem primeiro fez missão foi o próprio Deus, ao enviar o seu filho Jesus este mundo para salvar a humanidade pecadora.
A Igreja de Cristo (gr. Ekklesia = um povo tirado para fora) foi chamada do mundo (Sistema comandado por satanás) para cumprir a missão mais importante que possa existir sobre a face da terra – que foi a de propagar a boa noticia acerca da salvação conquistada por Jesus na cruz do Calvário e oferecida a todos os homens.
Ao formar a Igreja, ocasião em que chamou os primeiros discípulos (μαθητές = alunos), disse-lhes: “Vinde a mim e eu vos farei pescadores de homens” Mat. 4:19. A partir daquele momento, eles deixaram suas redes e sua velha profissão, e acompanharam a Jesus, para com Ele, aprenderem as lições mais preciosas que os capacitariam na conquista de almas para o reino de Deus. Depois de cerca de três anos e meio de aprendizagem teórica e prática acerca da evangelização, os discípulos de Jesus receberam do Mestre a seguinte ordem: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém” Mat. 28:18 e 19. No instante do seu retorno ao céu, Ele fez questão de reiterar o mandamento quando disse: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra” Atos. 1:8.
Observe que tanto em Mateus 28, Marcos 16 e Atos 1:8, Ele usa os verbos “IR” e “SER” no imperativo, o que indica a expressão de uma ordem, e não de um pedido ou sugestão apenas. Nesse caso a Igreja deve encarar a questão da evangelização como um mandamento que deve ser cumprido, e que a omissão constitui-se em desobediência. Veja o que aconteceu com alguns dos primeiros discípulos de Jesus e a Pedro, principalmente, após a morte de Jesus - ele achou que a ordem de trocar o ofício de pescar peixe por almas era algo sem muita importância, por isso retornou a antiga profissão. Olhe o texto na versão escrita pelo Evangelista João: “Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Dizem-lhe eles: Também nós vamos contigo. Foram, e subiram logo para o barco, e naquela noite nada apanharam. E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, mas os discípulos não conheceram que era Jesus. Disse-lhes, pois, Jesus: Filhos, tendes alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não. E ele lhes disse: Lançai a rede para o lado direito do barco, e achareis. Lançaram-na, pois, e já não a podiam tirar, pela multidão dos peixes. Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o SENHOR. E, quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se ao mar. E os outros discípulos foram com o barco (porque não estavam distantes da terra senão quase duzentos côvados), levando a rede cheia de peixes. Logo que desceram para terra, viram ali brasas, e um peixe posto em cima, e pão. Disse-lhes Jesus: Trazei dos peixes que agora apanhastes. Simão Pedro subiu e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes e, sendo tantos, não se rompeu a rede. Disse-lhes Jesus: Vinde, comei. E nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: Quem és tu? sabendo que era o Senhor. Chegou, pois, Jesus, e tomou o pão, e deu-lhes e, semelhantemente o peixe. E já era a terceira vez que Jesus se manifestava aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado dentre os mortos. E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: SENHOR, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas” Jo. 21:3-17.
Nesse diálogo com Jesus onde Pedro recebeu uma dura repreensão por ter abandonado o seu novo ofício pelo antigo, Jesus deixou claro a Pedro e aos demais apóstolos que missão é questão de amor. E isso o Apóstolo João deixou claro quando escreveu dizendo: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” Jo. 3:16 e 17. Então, quem ama as almas perdidas que caminham a passos largos em direção ao inferno, sabe muito bem da sua responsabilidade, e responde ao chamado de Cristo sem questionar sobre o que vai ter que enfrentar pela frente e sem esperar lucros ou recompensas terrenas. O Senhor Jesus ao vir fazer missão a este mundo, deixou o céu com toda a sua glória para tomar a forma humana, padecer horríveis sofrimentos e por fim entregar a sua vida em uma cruz para resgatar o mundo perdido das garras de satanás.
O QUE É FAZER MISSÃO?
Evangelizar o mundo não é tarefa fácil, por isso Jesus deixou claro para os seus discípulos: “... no mundo tereis aflições...” Jo. 16:33; e (Mateus 10:16) - Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos” Mat.1016a. Pois, evangelizar é invadir o território satânico com o objetivo de resgatar as almas que satanás as tem como suas e sobre as quais carrega o jugo da escravidão e opressão.
