sábado, 25 de setembro de 2010

CURANDO RESSENTIMENTOS E MÁGOAS ATRAVÉS DO PERDÃO

No decorrer de nossa trajetória terrena estamos sujeitos a sofrer de várias doenças, dentre as quais em sua maioria pode ser curada através do uso de remédios, cirurgias, e outras formas de tratamentos. Contudo, algumas doenças são de origem psicossomática e precisam de um tratamento diferenciado por especialistas na área comportamental, pela obtenção do perdão dos pecados cometidos, e as vezes pela liberação do perdão a alguém que o tenha ofendido; pois, suas origens estão na alma, provenientes de algum problema psicológico ou espiritual causados por ressentimentos, mágoas, ódios, etc.

Uma pessoa que foi vítima de injustiças, calúnias e injúrias, se não perdoar a quem o ofendeu, do fundo do coração, pode com o decorrer do tempo ter problemas difíceis de serem diagnosticados pela medicina tradicional, pois segundo alguns entendidos, uma pessoa pode ter aversão à outra pessoa de tal forma, que ao vê-la ou ouvir sua voz, pode no mesmo instante sentir dores de estomago por exemplo.

Além dos problemas comportamentais e físicos, a falta do perdão nos leva a complicações muito maiores, que são as de origem espiritual, as quais podem comprometer seriamente a nossa salvação. Segundo Jesus Cristo, o nosso perdão por parte de Deus está condicionado a nossa predisposição para liberar o perdão àqueles que nos ofendem. Certa ocasião, para ensinar sobre o nosso dever de perdoar aqueles que nos ofende, Ele propôs uma parábola: “Por isso o reino dos céus pode comparar-se a certo rei que quis fazer contas com os seus servos; e, começando a fazer contas, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos; e, não tendo ele com que pagar.... Então o senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos, que lhe devia cem dinheiros, e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves... Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito, e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara. Então o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia.” Mat. 18:23-35.

Em primeiro lugar analisemos a situação desses dois devedores e que tipos de tratamento receberam dos seus credores: O primeiro devedor era servo de um Rei que resolveu acertar contas com ele, que depois de fazer um balanço de tudo que o servo lhe devia, concluiu que por ser a dívida tão grande (Se fosse hoje esse servo estaria devendo cerca de 126 mil kg de prata) se tornara impagável para um trabalhador que recebia por dia de serviços prestados apenas o equivalente a 0,04 gramas, por isso o Rei resolveu vendê-lo com toda a sua família e bens, para que o débito fosse saldado. Ao saber da medida tomada pelo seu Senhor, aquele servo prostou-se aos seus pés com rogos e insistia que lhes fosse generoso para com ele, e desse mais um tempo para o pagamento da dívida.

Aquele Rei sabedor da impossibilidade daquele servo diante duma dívida tão grande se compadeceu do mesmo e resolveu perdoá-lo por tudo o que lhe devia.

Certo dia, aquele servo que havia recebido o perdão de uma dívida tão vultosa, viu um amigo, quem sabe, um companheiro de trabalho, que lhe devia apenas o equivalente a 0,400gr de prata ou pouco mais de três meses de serviços, e ao encontrá-lo pegou no colarinho da sua camisa e sufocava-o dizendo: pagas o que me deves – mas o seu conservo implorando dizia: Seja um pouco generoso para comigo... Dei-me mais um pouquinho de tempo enquanto procuro um emprego para poder lhe pagar! – Mas impiedosamente aquele homem não atendeu os seus rogos e levando-o a justiça o colocou na prisão.

Os conhecidos daqueles dois homens e de tudo que lhes haviam acontecido; se indignaram com ele, por tratar o seu semelhante com tanta impiedade, mesmo tendo ouvido o clamor por misericórdia. Imediatamente fizeram uma comitiva e relataram ao Rei tudo o que havia ocorrido. Pelo que se indignou muito com a atitude daquele servo, e tendo mandado buscá-lo o repreendeu pela forma desumana com a qual tratou seu semelhante e como agiu de maneira ingrata, ao condenar um amigo por uma pequena dívida sem levar em consideração à enorme que lhes havia sido perdoada. E por isso, porque não teve compaixão do seu companheiro assim como o Rei o teve dele, sua dívida foi ativada e ele entregue a justiça para que não saísse da prisão enquanto a dívida não fosse totalmente paga.

Caro irmão, falo com você que conhece a palavra de Deus, pois é você e eu, o servo do Rei (Deus) que possuía uma dívida impagável, ao ponto de estar condenado a viver nas prisões eternas, mas Deus pela sua infinita misericórdia e graça, enviou seu Filho Jesus para pagá-la. Agora estamos livres para nos encontrarmos com nossos devedores e decidirmos o que fazer com eles. Perdoá-los como Deus fez conosco ou condená-los como fez o impiedoso servo. Sabendo, portanto, que se optar para fazê-los o mesmo que Deus fez a nós, continuaremos perdoados e livres da condenação. Pelo contrário se formos ingratos e impiedosos, Deus fará com que a dívida que tínhamos para com Ele seja reaberta e automaticamente cobrada no dia do juízo.

Assim como o homem da parábola foi entregue aos seus atormentadores para que sua dívida fosse paga, simplesmente porque não perdoou a quem lhe devia, acontecerá o mesmo com os cristãos impiedosos que não sabem perdoar. No próprio texto Jesus afirma: “Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas”.

Na única oração ensinada pelo Mestre Jesus, Ele diz: “Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores” Mat. 6:12. Com este ensinamento Jesus é bastante claro ao afirmar que o perdão divino está condicionado ao perdão liberado por nós aos nossos semelhantes. Pois como você quer se livrar de uma grande dívida se não quer perdoar uma pequena quantia contraída pelo seu companheiro?

QUEM PODE PERDOAR PECADOS?

Às vezes as pessoas por faltar conhecimento sobre o “perdão” falam que não perdoam ninguém, porque quem pode perdoar é somente Deus. Por um lado quem faz essa afirmação está perfeitamente de acordo com os religiosos do tempo de Jesus que certa vez disseram: “Quem pode perdoar pecados, senão só Deus?” Lc. 5:21b Por outro lado mostram desconhecimento, pois precisamos discernir o que a Bíblia fala com respeito o perdão de Deus e o perdão concedido por nós.

Precisamos saber o seguinte: Deus nos perdoa as ofensas que cometemos contra Ele apenas, e não a ofensa que alguém comete contra nós. Quem deve perdoar a ofensa que o irmão cometeu contra mim sou eu, porque ele a cometeu em primeiro lugar foi contra mim. Agora depois que eu perdoá-lo é que ele deve se dirigir a Deus para também concedê-lo o perdão, pois toda ofensa cometida a uma pessoa de certa forma ofende também a Deus.

Para melhor entender: Se peco contra Deus é Ele que pode me perdoar. Se peco contra um irmão é o irmão ofendido que pode perdoar-me.

A questão do perdão é algo sério, pois não se trata apenas de um direito, mas de um dever. Todo cristão conhecedor da palavra de Deus e deseja estar em paz com Deus, sabe que o perdão é algo necessário e deve ser liberado todas as vezes que alguém arrependido vier nos pedir.

Uma das coisas mais importantes sobre o perdão é que ele só pode ser liberado por aqueles que nasceram de Cristo. O homem natural se desculpa e aguarda uma oportunidade que possa se sentir vingado, mas os filhos de Deus perdoam e lançam no mar do esquecimento e não se vã gloriam quando o seu ofensor cai numa desventura.

O PERDÃO SOB A PERSPECTIVA DIVINA

Você já foi ofendido por alguém? Você já o perdoou? Caso positivo, qual foi o seu sentimento após o perdão e o que você se sente ao lembrar-se do fato?

É normal todo ser humano receber ofensas do seu próximo, principalmente aqueles que querem viver piamente segundo as leis de divinas, e às vezes Deus permite que isso aconteça para testar a nossa fé que professamos nele – um teste que avalia não apenas a nossa reação imediata, mas também a nossa disposição em conceder o perdão.

