terça-feira, 1 de dezembro de 2009

DICAS PARA O PROFESSOR DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL



Igreja Evang. Assembléia de Deus - Ministério Madureira
REVISTA – JESUS CRISTO – O Maior Personagem da História da Humanidade
Lição nº 10 de 06 de Dezembro de 2009.

Título: JESUS E OS VALORES DO SAL E DA LUZ
Textos de Referência: Mt. 5.13-16.
Introdução: Antes de ler a introdução impressa na lição comece expressando da seguinte forma:
Ao discursar Jesus sempre valeu dos recursos persuasivos, dentre eles o mais usado foi a linguagem figurada, apresentada em forma de parábolas. Com esse recurso ele falava de objetos, pessoas, animais, costumes, comportamentos, etc., bastante familiar ao povo, para ilustrar uma verdade espiritual. Às vezes fazia isso também quando queria que apenas seus discípulos compreendessem o que Ele queria ensiná-los. Temos como exemplo a parábola da semente. Os discípulos como tinham maior afinidade com o Mestre, tomaram a liberdade para perguntarem o significado da parábola, enquanto os outros ficaram sem entender nada.
Agora leia a introdução da lição e comente sobre o conteúdo da mesma. Lembre-se de falar sobre o simbolismo espiritual do sal e da luz.
O Sodoma e Gomorra.
Pergunte aos alunos: Ao comparar o valor do sal na conservação de uma carne com o valor do cristão para este mundo, responda: O que seria do mundo sem os cristãos?
Estaria melhor?
Estaria igual?
Ou já teria sido julgado pelo Senhor?
O cristão como sal tem também poder de influenciar positivamente a sociedade através de uma vida moldada na palavra de Deus. Isso acontece porque uma pessoa que se torna agradável a Deus conseqüentemente tornar-se-á simpática aos que o cercam.
O cristão como luz: Luz fala de caráter. Assim como a luz se manifesta em meio às trevas, o nosso caráter também é notado por aqueles que nos rodeiam.
- Pois estamos rodeados de uma grande nuvem de testemunhas ( Heb. 12.1).
Se procedermos bem, seremos reconhecidos, mas se agirmos inconvenientemente seremos criticados, marginalizados e desprestigiados.
1. JESUS E SEU DISCURSO SOBRE OS VALORES DO SAL.
a) – Pergunte aos alunos sobre a importância do sal na cozinha de suas casas. Ao citarem a importância do sal, faça com que eles reflitam sobre o assunto, com outra pergunta:
- Pensando na utilidade do sal para o tempero dos alimentos, onde o sabor é realçado tornando a comida mais apetitosa, vocês acham que suas presenças são agradáveis as pessoas com as quais convivem?
1.1. Como o sal era visto pelos antigos.
a) – Além de um ingrediente indispensável na cozinha se usava também até mesmo nos ofícios religiosos (Confira os textos bíblicos da lição e comente sobre o que significava o sal nas diversas situações em que era usado).