Além das dificuldades comuns que muitos enfrentam no campo missionário, como a escassez de alimentos, e outros tipos de materiais básicos para suas subsistências, muitos cristãos tem perdido suas vidas e outros continuam sofrendo duras perseguições. Portanto, a obra missionária não deve ser vista como uma profissão, ou meio de enriquecimento próprio, como a maioria faz por aí, pelo contrário, é uma missão para servir a Deus e as almas perdidas que necessitam de Jesus. Como disse Ele, a um Escriba que se ofereceu para acompanhá-lo: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” Mat. 8:20.
Fazer missão também não é um meio para buscar grandeza ou alguma forma de destaque na sociedade, pelo contrário, uma oportunidade para exercer a sua humildade. Acerca disso Jesus fez questão de dizer: “Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; e qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos. Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” Mc. 10:43-45. Olha, se Jesus sendo o Mestre, veio para servir, o que diria dos seus seguidores? Ou acham muitos, que o Evangelho de Cristo é uma oportunidade de emprego do qual se espera obter auferir grandes vantagens para seu próprio enriquecimento?
Saiba, porém, que fazer missão é se sacrificar expondo a sua própria vida ao perigo, e as adversidades que o ofício de antemão já prevê em busca das ovelhas perdidas.
QUEM DEVE FAZER MISSÃO?
Às vezes a impressão que muitos têm, é que a obra de evangelização é responsabilidade apenas do pastor de sua igreja, do evangelista, do missionário, e demais oficiais da congregação; mas quem pensa dessa forma está completamente enganado, pois quando Jesus chamou os primeiros discípulos e prometeu fazer deles pescadores de homens, indiretamente Ele estava chamando para essa missão, todos os cristãos de todos os tempos. Portanto, evangelizar o mundo é uma tarefa para obreiros e leigos, velhos e crianças, pobres e ricos, intelectuais e analfabetos, enfim, todos – sem exceção.
COMO A IGREJA PODE FAZER MISSÃO?
Levando em consideração o grande desenvolvimento na área da informação, diríamos que existem várias formas de propagação da boa notícia de salvação, contudo, podemos resumi-las em três: Orando, contribuindo e indo. Essas três maneiras de cumprir a missão de evangelizar descartam qualquer tipo de pretexto que alguém possa apresentar para justificar a sua omissão, tendo em vista ser impossível uma pessoa, física e mentalmente sadia, não poder realizar qualquer uma dessas coisas.
A eficácia da oração foi reconhecida pelo Apóstolo Tiago, que disse: “A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” (Tg. 5:16). Por isso os primeiros apóstolos depois de constatar as necessidades da obra missionária em face dos desafios que iam se apresentando, decidiram instituir diáconos para cuidar da parte material da Igreja, enquanto eles perseverariam em oração e se dedicando no ministério da palavra de Deus (Atos 6:4).
Interceder em oração em favor das almas perdidas além de ser um dever do cristão é também um privilégio, pois o acesso a Deus é livre apenas para seus servos. É também uma forma de demonstrar amor pelos perdidos.
O cristão por motivo de ociosidade pode querer se acomodar apenas com a prática da oração, sendo que se trata de alguém fisicamente capaz de realizar o evangelismo pessoal. Portanto a acomodação é um sinal de negligencia no trabalho.
A outra forma de realizar a obra de missões é contribuindo financeiramente. Às vezes você não pode ir, mas o seu dinheiro vai proporcionar condições materiais e até mesmo físicas e psicológicas para que outros sejam enviados, e aqueles que já fazem missões possam ter acesso a meios mais eficientes de alcançar as pessoas.
Por fim, para aqueles que receberam uma chamada especial a melhor maneira de se fazer missões é indo para o campo missionário. Para isso, no entanto, é necessário ter uma vida desprendida e voltada inteiramente para a causa do Mestre. Entretanto, para o cristão ir pregar ele não precisa esperar apenas por aqueles que receberam uma chamada específica, mas pode realizar o evangelismo pessoal, no lugar onde mora.
O MATERIAL BÉLICO DA IGREJA
Assim como um exército precisa de equipamentos bélicos para enfrentar o inimigo, a Igreja como uma agência do reino de Deus que precisa entrar no campo de batalha espiritual, em terreno inimigo, para poder resgatar os prisioneiros de satanás; também precisa de armas espirituais. E para isso Jesus a equipou com todas as armas necessárias que lhes possam garantir a vitória. Dentre elas, estão: Dons ministeriais, dons espirituais, serviços, autoridade e o ministério da reconciliação.
