Pular para o conteúdo principal

AS CARACTERÍSTICAS DO CRENTE VENCEDOR

Como cristão você já se sentiu derrotado alguma vez em sua vida? O que seria um crente derrotado? O que fazer para ser um vencedor? Quem em toda a sua vida conseguiu nos legar o maior exemplo de vitória? Você sabia da importância que temos de vivermos vitoriosamente?
Se você tem dúvidas a respeito dessas questões, saiba, portanto, que é necessário que tenhamos conhecimento do falso sentimento de derrota, e o que podemos aprender na Bíblia sobre derrota e vitória. Principalmente descobrirmos a pessoa certa na qual devemos nos espelhar para que tenhamos uma vida vitoriosa.

Se você se acha numa condição de derrotado, o que você entende por derrota? Uma adversidade que está enfrentando como: Uma dificuldade financeira? Uma crise no relacionamento familiar ou amoroso? Por ter se decepcionado com alguém, em quem você tanto confiava? Um deslize moral ou espiritual? Por sentir-se solitário? Por estar sendo perseguido? Porque se acha tão insignificante para as pessoas e para Deus?
Geralmente as pessoas que se enquadram em uma destas situações facilmente serão tentadas a terem um sentimento de derrota. No entanto, nem sempre isso significa uma derrota propriamente dita. Para que você entenda melhor o meu ponto de vista e possa assim, tirar suas próprias conclusões veja a seguir, algumas situações vivenciadas por respeitados homens de Deus - Em primeiro lugar vamos entender o que aconteceu a Jó, que segundo o testemunho do próprio Deus, era um homem íntegro, temente a Deus e que se desviava do mal. Além disso, era respeitado pelo seu grande poder econômico, ao se tornar o homem mais rico do oriente - Mas, um dia, Jó viu toda a sua riqueza desaparecer como um vapor, e com ela, o seu rol de amigos; se não bastasse, recebeu a notícia de que seus filhos haviam morrido juntamente com quase todos os seus criados. E enquanto meditava no que havia conduzido a condição de um dos mais paupérrimos de sua nação; Jó percebeu que coisa pior ainda estava por vir, quando olhando para si, percebeu que o seu corpo já não era mais o mesmo, mas uma chaga começava a alastrar-se, o deixando completamente leproso. Diante de um quadro tão deplorável pelo qual Jó vivenciou, pergunto: Você acha que aquilo era sinônimo de derrota? Creio que muitos cristãos hodiernos, se houvessem passado pela mesma situação, diriam que estavam completamente derrotados; que Deus já havia se esquecido deles e que não havia mais saída para a sua situação. Mas, não foi assim que Jó se sentiu, pelo contrário, ele sabia que não eram bens materiais que podiam determinar sua vitória ou derrota. Por isso afirmou: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra” Jó 19:25. Tais palavras revelam a esperança de um homem imbatível diante do sofrimento e a certeza de que quando tudo terminasse, o seu Criador estaria de braços abertos para retribuí-lo por toda a paciência demonstrada diante do sofrimento.

Outro que faz jus mencioná-lo é José, que durante grande parte de sua vida pode experimentar o ódio dos seus irmãos que por muito tempo o odiaram a ponto tentarem matá-lo, o que tiveram seus planos frustrados, mas, que acabaram vendendo-o como escravo aos mercadores que se dirigiam para o Egito. Ao se encontrar em terra estranha, pensando que estivesse distante das perseguições, de repente ele se encontra em um beco sem saída – Mais uma injustiça batia a sua porta. Pois, acabara de ser vítima de uma grave calúnia que o conduziu a prisão. Entretanto, José jamais se deu por vencido, pois cria em um Deus justo e verdadeiro.

Daniel era um jovem íntegro e temente a Deus, mas quando foi conduzido cativo a Babilônia, foi proibido de fazer suas orações ao Deus verdadeiro. E tudo isso, porque tinham inveja dele e não acharam nada que pudessem incriminá-lo. Certo dia seus inimigos perceberam que Daniel continuava orando a Deus, e resolveram denunciá-lo ao rei; que para fazer cumprir seu edito, tentou matá-lo, jogando-o na cova dos leões. Creio que muitos naquele dia puderam dizer: Daniel foi vencido! Daniel foi derrotado!