Em resposta a segunda pergunta você pode afirmar que todas as pessoas que lhe ofendeu você já o perdoou. Entretanto, não se pode confirmar se houve na verdade um perdão, e se na verdade ele foi aceito por Deus se não abalizarmos alguns detalhes, como se segue: O perdão verdadeiro deve ser incondicional, ou seja, se alguém lhe ofendeu e arrependido veio implorar o seu perdão, você não deve impor-lhe uma série de condições para que você possa perdoá-la. Jesus ao perdoar o pecador não lançou em rosto todos os nossos pecados e ingratidões, pois sabia muito bem que quando alguém se arrepende e perde perdão é por que reconheceu que errou.

Outro ponto importante – não há perdão de verdade quando não se abre mão de algum interesse próprio ou mesmo de um ponto de vista em prol da reconciliação. Existe uma ilustração bastante conhecida sobre essa questão: Conta-se que certo irmão em suas andanças se deparou com uma cobra coral, e a matou. Mostrou-a para o seu companheiro que disse – esta é uma Coral! O outro retrucou – é uma cobra! Os dois ficaram naquela disputa sem fim que foram se deparar na reunião ministerial. Lá foi dada a oportunidade para ambos expor suas contestações para que o pastor pudesse dar uma saída para o problema. Depois de ambos contarem seus pontos de vista o pastor os convocou para se perdoarem mutuamente. Um deles a fim de perdoar o irmão disse tudo bem seja da maneira que o irmão está afirmando. – É eu o perdoou, mas continuo afirmando que o bicho que ele matou é uma Coral mesmo! ... Esta pequena ilustração nos faz lembrar muitos casos de irmãos que só perdoa o infrator se ele ceder aos seus caprichos... Isso não é perdão! Jesus ao atender o apelo do ladrão que humildemente lhe pediu um lugar no céu poderia ter-lhe dito: Não vou lhe perdoar porque você só está querendo um lugar no céu porque está aqui quase na hora da morte! Porque você não se lembrou do céu enquanto estava livre e tinha me ouvido pregar sobre o arrependimento?

Outra questão séria sobre o que acontece a muitos irmãos que dizem ter perdoado é que não conseguem se esquecer da ocorrência da ofensa. Olha se eu perdoei alguém, mas fico alimentando aquela lembrança de que eu fui ofendido por aquela pessoa, não posso afirmar que houve o perdão verdadeiro. Pois o fato de estarmos sempre lembrando alimenta o nosso desejo de vingança, e a vingança só pertence a Deus. Quem perdoa faz como Jesus – Passa uma borracha no passado (II Co. 5:17) e começa uma vida nova. Tem provérbio popular que afirma: “Lembrar do passado é sofrer duas vezes”.

O perdão é a condição indispensável para quem quer ser perdoado por Deus, e é um ato de grandeza moral e humildade espiritual.

P. A. B. J. TO. 25.09.10

sábado, 11 de setembro de 2010

O CRISTÃO E OS DIVERSOS TIPOS DE RELACIONAMENTOS

O que é relacionamento? Podemos afirmar que relacionar é o mesmo que comunicar, como aconteceu com nossos primeiros pais e o seu Criador. Contudo, relacionamentos não se dão apenas entre Deus e os seres humanos, e de humanos entre si; mas também, com seres humanos e demais seres existentes em nosso planeta.

De acordo com os escritos sagrados, Deus, ao criar o primeiro casal, o fez com um coração bom e reto, que o possibilitava obter elacionamentos sadios, tanto com sua espécie como com a natureza que o cercava. Contudo, a queda maculou a natureza humana de tal forma que desde a sua infância o homem carrega em seu coração boa dose de maldade; o suficiente para produzir no ser humano um espírito destruidor.

Concernente ao relacionamento do homem com o planeta, pode se afirmar, que se não fosse o pecado ter entrado no mundo, estaríamos vivendo num verdadeiro paraíso. Mas, a maldade tomou conta do mundo trazendo conseqüências desastrosas à natureza. Sabe-se hoje através de estudos científicos que o buraco existente na camada de ozônio vem crescendo gradativamente à medida que gases tóxicos provocados pelos veículos, indústrias e queimadas criminosas de nossas matas acontecem, e isso vem aumentando a temperatura e conseqüentemente provocando desastres ecológicos de grandes proporções e que os raios ultravioletas que estão deixando de ser filtrados, provocam cânceres de peles nas pessoas; a escassez de água potável aumenta à medida que matas ciliares estão sendo destruídas, e águas advindas de poços artesianos são usadas indiscriminadamente; e que a contaminação do solo e das águas vem a cada dia provocando sérios prejuízos à flora e a fauna do nosso planeta. Contudo, os problemas não param por aí, a cada dia o ar que respiramos recebe uma dose maior de produtos químicos prejudiciais a nossa saúde; de outra forma, produtos radiativos que provocam doenças são emitidos no espaço através de equipamentos eletrônicos como, por exemplo, os celulares, um dos produtos mais populares do momento. E para quem mora nas grandes metrópoles, além da poluição visual causada pela fumaça dos automóveis existe também a poluição sonora provocada pelo barulho dos motores dos aviões, carros e indústrias e outros tipos de emissores de som.

Diante de uma situação tão crítica pela qual vivencia o mundo, não podemos negar que de acordo com a lei da sobrevivência, não teríamos como evitar muitos desses problemas, já que o pecado trouxe a necessidade de sempre aniquilar um ser para garantir a sobrevivência de outro. Entretanto, é certo, que se os homens tomassem consciência desta real situação e tomassem medidas cautelosas de preservação, o mundo estaria bem melhor.

Existem espalhadas pelo mundo afora, ONGs empenhadas na questão da preservação do meio ambiente, bem como, órgãos do governo que trabalham para evitar o uso desordenado dos recursos naturais, mas sabemos - somente essas entidades não podem fazer quase nada; apenas conscientizam a população e fazem algumas repressões, o que apenas amenizam de maneira superficial os problemas existentes e previnem pequena parte deles.

Ao meditar sobre a situação presente enfrentada pelo mundo e sobre o que poderá acontecer em um futuro próximo, nós, os cristãos deveríamos mostrar para o mundo que somos luz para o mundo; empenhando-nos no sentido de sermos exemplo nas questões referente à preservação do meio ambiente. Algo que não deve ser motivado apenas pelas filosofias humanas pregadas por esses movimentos que levantam a bandeira da ecologia, mas principalmente pelo conhecimento que temos da palavra de Deus, a qual nos ensina a lei da vida e não da morte; que nos exorta a sermos bons administradores dos talentos que Deus nos confiou; que nos ensina também amarmos a nós e ao nosso próximo com a mesma intensidade.

Ao pensarmos assim, automaticamente vamos utilizar as coisas que estão ao nosso dispor de maneira que atenda as nossas necessidades e fique alguma reserva para a nossa posteridade.

RELACIONANDO COM NOSSO SEMELHANTE

Relacionar com o ser humano é o segundo mais importante, quando se trata de relacionamento interpessoal, mas, podemos afirmar que dentre os relacionamentos esse é o mais difícil. Mas, não se deve valer dessa dificuldade como pretexto para nos sentirmos desobrigados dessa necessidade; principalmente quando tentamos seguir os princípios bíblicos.

Em nossa convivência diária nos deparamos com pessoas portadoras de vários tipos de necessidades, como por exemplo: Necessidades físicas, emocionais, espirituais, afetivas, econômicas, etc. E todas elas necessitam de algum tipo de ajuda, mesmo que seja uma palavra de aconselhamento, um abraço, um pão para se alimentar, um simples cumprimento, um aperto de mão, um gesto de carinho, etc.

Mesmo sabendo da carência do nosso semelhante e da insignificante parcela de ajuda que podemos dispensá-lo, muitos preferem fazer vistas grossas e ouvidos de mercador para não socorrer tais pessoas. Alguns até imaginam que as questões relacionadas à assistência social, é dever apenas do Estado, e esquecem que antes do Estado ter essa obrigação, o cristão já teria sido incumbido dessa responsabilidade.

