sábado, 24 de abril de 2010

A RESTAURAÇÃO DA FAMILIA


Quem conhece a história da criação sob o ponto de vista teológico sabe muito bem que no princípio a família usufruía de uma felicidade indescritível. O jardim com suas belas flores e borboletas multicores, proporcionava aos seus olhos uma paisagem infinitamente encantadora; o canto das aves ao se confundir com o sussurrar da brisa suave formavam uma melodia encantadora que lhe proporcionava uma sensação incomparável de bem estar e felicidade. Mas, o mais belo e valioso sentimento que a primeira família pode experimentar foi a comunhão com o seu Criador - que além de se deixar sentir a sua companhia quando estava ausente, todos os dias pela tarde, no fim do dia, vinha visitá-la e falar-lhe pessoalmente, e isso era algo que não se podia comparar a nada nesta terra.
A antiga serpente, inconformada com sua derrota e percebendo que não podia fazer nada contra a soberania de Deus, achou por bem levantar-se contra o que Deus tinha de mais precioso na terra – a família. Trazer-lhe sofrimentos e angustias era o que satanás mais queria, pois assim estaria se vingando de Deus, já que a raça humana possuía a imagem e semelhança do seu Criador.
Satanás é muito sagaz e por isso se personificou numa serpente que pelo que parece era um animal muito encantador, e isso ele fez para que pudesse atrair a Eva a se aproximar dele para que então um diálogo fosse iniciado e seu intento fosse concretizado. Após induz-la a pecar e conseqüentemente seu marido, o diabo encontrou na raça humana o direito de lhes causar dores e sofrimentos como assim afirmou Jesus: “O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir...” Jo. 10:10. Ao compará-lo ao ladrão, Jesus afirmou que o diabo é um ser de um caráter extremamente maligno que está sempre disposto a nos roubar alguma coisa que temos de precioso concedido por Deus; também para tirar a vida de qualquer um, tanto no sentido espiritual como no sentido físico, e mais ainda, antes de tirar a vida, procura causar significativas destruições.

A primeira família sofreu imediatamente duras experiências ao perceber que havia sido roubada, tanto os bens que estavam ao seu dispor ali no jardim, como a felicidade que possuía, resultante da sua comunhão com Deus, e ainda mais, a dura realidade de ser expulsa do jardim e ter de chorar a morte do seu filho assassinado pelo seu próprio irmão.
Como o inimigo não se contenta com seus feitos, ele continua a se utilizar de estratégias cada vez mais eficazes no sentido de arruinar a humanidade infringindo sofrimentos às famílias. E como todo efeito tem sua causa, sabemos que a causa das grandes catástrofes e sofrimentos que tomam conta da humanidade está no afastamento do homem, do seu Criador, algo que vem acontecendo paulatinamente.
Sabedor de que enquanto mais o homem se afasta de Deus, mais liberdade ele encontra para lhes causar danos. Satanás a cada dia se levanta contra a família com estratégias cada vez mais imperceptíveis e maléficas, no intuito de banalizar as coisas sagradas, e para isso ele se utiliza dos veículos de comunicação de massa para divulgar suas idéias e conduzir o povo cada vez mais para bem longe de Deus. Ele é astuto e mau, portanto, não podemos duvidar da sua capacidade de engendrar ciladas contra a família; e uma delas é a negligencia dos pais na educação dos filhos e o desrespeito dos filhos para com seus pais, o que resulta em sérios prejuízos. Para ilustrar melhor esta verdade quero citar o caso de Eli, Sacerdote em Siló (ISam. 1:9); que mesmo ocupando um cargo de grande relevância no reino de Deus e perante o povo, não teve o cuidado necessário na educação dos seus filhos, os quais por não se importarem com a posição de seus cargos, pois também eram sacerdotes, nem com a obediência que era devida ao seu pai; praticavam os mais graves pecados, como está escrito: “Era, porém, Eli já muito velho, e ouvia tudo quanto seus filhos faziam a todo o Israel, e de como se deitavam com as mulheres que em bandos se ajuntavam à porta da tenda da congregação. E disse-lhes: Por que fazeis tais coisas? Pois ouço de todo este povo os vossos malefícios. Não, filhos meus, porque não é boa esta fama que ouço; fazeis transgredir o povo do SENHOR. Pecando homem contra homem, os juízes o julgarão; pecando, porém, o homem contra o SENHOR, quem rogará por ele? Mas não ouviram a voz de seu pai, porque o SENHOR os queria matar” I Sam. 2:22-25. Por isso Deus trouxe sobre toda aquela família total destruição.
Eli, quando soube que a Arca de Deus havia sido tomada pelos inimigos e que seus filhos, Ófine e Finéias haviam morrido na batalha, ele, que estava sentado em uma cadeira, caiu para traz, quebrou o pescoço e morreu (ISam.4:1-18.
A geração atual está saturada de doutrinas diabólicas que tentam levar os filhos a comportamentos semelhantes àqueles apresentados pelos filhos de Eli, e pais negligentes na educação dos filhos semelhantes a Eli. O resultado desses tipos de comportamentos é uma aversão a Deus cada vez maior e desvios dos seus sagrados princípios, atraindo cada vez mais males, e sérias ruínas ao mundo.