Diante de tudo que já foi mencionado, talvez você queira justificar a sua derrota ao afirmar que o seu problema é de caráter moral ou espiritual. Mas eu pergunto: Esses são motivos para determinar a sua derrota? – Em parte sim; mas para que você entenda melhor, quero citar o caso de três homens apenas: Noé, Abraão e David.
Segundo a Bíblia Noé era um homem justo diante de sua geração e por isso foi escolhido por Deus para liderar o grupo que seria salvo do dilúvio. Mas, você sabe o que ele fez? Certo dia bebeu tanto vinho que acabou se embriagando a ponto de ficar despido. O outro foi Abraão, que por sua grande fé foi escolhido por Deus para ser o pai de uma grande nação da qual nasceria o Messias; ele caiu tanto na graça de Deus que Ele o chamou de amigo. Entretanto, Abraão ao descer para o Egito, mentiu sobre sua mulher, pois temeu ser morto pelo rei; repetindo esta prática uma ou duas vezes quando de retorno a Palestina. Contudo, suas faltas não pararam por aí; pois coabitou com sua empregada na tentativa de dar um filho a sua senhora Sara. Pois resolveram tentar ajudar a Deus, já que não acreditaram de todo o coração que Ele pudesse fazer cumprir a sua promessa na vida de sua esposa legítima; fazendo gerar filhos numa idade tão avançada.

O caso mais grave foi o de Davi – homem a quem Deus disse: “Achei um homem segundo o meu coração”. E você sabe o que ele fez? Ao ver a mulher de Urias, um dos seus soldados tomando banho, ficou tão atraído pela sua beleza, que deu ordem ao seu general para colocar Urias na frente da batalha para que ele morresse e ele pudesse tomar sua mulher como esposa.

Diante dos relatos feitos aqui você pode estar se perguntando: Se os casos de adversidades e deslizes morais e espirituais não constituem motivos de derrota; o que seria derrota então? Deixe-me explicar – Em primeiro lugar, acredite, perca de valores temporais que são terrenos e passageiros não é motivo para o cristão se considerar derrotado. Quanto aos valores morais e espirituais, sim, esses podem determinar a sua vitória ou derrota. No entanto, o termo vencido deve ser aplicado apenas a Satanás e seus anjos. Quanto às pessoas, por mais que elas sofram danos morais e espirituais ainda existe uma forma de fazer com que a situação seja invertida. Basta reconhecer seus erros, confessá-los e retornar para Deus então sua vida retomará o rumo da vitória. O que aconteceu aos homens citados acima é que eles não permaneceram no pecado. Pelo contrário, passaram a ter uma vida de verdadeira obediência a Deus e a sua Palavra.

O CRENTE VENCEDOR SE PARECE COM CRISTO QUE É O SEU MAIOR EXEMPLO
O
crente que se parece com Cristo jamais será vencido. A Bíblia diz que quando Jesus foi preso, Pedro o seguiu de longe, e em certo momento enquanto Jesus se encontrava no tribunal, Pedro estava no pátio e alguém o reconhecendo e querendo denunciá-lo as autoridades disseram a Pedro: “Verdadeiramente também tu és deles, pois a tua fala te denuncia” Mat. 26:73.
Você já percebeu que a maioria dos pregadores e até mesmo leigos, procuram imitar o seu líder principal? Imitam-no principalmente no estilo de pregar, como: Gestos, entonação de voz repetição de alguns chavões, etc. Na atualidade podemos constatar essa prática em várias denominações evangélicas e não evangélicas. Alguns procuram imitar seus líderes porque acham bonito o seu jeito de pregar, outros, porém, achando que se imitá-lo, conseguirá obter o mesmo poder demonstrado por eles. Mas não vamos entrar nesse mérito, porque isso não nos interessa. O que interessa mesmo são os valores espirituais que adquirimos como resultado de termos Jesus como nosso companheiro e amigo nesta jornada terrena.
Aquele que diz ser discípulo de Jesus precisa imitá-lo em quase todos os aspectos, e um deles é a sua maneira de falar. Com isso não estou me referindo ao sotaque, porque isso não causa nenhum efeito espiritual, além disso, não sabemos como era a maneira exata de Jesus se expressar. O que eu quero dizer é que quem parece com Jesus possui uma linguagem sadia, não se ocupa em falar de coisas profanas que entristeçam o Espírito Santo, pelo contrário, fala das coisas do céu com uma convicção tal, capaz de influenciar aos que o ouvem.

O crente só pode ser um vencedor se ele fizer parte da família de Jesus. Talvez você ache um pouco estranha esta minha afirmação e pergunte: Mas todo crente não faz parte da família de Jesus? – Claro que não! Veja o que disse Ele próprio: “estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe” Mt. 12:49-50.
Jesus deixou bem claro, que para ser parente dEle o indivíduo precisa obedecer ao seu Pai; e como sabemos, nem todo crente obedece a Deus. Os demônios também são crentes, pois eles crêem (Tg.2:19). Então, existe crente derrotado! A palavra crente significa alguém que crê. Você pode ser crente em qualquer coisa. Mas o crente vencedor é aquele que crê unicamente em Deus como seu Salvador e senhor da sua vida e tem uma vida de inteira dedicação a Ele.