Como cidadão do céu e do país do qual fazemos parte, precisamos em primeiro lugar cumprir com nossos deveres impostos pelas leis terrenas e principalmente daqueles recomendados por Deus em sua palavra, para então podermos reivindicar nossos direitos como cidadãos.

NOSSOS DIREITOS COMO CIDADÃOS

Como cidadãos conhecedores dos nossos direitos e deveres terrenos e celestiais, devemos nos empenhar o máximo para que sirvamos de paradigma para os nossos contemporâneos.

Como cidadãos de um país onde há liberdade de expressão do pensamento, da livre escolha de religião, etc. Precisamos saber até a onde o nosso direito é garantido, para evitar entremos em conflito com as leis, e automaticamente sofrer suas penalidades.

Dentre esses direitos podemos fazer parte de movimentos sociais, associações e outras entidades como as ONGs; mas em nenhum desses movimentos que porventura venhamos fazer parte, devemos perder a nossa identidade cristã. Nossas ações devem ser moldadas pela Bíblia sagrada que é o nosso verdadeiro manual de conduta e fé cristã.

P. A. B. J. TO. 11/10/10

sábado, 28 de agosto de 2010

JESUS, SEU MINISTÉRIO E VIDA SOCIAL

Podemos comparar a vinda de Jesus a este mundo, a um pescador que foi ao rio pescar peixes. Com base nesta comparação, pergunto: Quais são as exigências necessárias para que o pescador possa ser bem sucedido em sua pescaria? Talvez você entenda bastante sobre esse assunto, mas quero destacar alguns pontos importantes. Além de bons equipamentos, o pescador precisa ter iscas apropriadas para os vários tipos de peixes; ter a habilidade para manusear iscas e equipamentos; saber os locais onde os peixes mais se concentram e principalmente ter a perícia de se aproximar deles de maneira que não os espante.

Como bom pescador de almas Jesus, com sua inigualável sabedoria procurou se infiltrar justamente onde havia maiores concentrações de pessoas, com a finalidade de buscá-las para o seu reino. Por isso vemos em sua biografia escrita pelos quatro Evangelistas, registros de sua presença nos eventos de maior magnitude, como festa da Páscoa (Jo. 2:23), festa dos pães ázimos (Mt.26:17), festa de casamento em Caná da Galiléia (Jo. 2:11), banquetes em casas de publicanos e pecadores como o que aconteceu na casa de Levi (Lc.5:29).

Nesses eventos o Mestre encontrava uma boa oportunidade para anunciar a boa notícia de salvação, pois o número de pessoas alcançadas por sua mensagem era significativamente maior que quaisquer outras disponíveis naqueles tempos. Sabemos que exceto as reuniões sociais, Jesus com sua pregação e milagres conseguia reunir grandes multidões a sua volta, mas, como em todas as sociedades existiam aqueles que não O seguia; quem sabe pela sua posição social ou por ocupar um cargo político e até mesmo religioso; fora necessário que Ele fosse até essas pessoas, que não deixavam de marcar presença nessas reuniões.

Em todas essas visitas a esses eventos Jesus tinha sempre um objetivo principal em mente – a divulgação do Evangelho. E, ao contrário do que muitos imaginam, nunca fez essas visitas apenas com o objetivo de se deliciar das bebidas e iguarias que se ofereciam nesses locais.

Ao se infiltrar nas grandes reuniões sociais do seu tempo Jesus estaria nos legando um exemplo maravilhoso de que o povo de Deus deve não apenas fazer parte da sociedade como um indivíduo isolado dentro das quatro paredes da sua congregação. Pois como homens e mulheres de Deus devem achar nesses acontecimentos uma boa ocasião para testemunhar de Jesus. Observe que Jesus não ia apenas para ouvir, mas principalmente para falar, como assim escreveu o Apóstolo João (7:37: “E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba”.

A LUZ E AS TREVAS

Em seu ministério terreno Jesus fez questão de se tornar um homem público (A partir dos 30 anos de idade), contatando-se com pessoas de todas as classes sociais e níveis culturais; dos mais pobres e ignorantes aos mais nobres e cultos, pois tinha consciência de suas reais necessidades espirituais. Ele era a Luz que precisa brilhar no meio de um povo que vivia em densas trevas, como Ele próprio disse: “...Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida”Jo. 8:12. A luz foi feita para brilhar por isso Jesus fez resplandecer a sua luz neste mundo de trevas e deseja que todos nós brilhemos por onde andarmos; por isso, disse Ele: “Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” Mat. 5:14-16.

Veja que nas palavras do Mestre, transcritas logo acima Ele deixou bastante claro sobre a necessidade de fazermos com que a nossa luz brilhe neste mundo; ou seja, por onde quer que possamos andar. Seja numa festa de casamento, numa reunião política, ou em qualquer evento social; precisamos mostrar que somos diferentes. Pois quem sabe a sua presença naquele local foi planejada por Jesus, para que o seu nome fosse manifestado e glorificado. Se você foi convidado para fazer parte daquele grupo social, é porque alguém que é trevas precisa da luz que você irradia. Porque digo isso? Porque dificilmente alguém convida um cristão verdadeiro para suas reuniões; pois geralmente eles convidam aquelas pessoas que falam a mesma língua, que bebem da mesma bebida, que comem da comida, etc.

Portanto, não tenha a sua posição no reino de Deus como um obstáculo para recusar fazer parte da sociedade, pelo contrário, use desta prerrogativa para fazer com que as pessoas vejam a luz de Cristo refletir em sua vida.



P. A. B. J. TO. 28/08/10

sábado, 21 de agosto de 2010

O CRISTÃO E A PRATICA DO AMOR FRATERNAL

o tema acima possui duas palavras de grande impacto: A primeira é o vocábulo “cristão”, e a segunda “amor”. A primeira possui grande peso por significar uma pessoa seguidora de Cristo, e a segunda, por ser um sentimento indispensável na vida dos filhos de Deus. Na lição desta semana temos o estudo da prática do amor fraternal que é o amor entre os irmãos.

Para nosso comentário de hoje, vamos refletir em primeiro lugar sobre o que é ser cristão. Os discípulos de Cristo foram chamados de cristãos pela primeira vez na cidade de Antioquia, como assim descreveu Lucas: “E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos” At. 11:26. Esse codinome nasceu na infância da Igreja e perdurou até agora, no entanto, vemo-lo perdendo espaço para o termo “evangélico”, que pouco significa para o contexto espiritual, já que qualquer pessoa pode se intitular evangélica, basta dizer que pertence a uma determinada denominação religiosa que fala da pessoa de Cristo Jesus. Porém, para intitularmos alguém de cristão precisamos saber se essa pessoa é alguém que professa o nome de Cristo como seu Mestre, Senhor, e único Salvador de sua vida; ou se ela carrega esse título apenas para obter algum benefício por parte do seu semelhante. Existem também aquelas seitas heréticas que se intitulam de cristãs, mas, ao mesmo tempo em que ensinam que Cristo é o seu modelo de vida, e a pessoa que se deve prestar adoração; apresentam outros deuses como mediadores e segundo eles, merecedores de adoração ou “veneração” como estrategicamente instruem a seus adeptos. Esses são cristãos a quem podemos denominá-los de “cristãos pagãos”.

O cristão do qual nosso tema se dedica é o verdadeiro seguidor de Cristo – aquele que Nele crê; dedica sua vida; e O tem como único Senhor e salvador; e o único mediador junto a Deus. É para esse cristão que a Bíblia está saturada de ensinamentos sobre o amor. O Apóstolo Paulo ao escrever aos cristãos de Roma disse: “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” Rom. 12:10. Observe que ao usar o termo “cordialmente” ele está dizendo que devemos amar nossos irmãos de forma calorosa e sincera. – Nada de superficialismo ou que tenha alguma motivação egoísta, mas um sentimento que vem do âmago, e que nossas palavras de carinho e afeto sejam a clara expressão do nosso sentimento de amor fraternal.