1.2. O sal não cura a corrupção, mas influi na sua prevenção.
a) – Uma carne em estado de putrefação não se torna sadia com a colocação do sal.
- O cristão como sal, com suas propriedades preservadoras não tem como mudar o estado corrupto de ninguém, mas pode conduzi-lo a quem tem poder para curá-lo.
b) – Contudo, com a colocação do sal evita que a carne se decomponha.
- O cristão pode prevenir a sociedade da decomposição moral e espiritual através do seu caráter e da pregação do evangelho.
1.3. Nem todos podem ser considerados como sal.
a) – Porque o comentador da lição afirma que nem todos podem ser considerados como sal? Para entender melhor, veja porque Jesus criticava os religiosos do seu tempo. Era justamente por causa da falsa aparência. Até aparentavam piedade Mas interiormente eram como víboras. A partir desse exemplo, concluímos que nem todos que professam o nome de Cristo são verdadeiramente cristãos.
2. JESUS AFIRMOU QUE O SAL PODE PERDER O SEU SABOR.
a) - O sal é um produto que pode se degenerar, perder o sabor e não surtir os efeitos esperados. Da mesma forma é o cristão. Se não seguir os conselhos de Cristo, hoje, ele pode estar contribuindo para o reino de Deus, e amanhã estar prestando um desserviço.
2.1. E se o sal for insípido, com se há de salgar?
a) Pergunte a classe: O que aconteceria se alguém de vocês tivesse no deserto do Saara cuidando de bastante carne e de repente percebesse que não tinha sal e nem sistema de refrigeração que pudesse conservá-la? Que sufoco! Assim é a sociedade em que vivemos; se perdermos o poder preservador, quem poderá fazer isso?
2.2. Sal que não tempera só presta para ser jogado fora.
a) Isso é natural. O ser humano não detém a posse de algo que não lhe traz algum benefício. Ninguém quer perder tempo com algo imprestável.
Pergunte aos alunos: Vocês estão sendo úteis como cristãos; no lar, na escola, na igreja, no trabalho e nos demais ambientes onde vivem?
2.3. O sal não tem que ter apenas aparência, tem que agir.
a) A aparência só tem efeito acompanhada das qualidades morais, éticas e espirituais. Com a aparência podemos enganar as pessoas, mas apenas por pouco tempo. Depois que a máscara cair o prejuízo do descrédito será bem maior.
3. JESUS DESTACOU AS FUNDAMENTAIS IMPORTÂNCIAS DO SAL.
3.1. O sal preserva.
a) – O poder de preservação do sal é o mais importante. Creio que a questão de sabor fica em segundo plano, pois o sabor é algo que nos acostumamos fácil. Se nós como cristãos estamos fazendo o máximo para preservar o nosso semelhante da corrupção mundana, não importa se em algum momento nos tornamos indesejáveis. Jesus para salvar a humanidade não conseguiu ser agradável a todos.
3.2. O sal é valioso e importante.
a) – Não importa se as pessoas não te valorizam como ser humano ou mesmo cristão. Reconheça que você tem muito valor para Deus e para o mundo, e que Deus precisa de você para fazer este mundo melhor.
3.3. O sal deve atender a uma expectativa divina.
a) – Deus nos chamou para trabalhar com dedicação, amor e determinação. Quando chamou Pedro para ser pescador de homens, o repreendeu quando ele percebeu que o mesmo queria retornar a velha profissão de pescar peixes; disse também que aquele que pega no arado e olha para traz não está apto para o reino de Deus.
4. JESUS AFIRMOU QUE SEUS DISCÍPULOS ERAM A LUZ DO MUNDO.
4.1. A luz foi feita para iluminar.
a) A luz é tão importante que para criar o mundo Deus teve que primeiro criar a luz. Com a luz podemos enxergar o caminho que estamos seguindo; podemos trabalhar tranquilamente; apreciar as belezas que nos cercam; perceber os perigos que nos ameaçam; etc.

4.2. Os crentes são refletores, não estrelas.
a) A lua e os astros não possuem luz própria. A luz que elas emitem é o reflexo do sol. O cristão não possui luz própria, mas o reflexo do sol da justiça (Mal. 4.2) que é Cristo. Certa vez Ele disse: “Eu sou a luz do mundo...” Jo. 8:12.
4.3. Sal e luz, uma combinação perfeita.
a) É como o feijão e o arroz para os tocantinenses! Uma combinação perfeita que só traz benefícios quando utilizados com moderação.
- Você é sal. Portanto lembre que sal se usa com moderação.
- Luz demais causa irritação aos olhos.
CONCLUSÃO: O cristão tem como obrigação fazer a diferença no meio em que vive. Precisa deixar que a luz do caráter de Cristo ilumine este mundo tenebroso.
Conta-se uma ilustração que certo dia enquanto estava no auge de uma guerra, um soldado por no Alexandre fugiu da batalha por medo, mas foi capturado e levado para Alexandre o Grande (Que era seu comandante). Ao ser apresentado, Alexandre o Grande perguntou ao soldado: Qual é o seu nome? – Alexandre! Respondeu o soldado todo trêmulo. – Disse o comandante: Você precisa mudar de nome ou mudar de caráter.

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...