Quem parece com Jesus é ousado em seu testemunho. Pedro e João quando discursaram no Sinédrio, testemunhando sobre Jesus e sua obra, foram tão ousados em seus pronunciamentos que as autoridades que os assistiam ficaram admiradas: “Então eles, vendo a ousadia de Pedro e João, e informados de que eram homens sem letras e indoutos, maravilharam-se e reconheceram que eles haviam estado com Jesus” At. 4:13. Esse foi o resultado deles terem estado com Jesus, aprenderam a falar do amor de Deus sem acanhamento. O crente vencedor não deve ter medo ou vergonha de testemunhar daquilo que Jesus fez em sua vida. Se sente acanhado, talvez seja porque você acha que a sua classe social, seus amigos, vizinhos, etc., sejam mais importantes do que Jesus, ou porque não tem convicção daquilo que você diz acreditar.
O crente vencedor fala em auto e bom som do que Jesus fez em sua vida, como Ele próprio fez. Testemunhou com ousadia das obras do seu Pai, até que na cruz deu o brado: “Tudo está consumado”.

Com tudo o que já mencionei, o mais importante na vida do crente é o Espírito Santo, e ninguém pode recebê-lo, a não serem aqueles que se pareça com Jesus. Ele O recebeu quando para iniciar o seu ministério terreno. Veja o que relatou o Evangelista Mateus: “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele” Mat. 3:16.
Você sabia que todos os personagens do Antigo Testamento, que foram incumbidos de realizar alguma obra, primeiro Deus os deram certa porção do Espírito para que eles pudessem alcançar seus objetivos? Por isso, através da Bíblia podemos conhecer suas histórias de lutas e vitórias. Os que lutaram e foram derrotados foram somente aqueles que desobedeceram a Deus, e conseqüentemente perderam a companhia do seu Santo Espírito. Portanto, esta é a maior característica do crente vencedor.

Peço desculpas pelo atraso. Por motivo de força maior não foi possível postar na data prevista.


P. A. B. J. TO. 01/03/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira chuva enviada sobre a terra não foi pela ocasião do grande dilúvio, como afirma a maioria

Por: Edes Com frequência vimos pregadores afirmarem que até o dilúvio não havia chuva sobre a terra, ou seja, os povos contemporâneos de Adão e Noé não conheciam chuva; talvez por isso não acreditassem na pregação de Noé a respeito do grande dilúvio que Deus enviaria sobre a terra. Os defensores desta ideia reclinam sobre o divã da negligência em relação ao estudo cuidadoso da palavra de Deus, e debruçam sobre os braços dos ditos populares desprovidos de conhecimento bíblico. Àqueles que pregam essa ideia absurda de que até a época do dilúvio não havia chuva, mas apenas um vapor regava a terra, baseiam-se no seguinte texto bíblico: “Não havia ainda nenhuma planta do campo na terra, pois ainda nenhuma erva do campo havia brotado; porque o SENHOR Deus não fizera chover sobre a terra, e também não havia homem para lavrar o solo. Mas uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do solo”. Gen. 2.5 e 6 Para aqueles que apenas leem este texto de uma forma rápida e sem observar para…

O RELACIONAMENTO DE NORA E SOGRA SOB A PERSPECTIVA DA PALAVRA DE DEUS

A lição bíblica desta semana aborda um tema que nos chama bastante atenção, por se tratar de assuntos relacionados ao relacionamento entre nora e sogra. E por falar em sogra, quem, algum dia, não ouviu uma piadinha sobre a mesma? Creio que você já viu e ouviu, não somente uma anedota, mas também, alguns falatórios que incluíssem alguns adjetivos indelicados, proferidos por algumas noras ou genros que tenham sido vítimas de más atitudes de suas sogras.
Porém, tem coisas que nem sempre são como aparentam ser. Pois, por mais que façam gracejos e falem mal das sogras, jamais podemos generalizar. É normal noras e genros em algum momento, verem suas sogras como vilãs que atormentam seus relacionamentos conjugais; mas nem sempre isso acontece com todas as pessoas, pois tenho uma sogra maravilhosa que até o momento, não tenho nenhum motivo para falar mal dela. E assim acredito que existem muitas noras e sogras espalhadas pelo mundo afora que se relacionam muito bem; talvez um relacionamento me…