ENTENDENDO O VERDADEIRO AMOR

A linguagem bíblica em sua maioria tem origem na língua grega. Por isso, para entendermos o amor em sua essência, precisamos interpretá-lo pelo menos sob os três principais aspectos mais importantes; assim saberemos se o sentimento de afeto que temos por alguém é teologicamente correto ou não.

Conforme o Dicionário Teológico Escrito pelo Pr, Claudionor Correia de Andrade (Ed. CPAD), são três as palavras usadas na língua grega para expressar o amor: “1) Ágape, amor divino; 2) Philis, amor entre amigos, sem nenhuma conotação sexual; e, 3) Eros, amor entre os cônjuges.”

O que nos interessa no momento é falarmos sobre o “Àgape” e o “Philís”. O primeiro, expressa o amor na sua essência, que é o amor que Deus tem demonstrado por suas criaturas no decorrer da história. E um amor que segundo o Apóstolo João, não temos condições de descrevê-lo; quando escreveu: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo. 3:16. Da expressão de “tal maneira” nos leva a entender o quanto Deus nos ama, mas que somente em palavras não conseguiria descrevê-lo. E para demonstrar a magnitude desse amor, entregou à morte o seu próprio Filho para nos resgatar.

Ao meditarmos sobre o que Deus fizera ao entregar seu Filho pela humanidade perdida e má, concluímos que por mais que os cristãos amem o seu semelhante, e por mais afinidade que ele tenha com Deus, jamais ele pode demonstrar o amor da forma que foi expressa por Deus. Pois o amor de Deus é incondicional e é demonstrado até mesmo em favor daqueles que são considerados seus inimigos. Quando Jesus foi preso, julgado, condenado e crucificado; lá na cruz disse: “E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem...” Lc. 23:34

Do vocábulo “Philis”, derivou-se a palavra filantropia, que significa beneficência, caridade, etc., um tipo de amor que o cristão deve demonstrar no dia a dia com o seu semelhante. Um amor diferente do amor pregado e demonstrado por aqueles que não conhecem a Deus. O ímpio de modo geral ama de forma condicional, ou seja, ama quem o ama, quem o presenteia, quem o favorece em algo de interesse pessoal, etc. Jesus, no entanto, ensinou a seus discípulos a amarem as pessoas da mesma forma que Ele amou o mundo perdido, a ponto de amar aqueles que procuravam a sua própria morte. Segundo a versão apresentada pelo biógrafo Lucas Jesus ensinou aos seus discípulos acerca do amor com as seguintes palavras: “E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também. E se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam. E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. E se emprestardes àqueles de quem esperais tornar a receber, que recompensa tereis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para tornarem a receber outro tanto. Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus” Lc. 6:31-35.

Com esse ensinamento Jesus deixou bastante claro acerca do verdadeiro amor fraternal, que não é originado de coisas exteriores e do próprio coração e natureza humana, mas do amor de Deus que passa a existir no coração daqueles que são seguidores de Cristo. Um amor que não depende de favores ou de ser amado primeiro para poder amar, mas, que ama primeiro de ser amado; pois assim foi o que Deus fez, nos amou antes mesmo que nós o conhecêssemos.

O cristão é o reflexo de Cristo, ou seja, ele precisa reproduzir na prática no dia a dia, aquilo que foi ensinado e vivido pelo próprio Cristo, caso contrário o mundo não o verá como um cristão verdadeiro. O próprio Jesus afirmou: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” Jo. 13:35. O amor que devemos ter pelo nosso semelhante, deve ser mais intenso quando se trata do relacionamento com nossos irmãos espirituais, que são aqueles que professam a mesma fé em Cristo Jesus. O mundo precisa ver a união entre os cristãos, para então reconhecê-los como verdadeiros servos de Deus e seguidores do Mestre Jesus. Mas, para minha e sua meditação deixo a seguinte pergunta: Temos demonstrado verdadeiro amor de Deus para com nossos irmãos? Ou será se temos colocado a nossa frente uma série de condições como barreiras que estão impedindo o fluir desse amor?! O apóstolo fala do verdadeiro amor de uma forma sábia quando escreve: “AINDA que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. - O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá...” I Co. 13:1-8.

Que Deus possa derramar do seu amor em nossos corações de tal forma que não venhamos encontrar barreiras para amarmos nosso semelhante, principalmente aqueles que professam conosco da mesma fé em Cristo Jesus.

P. A. B. J. TO. 21/08/10

sábado, 31 de julho de 2010

IGREJA – SEU PODER E DIMENSÃO RELACIONAL

Quando se refere ao termo “Igreja” não se deve de imediato, imaginar um templo - local de realizações de cultos e outros eventos de caráter espiritual realizados pelas pessoas que ali congregam. Pelo contrário, se deve ter em mente que se trata de um organismo vivo e espiritual; o corpo (místico) de Cristo; agência do reino de Deus que cuida dos negócios dEle na terra; uma assembléia de pessoas escolhidas e resgatadas do poder de satanás e do mundo para adorar o Criador; enfim, a assembléia dos salvos de todo o mundo e de todos os tempos. Dentro desse contexto, temos a Igreja militante (Conjunto de todos os cristãos professos pertencentes a todas as denominações cristãs) e a Igreja invisível ou universal que é o grupo dos salvos desde Abel até o último a ser salvo, que são escolhidos do meio da igreja militante. Por isso quando nos referimos a Igreja, devemos ter em mente, que por se tratar de uma instituição espiritual que tem como cabeça o próprio Jesus Cristo, é ela uma agencia do reino, e por isso possui o poder outorgado pelo Rei dos Reis e Senhor dos senhores - O onipotente, que tem sob seus pés todos os poderes humanos e espirituais.
Antes de retornar ao céu Jesus Cristo disse as seguintes palavras: “...Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão” Marcos 16:15-18. Com esta declaração e ordem, Jesus deixou claro aos seus discípulos que a nova instituição que acabara de formar não se tratava de um mero seguimento religioso que veio acrescentar a relação dos já existentes, mas um agencia do próprio reino de Deus que tinha como distintivo o poder emanado do próprio Cristo.
Diferentemente do farisaísmo e outros ismos do tempo de Jesus, a Igreja vem fazendo e sempre fará a diferença de outros seguimentos religiosos que não fazem parte do reino. Pois, enquanto tais religiões mantêm as pessoas presas as suas tradições e costumes, e conseqüentemente não tem o poder de livrá-las do jugo imposto pela maldade e caprichos do diabo; a Igreja, por possuir o poder emanado do próprio Filho de Deus vem fazendo, desde o seu nascimento, uma verdadeira diferença nas vidas das pessoas que aceitam a Cristo como seu Senhor e Salvador.
O poder da Igreja de Cristo como sal da terra (mat.5:13), por mais que não tenha encontrado espaço na vida da Igreja da maneira em que o Mestre deseja, contudo, tem realizado um efeito preservador muito grande. Você já imaginou o mundo sem o Evangelho de Cristo? Não existiria cristãos! E não havendo cristãos cada um teria sua conduta de acordo com a sua maneira de pensar e do desejo do seu coração e das insinuações do diabo. Se realmente não houvesse cristãos, como o governo não estaria sofrendo para acomodar os prisioneiros; e como a sociedade do lado de fora das cadeias estaria fazendo para ter uma vida normal? Mas graças a Deus que através do seu poder concedido a Igreja, muitos viciados tem sido libertos, muitos sentenciados tem sido livres da condenação e milhões de pessoas têm saída da marginalidade e se integrado à sociedade.
Não sei se por coincidência, hoje, mais ou menos pelo meio dia ao assistir um canal de TV, vi uma reportagem, na uma brasileira que trabalhava em uma loja, nos Estados Unidos (Se é que não estou enganado), teve a coragem de demonstrar o poder que possui a palavra de Deus; ao convencer o ladrão a desistir da idéia de roubá-la. Disse ela ao ladrão: “Jesus não aprovaria a sua atitude”.
Por outro lado, quando começamos a meditar na vida de muitos líderes religiosos espalhados pelo mundo ficamos realmente surpresos. Recentemente temos tele-presenciado os mais bárbaros escândalos envolvendo “religiosos”, que por não terem se integrado completamente a verdadeira Igreja de Cristo, cometem as maiores crueldades contra crianças e adolescentes. Outros, se envolvendo com crimes de todas as espécies como estelionatos, corrupções, homicídios, seqüestros, e toda espécie de maldade. Tais pessoas dizem ser religiosas, ou seja, possuem uma religião, mas não fazem parte da Igreja de Cristo. Pois a Igreja não é apenas um título, mas um povo poderoso para vencer o mal e influenciar positivamente o mundo em que vivemos.
A MÁ INTERPRETAÇÃO DO PODER DA IGREJA POR PARTE DE MUITOS LÍDERES
Nos dias atuais com a grande corrida por uma posição no âmbito político, muitos líderes da Igreja (militante) têm confundido o poder espiritual da Igreja com o poder temporal exercido pelos homens na política. Ao invés de ensinar o povo a obedecer e amar a Deus de maneira mais intensa envolve suas igrejas em campanhas políticas, resultando em divergências, confusões e discórdias no meio da congregação. O poder da Igreja de Cristo é para ser exercido contra a maldade humana e as obras do diabo, e isso através da oração, do testemunho pessoal e da pregação do Evangelho, e nunca, através dos artifícios da politicagem rasteira praticada até mesmo por aqueles que se dizem representar o povo de Deus no governo. Como cidadão cumpridor dos meus deveres cívicos, conhecedor dos direitos que a democracia me garante, e da palavra de Deus que é a resposta para todos os questionamentos; sei que não há nada de mal um cristão ocupar um cargo político. Porém, discordo por dois motivos: O primeiro é o fato da corrupção generalizada na política acabar por envolver o cristão, e isso não é apenas suposição; pois até agora, aqueles que têm se aproveitado dessa prerrogativa para se eleger (Pelo menos os que eu conheço) não tem demonstrado o testemunho de um verdadeiro servo de Deus. No lugar a onde deveria ser luz para dissipar as trevas, acaba por deixar as trevas ofuscar o pouco de luz que lhes resta.
O outro motivo é a força da filosofia maquiavélica que extingue a ética nas campanhas em busca do voto. Cristãos, que não tem o menor receio de mentir, de comprar votos em troca de favores, que burlam as leis para lhes favorecer, que traem amigos e colegas, que aproveitam da ingenuidade e miséria dos seus eleitores, etc. Tudo isso são artifícios que levam o cristão ao poder temporal (E sem eles é impossível se ganhar uma eleição), mas que tiram o seu poder espiritual. E dentre as duas coisas, penso que o cristão deveria escolher o poder espiritual outorgado por Cristo. Pois é impossível no estado de corrupção generalizada no qual vive nosso país se conciliar as duas coisas.
A IGREJA E O PODER RELACIONAL
Um dos maiores objetivos da Igreja na terra é promover a paz e a harmonia entre as pessoas. Primeiro, ela prega a Palavra, que se aceita, essa pessoa passa a ter paz com Deus, consigo mesma e conseqüentemente com ou outros. Conhecedores desta verdade o Cristão tem sobre seus ombros a grande responsabilidade de pregar o Evangelho, pois, por falta de maior conhececimento deste é que as pessoas vêm encontrando dificuldade em seus relacionamentos.