Acerca dos dons ministeriais disse o Apóstolo Paulo: “Por isso diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens... E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo” Ef. 4:8, 11 e 12. Assim como Jesus teve o cuidado de instruir e suprir as necessidades dos seus discípulos enquanto esteve aqui na terra com eles, após o seu retorno ao céu instituiu cargos ministeriais que pudessem ser ocupados por homens de boa reputação e cheios do Espírito Santo, para que pudessem contribuir com a edificação da Igreja, tornando-a forte e vitoriosa diante das investidas do inimigo. Porém, somente homens que ostentassem seus títulos não eram suficientes para conseguir manter a Igreja no padrão exigido por Deus; portanto, além dos dons ministeriais, concedeu a Igreja (Não apenas os líderes) os dons espirituais que são: “Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; e a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer” I Co. 12:7-11. Os dons espirituais foram concedidos para que a Igreja pudesse ser realmente preparada para enfrentar qualquer situação ameaçadora a sua integridade como instituição divina. Edificando espiritualmente seus membros de tal forma que ela se tornasse invencível diante das árduas batalhas que enfrentaria. E isso é o que se pode comprovar por meio da história.
Desde a Roma Imperial até a Idade Média quando os papas reivindicavam para si, o poder espiritual e temporal, que a história eclesiástica vem sendo escrita com o sangue dos fiéis; e por último, em nossos dias, pelas grandes investidas de satanás que com astúcia vem infiltrando heresias no seio da igreja, e outras formas de perseguições. Como as discriminações, as tentativas de tolher nossos direitos como cidadãos e servos de Cristo.
Além dos dons espirituais que servem como instrumentos de edificação espiritual da Igreja e capacitação para o campo missionário, Jesus também distribuiu aos seus membros os dons de prestação de socorros aos mais necessitados: Como aqueles que estão debaixo das pontes e viadutos sem um agasalho que possa aquecê-lo na hora do frio, aos famintos que vivem mendigando o pão, aos presos da justiça que precisam de uma visita, aos doentes que estão nos hospitais esperando por uma palavra de esperança e conforto, aos fracos espirituais que precisam de alguém que o ajude a se erguer, etc. Deus instituiu também corpo ministerial como está escrito: “E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas” I Co. 12:28. E tudo isso com a finalidade de edificar os santos, ou seja, para que a Igreja seja uma instituição bem organizada e imbatível diante dos desafios.
Com as dádivas do Espírito e as armas espirituais apresentadas por Paulo (Ef.6:11-15) o cristão tem a sua disposição todo o aparato bélico necessário para fazer um bom combate e no final poder cantar o hino da vitória.
POR ONDE A IGREJA DEVE INICIAR SUA MISSÃO?
A
ntes de ser assunto ao céu, Jesus recomendou aos seus servos: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra” At. 1:8.
Observe que Jesus de quatro lugares de onde a evangelização deveria partir. Primeiro os discípulos teriam que evangelizar Jerusalém que era a cidade de suas residências, depois a Judéia que era o território do qual Jerusalém fazia parte, depois Samaria, cidade principal do Norte da Palestina, e por último os confins da terra que é a missão transcultural, ou seja, das outras nações.
O que Jesus quer nos ensinar com essa ordem? Que a evangelização deve começar de onde nós moramos para além das fronteiras de nosso país.
O que a evangelização de Jerusalém significa para nós hoje? Significa o nosso lar, o nosso bairro e a nossa cidade na qual moramos. Antes de alguém pensar em ser um missionário em outros países, ele precisa em primeiro lugar sentir amor pelas almas que vivem próximas dele. Quem sabe um irmão, um filho, um parente mais afastado, um amigo ou mesmo o seu vizinho. Porém, um detalhe muito importante precisa ser lembrado. O cristão pode se utilizar de vários meios para comunicar as boas novas do Evangelho de Cristo, mas nada se compara ao seu testemunho pessoal de vida. Sua maneira de se portar diante da sociedade que a cerca imprime na mente das pessoas uma mensagem que fala mais alto do que qualquer recurso que os meios de comunicação possam apresentar.
Depois de ser aprovado em Jerusalém o cristão está apto a fazer missões na Judéia (Todo o seu município ou Estado), Samaria (Outras partes do seu País) e por fim, até mesmo aos confins da terra (Outras nações).
Lembre-se! Missão é algo que está no coração de Deus e deve ocupar os corações de todos os seus servos.
P. A. B. J. TO. 07/05/10

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...