UMA SOLUÇÃO PARA A FAMILIA

Deus é soberano, e por isso os seus planos jamais serão frustrados. Quando Ele instituiu o casamento e conseqüentemente formou a primeira família, a instituiu com o propósito de adorá-lo, servi-lo e viver eternamente feliz. Por isso, no dia em que satanás a derrotou, deixando-a miseravelmente pobre e infeliz; Deus, por sua misericórdia e amor fez uma promessa ao casal: “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” Gen 3:15. Neste texto, Deus promete a derrota de satanás (Serpente), e a vitória de Jesus (Descendente da mulher), que ferirá a cabeça da serpente; a derrota dos seguidores de satanás e a restauração e vitória dos seguidores de Jesus. No versículo (21) Deus veste o casal com roupas confeccionadas com peles de animal, indicando profeticamente que alguém no futuro teria que morrer para vestir espiritualmente o homem, nem somente isso, mas restaurá-lo completamente; devolvendo a comunhão com Deus, o lar que havia sido perdido, a felicidade e tudo de bom que Deus preparou para aqueles que o amam. Como escreveu Paulo dizendo: “Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam” I Co. 2:9.
Durante toda a história da humanidade Deus sempre trabalhou no sentido de restaurar a família da sua condição de miséria; para isso, instituiu leis que garantissem a proteção da criança, do idoso da mulher, etc., e isso tudo se vê a partir das leis instituídas por Moisés, algumas delas ratificadas por Jesus e ensinadas pelos apóstolos. Deus e o diabo sabem muito bem do valor que a família representa para a sociedade e a Igreja, por isso enquanto satanás procura deteriorá-la o máximo que pode, por outro lado, Deus com o seu amor e misericórdia procura resgatá-la da mão do opressor e garantir-lhe aquilo que foi perdido pelo primeiro casal.
Por ser a primeira instituição divina o casamento é uma das mais belas; criada com a finalidade de proporcionar bem estar emocional, espiritual, garantir a perpetuação da espécie, enfim, proporcionar condições para a manutenção da subsistência de sua posteridade, e influenciar na ordem e harmonia social. O casamento é tão abençoado que o primeiro milagre de Jesus foi realizado num casamento em Caná da Galiléia, quando transformou água em vinho (Jo.2:1-11), mostrando aos convidados e aos cônjuges que por mais que a vida esteja arruinada Ele pode transformá-la de forma radical, dando-a o verdadeiro sentido de viver.
Para que Jesus possa encontrar lugar para a realização do milagre da restauração, é necessário no entanto, que o homem aceite o seu convite que diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” Mat. 11:28-30. Muitas vezes o problema de lares desfeitos e famílias desmoronadas estão presentes no contexto da Igreja de Jesus, e isso acontece quando não se faz uma entrega total; são pessoas apenas simpatizantes do Evangelho, mas que não permitiram Jesus fazer morada em seus corações. São pessoas que abriram seus corações apenas para os seus interesses próprios, em detrimento aos interesses do reino de Deus. Em sua carta a Igreja em Laudicéia Jesus deixou claro, que embora aqueles cristãos professassem o seu nome e gozassem de grande prosperidade material, ainda faltava o mais importante que era a prosperidade espiritual e para isso era necessário que eles abrissem a porta do seu coração e permitisse Ele fazer morada. Olha o que Ele disse: “Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo” Ap.3:20.
Jesus ao se entregar no Calvário como sacrifício a Deus, O fez pela causa da humanidade em geral, que na pessoa de Adão e Eva, havia perdido todos os bens que Deus havia lhe concedido e que até então, vivia exposta aos ataques de satã. E isso Jesus Cristo fez por amor; e ao morrer e ressuscitar, trouxe consigo a bandeira da vitória sobre todos os seus inimigos e inimigos da família, basta tão somente deixar que Ele faça a obra de restauração, entregando-se a Ele de todo o coração.
P.A.B.J-TO. 24/04/10

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...