P.A.B.J-TO, 31.07.10

sábado, 24 de julho de 2010

O RELACIONAMENTO DE NORA E SOGRA SOB A PERSPECTIVA DA PALAVRA DE DEUS

 A lição bíblica desta semana aborda um tema que nos chama bastante atenção, por se tratar de assuntos relacionados ao relacionamento entre nora e sogra. E por falar em sogra, quem, algum dia, não ouviu uma piadinha sobre a mesma? Creio que você já viu e ouviu, não somente uma anedota, mas também, alguns falatórios que incluíssem alguns adjetivos indelicados, proferidos por algumas noras ou genros que tenham sido vítimas de más atitudes de suas sogras.

Porém, tem coisas que nem sempre são como aparentam ser. Pois, por mais que façam gracejos e falem mal das sogras, jamais podemos generalizar. É normal noras e genros em algum momento, verem suas sogras como vilãs que atormentam seus relacionamentos conjugais; mas nem sempre isso acontece com todas as pessoas, pois tenho uma sogra maravilhosa que até o momento, não tenho nenhum motivo para falar mal dela. E assim acredito que existem muitas noras e sogras espalhadas pelo mundo afora que se relacionam muito bem; talvez um relacionamento melhor que o de muitas mães e filhas.

Por que existem muitos conflitos envolvendo noras ou genros e sogras ou sogros? A resposta é simples - em primeiro lugar devemos considerar como uma das principais causas, a questão das diferenças que existem entre casais e suas famílias, como por exemplo: Cultura, hábitos, costumes, poder aquisitivo, personalidade, caráter, caprichos, gostos, etc.

Com base nesses princípios, devemos considerar a questão de uma das partes, querer que a outra se submeta aquilo que ela acha ser correto; e quando isso não acontece, os conflitos começam a surgirem; e ao se instalarem, automaticamente estarão envolvendo também as mães de ambos os cônjuges.

A questão do envolvimento da sogra nos problemas do casal, de certo ponto de vista pode ser considerado normal. Pois, qual é a mãe que vê o sofrimento do filho ou da filha que não procure ajudá-la? Por outro lado devemos nos perguntar: Até que ponto, a ajuda da minha mãe pode ser útil no meu relacionamento com minha esposa? Como ela deve interferir? Será se para resolvermos esse impasse precisamos de sua ajuda?

Perguntas semelhantes deveriam ser feitas pelas sogras, no entanto, muitas delas não fazem questionamentos racionais na hora de entrar no relacionamento do casal; atendem apenas a voz da emoção, e com isso, ao invés de resolverem o problema, acabam por agravar ainda mais. Pois além dos dois, se estende também para outros membros da família, já que muitas sogras têm a fama de “línguas de gravata”. Como dizia um saudoso Pastor, com o qual me congreguei por muitos anos: “Tem gente que quando morrer precisa de dois caixões – um para o corpo e o outro para a língua”.

Quais são os principais motivos que levam as sogras se tornarem grandes vilãs no relacionamento do casal, e se tornarem odiadas por suas noras e genros? Em primeiro lugar quero deixar claro – há muitos casos em que o problema não está na sogra, mas na nora ou no genro que não aceitam conselhos por mais que eles estejam errados. Mas, na maioria dos conflitos a sogra realmente constitui-se “uma pedra no sapato” da nora ou do genro, isso porque ao fazer o papel de juíza, ela acaba cometendo injustiças ao ser cúmplice do filho ou filha, mesmo sabendo do seu erro. Muitas vezes os desentendimentos são causados porque a mulher é ociosa, desleixada e descompromissada com os deveres do lar. Quando o esposo a critica, imediatamente vem à sogra dizendo que a sua filha não é o que o marido está afirmando. Por outro lado, o marido não cumpre com suas obrigações; é preguiçoso; infiel e possuidor de outras más qualidades; obviamente ele conseguirá despertar em sua esposa, reações contrárias as suas ações. Nesse caso, quando a mãe do esposo entra em cena para acalmar os ânimos, geralmente deixa transparecer que seu filho está com a razão; e isso era apenas o que faltava para despertar intrigas e rivalidades entre nora e sogra.

UM LEGADO EXEMPLAR DE RELACIONAMENTO ENTRE NORA E SOGRA

Quando vimos a figura da sogra sob o ponto de vista popular, enxergamo-la como uma “persona non grata”; mas, quando olhamos para a importância dos princípios da palavra de Deus como grande construtor do caráter e promotor da paz e harmonia; bem como do exemplo deixado por grandes nomes da história bíblica, chegamos a conclusão que podemos ver nossa sogra como uma segunda mãe que nos adotou pela ocasião do casamento com sua filha. Como prova disso temos a história de Rute e sua sogra Noemi. Segundo a Bíblia (Rute 1), as adversidades provocadas pela fome em Judá, forçara Elimeleque partir juntamente com sua esposa Noemi e seus dois filhos (Malom e Quilom), para a terra de Moabe à procura de uma vida melhor. Todavia, com pouco tempo que chegou ali, Elimeleque veio a falecer; ficando apenas sua esposa e seus dois filhos, os quais tomaram para si esposas naturais daquela terra. Passado algum tempo, para infelicidade de Noemí e suas duas noras, veio também falecer, seus dois filhos; ficando a família constituída apenas de três viúvas que pela graça de Deus viviam de forma harmoniosa.

Ao completar quase dez anos que Noemi houvera saído de sua terra, soube que Deus havia concedido prosperidade ao seu povo; então se levantou da terra de Moabe e disse as duas noras: “Ide, voltai cada uma à casa de sua mãe; e o SENHOR use convosco de benevolência, como vós usastes com os falecidos e comigo. O SENHOR vos dê que acheis descanso cada uma em casa de seu marido. E, beijando-as ela, levantaram a sua voz e choraram. E disseram-lhe: Certamente voltaremos contigo ao teu povo. Porém Noemi disse: Voltai, minhas filhas. Por que iríeis comigo? Tenho eu ainda no meu ventre mais filhos, para que vos sejam por maridos? Voltai, filhas minhas, ide-vos embora, que já mui velha sou para ter marido; ainda quando eu dissesse: Tenho esperança, ou ainda que esta noite tivesse marido e ainda tivesse filhos, esperá-los-íeis até que viessem a ser grandes? Deter-vos-íeis por eles, sem tomardes marido? Não, filhas minhas, que mais amargo me é a mim do que a vós mesmas; porquanto a mão do SENHOR se descarregou contra mim” vv. 8-13.

A insistência de Noemi para convencer suas noras a ficar em sua terra veio entristecê-las profundamente. Diante daquele impasse, elas teriam que tomar uma decisão imediata; e após terem chorado bastante, Orfa, uma de suas noras beijou-a, e ao despedir-se retornou a casa de seus pais. Rute (a outra nora), porém disse-lhe: “Não me instes para que te abandone, e deixe de seguir-te; porque aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; onde quer que morreres morrerei eu, e ali serei sepultada. Faça-me assim o SENHOR, e outro tanto, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti” vv. 16 e 17.

Com a decisão de Rute, a moabita, as duas - nora e sogra partiram para Belém de Judá e viveram juntas até o tempo em que Rute veio a se casar.

Diante desta história tão comovente, confesso que estou bastante emocionado, pois uma demonstração de amor como essa, dificilmente presenciamos nos dias atuais. Tal amor demonstrado por elas é como se Noemi fosse à mãe e Rute a sua filha. Como prova disso está na forma que Noemí as tratava. Ela as chamavam de “minhas filhas”.

Para um relacionamento sadio como o exemplo legado por essas duas mulheres não tem nenhum segredo, pois as Escrituras sagradas nos foram concedida para que fosse manifesta a vontade de Deus para nossas vidas; e é justamente essa vontade que muda o nosso caráter e transforma-nos de velhas serpentes em novos cordeirinhos de Cristo.

UMA CARACTERÍSTICA DOS ÚLTIMOS DIAS

O mundo está com os dias contados e creio que não resta muito tempo para que Jesus retorne a terra para buscar a sua Igreja; e como sinal que evidenciam a sua breve volta - que segundo o próprio Jesus, se tornaria uma das características dos finais dos tempos é a carência do amor nos corações, como está escrito: “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará” Mat. 24:12. Contudo, nós que conhecemos as santas escrituras, devemos lutar para que essa profecia não se cumpra em nossas vidas. Pelo contrário, devemos vigiar e orar, e procurarmos nos edificar no estudo da Palavra, pois sabemos que os dias em que vivemos são maus, e pouco tempo nos resta para palmilharmos esta terra. Conscientes disso, abrir mão de alguns dos nossos interesses e caprichos, e aprendermos a reconhecer nossos erros e a perdoar as faltas de nossos familiares, são fatores que mais contribuem positivamente.

UM CONSELHO PARA UM BOM RELACIONAMENTO ENTRE NORA E SOGRA

O conselho para se viver bem com as pessoas que nos cercam é muito simples: A humildade (não confunda com covardia) é o primeiro passo para quem quer ter boas relações de amizade. Com ela se consegue acalmar os ânimos dos mais exaltados e arrogantes. Em segundo lugar, não faça aos outros aquilo que você não gostaria que fizesse com você, e se você gosta de ser bem tratado e respeitado, faça o mesmo com as pessoas, dessa forma dificilmente você encontrará rivais em seu grupo. Quando se refere ao relacionamento entre noras e sogras, já dissemos que geralmente é um tipo de relacionamento meio conturbado. Contudo, não é impossível. As noras e genros geralmente se queixam de suas sogras, mas será se eles são os únicos possuidores da razão e suas sogras as abomináveis? Talvez o culpado é quem esteja se fazendo de vítima, não!? Conta se uma ilustração que certa dona de casa todos os dias olhava pelas vidraças de sua casa e se queixa de sua vizinha que não lavava as roupas direito; pois olhando aquelas que estavam estendidas no varal as viam todas sujas. Certo dia, depois de dar uma bela lavagem em suas vidraças, percebeu que as roupas da vizinha estavam todas limpinhas; aí ela concluiu que o problema não estava nas roupas da vizinha, mas, em suas vidraças que estavam sempre sujas.

O melhor conselho que eu poderia dar no momento para aqueles que têm dificuldades para ter um bom relacionamento com suas sogras, é o exemplo deixado por Ester e Orfa. Olhe o que sua sogra disse a elas sobre o que ela achava delas: “O SENHOR use convosco de benevolência, como vós usastes com os falecidos e comigo”. Veja que ela desejou que Deus usasse de bondade com elas, da mesma forma que elas usaram com seus esposos, sogro e ela como sogra. Então, sejam bondosos e aqueles que os cercam serão com vocês também.

P.A.B.J - TO. 24/07/10

sábado, 17 de julho de 2010

O RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DE PAIS E FILHOS COM BASE NOS PRINCÍPIOS BÍBLICOS

A harmonia é um dos fatores mais importantes para o sucesso de uma comunidade. É com ela que se consegue traçar metas planejar ações e obter o sucesso na perseguição dos objetivos comuns. Porém, de uma coisa é necessário saber: O sucesso para um convívio social satisfatório depende da maneira como o nosso caráter foi formado com base no ambiente familiar. Por isso a Bíblia sagrada contém uma série de ensinamentos que orientam os pais em seus relacionamentos com seus filhos e vice-versa.

O DEVER DOS PAIS NO REALCIONAMENTO COM SEUS FILHOS

Antigamente quando um rapaz resolvia casar-se (Casos que ocorriam no interior, em lugares menos desenvolvidos), as primeiras coisas que preocupavam o rapaz e sua família era a necessidade de plantar uma roça, armazenar o mantimento e construir uma casa. Por outro lado, a moça se preocupava em aprender a realizar os trabalhos corriqueiros do lar, como lavar, passar, preparar a comida, etc. Dificilmente se preocupavam com o conhecimento mais técnico ou bíblico a respeito de suas responsabilidades na criação dos filhos. Os mais religiosos tradicionais, apenas reproduziam no relacionamento com seus filhos aquilo que haviam aprendido com seus pais, sem se preocuparem em conhecer a eficácia de tais tradições.

O resultado de tais negligências na questão do conhecimento para o desenvolvimento de uma educação fundada nos princípios da ética e da moral (Com grandes exceções) fazia com que pais exagerassem na aplicação da disciplina dos filhos, a fim de impor sua autoridade “a ferro e fogo”. Com tais práticas eles, sem a menor idéia do que isso pudesse causar no futuro do filho, fazia com que a violência se perpetuasse passando aos seus ascendentes. Por outro lado, olhamos para a sociedade atual e vemos justamente o oposto. Num passado não muito remoto, os filhos eram sujeitos aos pais sob imposições violentas, algo que resultava em sérios traumas físicos e psicológicos. Hoje, presenciamos um excesso de princípios legais e teorias filosóficas que afastam os filhos paulatinamente da ética e dos princípios morais apresentados pelas sagradas Escrituras. Como por exemplo, na Lei de nº 8.069, que criou o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) proíbe castigos físicos às crianças, e mais recentemente temos o Projeto de Lei 2.654/03 da deputada federal Maria do Rosário, do PT do RS, que tramita na Câmara dos Deputados, o qual tem a finalidade de emendar o ECA, que se for aprovado, proibirá aos pais, de educarem seus filhos, se utilizando até mesmo de uma pequena palmada ou um simples beliscão.

Devido a minha inexperiência como pai de família e o desejo de mudar o comportamento dos meus dois filhos, confesso que cometi alguns exageros, quando eles eram crianças. E isso porque eu ainda possuía um pouco de ignorância do tipo aquelas já citada anteriormente. Contudo, não sou favorável a essas inovações que vem surgindo nos últimos dias. Pois são restrições que tolhem o direito dos pais educarem seus filhos da forma que a própria palavra de Deus aponta como um método teologicamente correto, como está escrito: “A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe” Pv. 29:15. Observe que “vara”, ao contrário do que muitos interpretam, afirmando ser ela, uma expressão que indica uma das formas de disciplinar por meios verbais; ela na verdade, significa o castigo físico como forma de disciplinar o filho obstinado. Podemos ratificar essa interpretação através do texto seguinte que diz: “Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá” Pv. 23:13. Observe que o sábio escritor valeu-se do termo “fustigar com a vara”, que significa: Azorragar, açoitar, chicotear, flagelar, etc. Algo que indica o sentido literal, e não, o figurado como acreditam alguns.

Portanto, mesmo que grande parte esteja em conformidade com o pensamento de psicólogos e legisladores, de não impor castigos físicos aos filhos, eu continuo e continuarei sempre com o que ensina a irrevogável e santa palavra de Deus. Contudo é necessário que tenhamos a sensibilidade de um pai amoroso e a razão de um sábio educador para não cometermos exageros, pois além de constituir crime perante as leis do nosso país, também fere o maior mandamento bíblico, que é o amor. Pois o pai que ama seu filho, não castiga para desabafar suas mágoas – mas apenas para fazê-lo reconhecer seus erros e procurar corrigi-los.

No relacionamento dos pais com os filhos, onde é necessário aplicar certas medidas educativas de caráter disciplinar muitas vezes os pais são verdadeiros culpados pela infração da criança. Por isso Deus recomenda em sua palavra: “E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor” Ef.6:4. Em outra carta – dessa vez destinada aos cristãos de Colossos, o Apóstolo Paulo escreve: “Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo” Col. 3:21. Olhe que no primeiro texto ele recomenda para não fazermos nada contra os filhos que venha fazê-lo ficar furioso, com raiva, zangado, etc. No segundo texto, ele utiliza o termo “irriteis” que vem de irritar e significa causar aborrecimentos. Olha, tem pais que colocam apelidos em seus filhos mesmo sabendo que eles não gostam. Nesse caso, se o pai ou mãe o chama dessa alcunha e o filho fica zangado, os pais não podem castigá-lo, pois eles foram quem provocaram a reação do filho. E se porventura procurem castigá-lo, tal atitude constitui pecado e abuso de autoridade. Outros pais não respeitam seus filhos, ou seja, fazem na frente do filho o que eles não gostariam e nem admitiram que seus filhos fizessem em suas presenças – é como o provérbio popular: “faça o que eu mando e não faça o que eu faço”. Às vezes os pais dão aos filhos adjetivos vergonhosos, e não admitem o filho fazer o mesmo; mentem na vista do filho, e não admitem o filho mentir. Isso é hipocrisia e falta de sabedoria, pois a melhor lição é aquela que se ensina praticando. Não adianta nada eu dar maus exemplos aos meus filhos e exigir deles o contrário.

No trato com seus filhos o pai tem o dever de instruir os filhos nos princípios sagrados, a ser um bom cidadão cumpridor de seus deveres com o Estado bem como de orientá-lo a escolher uma profissão que melhor adéqüe a sua vocação e necessidade do campo de trabalho. Quanto à mãe, além de ensinar os deveres domésticos, deve também dar bons exemplos e amar seus filhos (Tt.2:4).

O DEVER DOS FILHOS PARA COM OS PAIS

É preocupante o comportamento da juventude atual, aonde os valores morais, sociais e cristãos vêm a cada dia, sofrendo significativos detrimentos; e isso porque os papéis dos pais também vêem perdendo espaço para os meios de comunicação atual como a televisão, por exemplo; e a preocupação destes, com o trabalho e outros interesses comuns. O resultado é uma geração de jovens rebeldes que tem como professores os artistas das novelas, filmes, cantores, etc. O resultado não se pode esperar outro, a não ser o comportamento desrespeitoso de filhos para com seus pais; e conseqüentemente, para com a sociedade em geral.

A delinqüência tem se agravado tanto em nossos dias, que chegamos à conclusão de que mesmo com a ignorância do passado se conseguiria melhores qualidades de vida social do que mesmo com a cultura moderna. E a tendência é piorar cada vez mais, se os pais que conhecem os princípios bíblicos não se valerem deles para educarem seus filhos. Por outro lado, os filhos precisam honrar seus pais, pois este é um mandamento que garante bênçãos.

Os filhos que querem ser respeitados e honrados futuramente por seus filhos precisam agir com seus pais da mesma forma, pois a lei da semeadura é a coisa mais certa que temos nesta vida. Ninguém planta uvas e colhe milho. Muitos pais estão colhendo frutos amargos hoje com seus filhos, porque no passado plantaram decepção para os pais.



P.A.B.J. To. 17.07.10

sábado, 10 de julho de 2010

A BÊNÇÃO DE TER VERDADEIROS AMIGOS

A Bíblia tem relatos de grandes exemplos de amizades. Pessoas que tiveram relacionamentos sadios, como foi o caso de David e Jônatas. No entanto, não omite casos de falsos amigos como o de Judas Iscariotes, que traiu o seu melhor amigo.

Judas Iscariotes é o retrato fiel da maioria da sociedade hodierna, que o abraça, como abraça o Tamanduá, que enquanto abraça, finca suas unhas. E dentre esses, muitos adjetivos podem ser-lhes atribuído como: “Amigo da onça”, “amigo de pé de balcão”, “vigarista”, etc. Tais “amigos” não são verdadeiros, porque só lhes considera enquanto vêem em você algo que possa beneficiá-los. São como os amigos de Jó, que enquanto ele era considerado o homem mais rico e influente do Oriente; vinham para falar-lhes coisas boas, mas quando ele perdeu tudo o que possuía, vieram visitá-lo apenas para criticá-lo e caluniá-lo, como ele próprio disse: “Os meus amigos são os que zombam de mim...” Jó 16:20. O mundo está saturado de pessoas fingidas e interesseiras que procuram influencia e status, dinheiro e destaque aproveitando-se de pessoas que estão eminência. Fazem-se amigas apenas pelo egoísmo e pela inveja. Pessoas dessa índole geralmente são fáceis de serem conhecidas, pois são bajuladoras. Fazem isso para poder merecer os mesmos elogios, as mesmas delicadezas, etc. Como disse o Poeta sacro: “Muitos se deixam acomodar pelos favores do príncipe, e cada um é amigo daquele que dá presentes”Pv. 19:6.

Portanto, quem quiser ter muitos amigos precisa ter muito dinheiro ou qualquer coisa que lhes possa oferecer. Essa é uma verdade que a própria Bíblia ratifica como está escrito: “As riquezas granjeiam muitos amigos, mas ao pobre, o seu próprio amigo o deixa” Pv. 19:4.

Vivemos numa cultura capitalista que “valemos o que temos”. Se você possui uma vaca, você vale uma vaca; se você tem um emprego você vale aquele emprego; se você é membro de uma família tradicional você é conhecido como tal; se você foi presenteado por Deus com uma boa aparência física, você recebe o seu valor por alguém que se sinta fascinado por sua beleza; se você é amigo de uma autoridade você passa a ser avaliado por isso e passa a receber o carinho das pessoas, e assim, são muitos os motivos que levam muita gente a se fazer de amigo para poder tirar proveito de sua amizade – apenas isso.

Ao contrário daquela pessoa que foi avaliada numa quantia considerável, o pobre; aquele que não possui uma morada própria, que não tem um emprego, que não tem uma fazenda e nem mesmo uma vaquinha para tomar o leite, ou uma aparência física atraente é rejeitado pelos vizinhos, pelos conhecidos de muito tempo, e até mesmo pelos parentes. Uns passam por essas pessoas e não as cumprimentam; e se são cumprimentadas, fazem “vistas grossas” e passam de largo apenas para não lhes dar atenção. Outros se estão em uma conversa ou numa reunião, e o pobre fala; aqueles que se acham importantes, “fazem ouvidos de mercador” para não ouvi-lo. Enfim é o que a Bíblia diz: “O pobre é odiado até pelo seu próximo...”Pv. 14:20a.

ATRIBUTOS DO VERDADEIRO AMIGO

Em meio a tantos desenganos vividos por pessoas que foram traídas e pisoteadas por pessoas que se diziam amigas verdadeiras, não é motivo para desistir de procurar uma amizade verdadeira, despretensiosa e sincera. Por mais que a Bíblia nos adverte para não confiarmos nas pessoas; e termos a comprovação da velha experiência, de que o coração do ser humano é mau e perverso; ainda existem pessoas as quais podemos depositar um pouco de confiança. Mas apenas um pouco – como sempre tenho dito... Com um olho fechado e o outro aberto.

O escritor dos mais de três mil provérbios disse: “O homem de muitos amigos deve mostrar-se amigável, mas há um amigo mais chegado do que um irmão” Pv. 18:4. Isso é notório, que dentre aqueles que dizem ser seu amigo, exista um, que demonstra ser um amigo sincero.

Quando a amizade é sincera, os benefícios se mostram significativos para ambas as partes, como dizem por aí: “Com uma mão se lava a outra”. Pois o amigo verdadeiro não está com você somente enquanto você tem algo para oferecê-lo, mas também na hora que você estiver precisando dele.

Por mais que possamos encontrar um amigo fiel dentre os filhos dos homens, nenhum deles pode se igualar a Jesus Cristo, o único Filho do homem que é considerado perfeito. Ele é o amigo verdadeiro, e para demonstrar o seu amor e conquistar a nossa amizade Ele entregou-se para morrer pela nossa causa. Como Ele próprio afirmou: “Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” Jo. 15:13.

O amor deve encabeçar uma série de outras virtudes que o bom amigo deve ter. Sem ele tornar-se-ia impossível manter uma amizade saudável. Pois o amor não é egoísta, não comete injustiças, nem infidelidade. O amor sofre com os que sofrem, deseja o bem comum e zela pelo fortalecimento da amizade. O verdadeiro amigo não guarda mágoas ao ser ofendido pelo outro, mas humildemente perdoa. Por isso a expressão de que “o cachorro é o melhor amigo do homem” tornou-se popular; pois mesmo que apanhe do seu dono, ele se alegra abanando a cauda, todas as vezes que o seu dono o chama... Comportamento que contrasta com as atitudes tomadas pela maioria dos seres humanos. Sabemos que nem todas as expressões ou termos que se tornam populares, possui cem por cento de verdade, por isso não podemos pegar esta, anteriormente citada e considerá-la teologicamente correta, pois sabemos que o melhor amigo do homem é Jesus Cristo o Filho de Deus.

BÊNÇÃO DE TER JESUS COMO O SEU MELHOR AMIGO

Em todas as relações de amizade na qual exista sinceridade, fidelidade e amor, existem as decepções. No entanto existe um amigo fiel que jamais decepcionou seus amigos. O seu nome é Jesus - e tê-lo como amigo é ter a maior bênção que o ser humano possa receber em sua vida. Algo que não é difícil, pois para conquistar sua amizade não é necessário termos dinheiro, posição ou fama, mas apenas obedecê-lo, como Ele próprio disse: “Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando” Jo. 15:14.

Uma amizade verdadeira não se adquire com presentes, mas se conquista com o tempo de convivência. Portanto, é muito errado alguém chamar outro de amigo alguém que ele não conheça, apenas porque essa pessoa lhe fez uma boa ação. Da mesma forma é Jesus, Ele não considera seu amigo aquela pessoa que apenas fez uma boa ação, mas alguém que decidiu viver em harmonia com a sua santa vontade, e isso exige experiência; algo que se adquire com um bom tempo de intimidade com Ele. Como foram os casos de Enoque e Abraão: Enoque andou toda a sua vida terrena (365 anos Gen. 5:22) com Deus, por isso Deus o levou para o céu. Abraão obedeceu a Deus durante os seus oitenta anos restantes de sua vida e foi considerado amigo de Deus, como disse o Apóstolo Tiago: “... e foi chamado o amigo de Deus” Tg. 2:23.

Não é bom encostarmos-nos a uma árvore que não tem folhas, quando precisamos de sombra para amenizar o calor do sol; também não é correto procurarmos uma árvore sem frutos, quando estamos extremamente famintos. Por isso, a pessoa mais indicada para encabeçar a nossa fileira de amigos é Jesus, pois Ele possui tudo o que é necessário para a nossa sobrevivência física, emocional, social e espiritual. Sua companhia é maravilhosa e deve ser aceita por aqueles que desejam.

P.A.B.J. TO. 10.07.10

sábado, 3 de julho de 2010

DEUS E O RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Ninguém consegue viver isolado de outras pessoas e de Deus, e manter uma vida psicológica e emocional satisfatória. Por isso, ao criar anjos e homens, Deus, os dotou da capacidade de se relacionarem entre si, e deu-lhes a liberdade de comunicar-se com Ele – o Criador de todas as coisas. E não somente isso, Ele deseja estar sempre se comunicando com suas criaturas; algo comprovado pelas sagradas Escrituras que afirma: “E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do SENHOR Deus, entre as árvores do jardim” Gn. 3:8.

Da expressão: “E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim pela viração do dia”; deduzimos que Deus tinha por costume visitar aquele casal para conversar com ele. E isso era agradável a ambas as partes. Pois para Ele como Criador e sustentador era maravilhoso poder se comunicar através de um relacionamento sadio com as Criaturas mais perfeitas que formara, as quais eram sua própria imagem e semelhança. Por outro lado era magnificente Adão e Eva poderem ouvir a voz do próprio Deus, algo que lhes inspirava carinho, amor e segurança.

O relacionamento existente entre Deus e suas criaturas nos mostra que a necessidade de comunicação é real. E tão necessária e importante, que Deus, ao criar Adão, percebeu que ele não seria completamente feliz se não houvesse uma companheira que estivesse ao seu lado; uma companhia que servisse não apenas para auxiliá-lo em seu labor diário, mas principalmente, que pudesse satisfazer suas necessidades afetivas e sociais.

COMO DEUS SE RELACIONA COM A RAÇA HUMANA

A primeira coisa que precisamos saber é que Deus é uma pessoa, e não parte da natureza inanimada como ensina o Panteísmo (PAN = Todo + TEISMO = Deus); teoria filosófica que afirma que Deus é tudo e tudo é Deus. Segundo essa idéia Deus não é uma pessoa, mas, algo como as águas, pedras, árvores, montanhas, etc. – Um ser que não possui nenhum traço de personalidade.

Ao contrário do que ensinam o Panteísmo e outros “ismos” que colocam em dúvida a existência de Deus; a Bíblia e o testemunho do Espírito Santo na vida do cristão, falam completamente o contrário. Pois sendo uma pessoa, Deus possui traços da personalidade, como: Amor (I Jo.4:9), bondade (Zc. 9:17), ira (Heb. 3:11), vontade (I Jo. 2:17), etc.

O relacionamento interpessoal entre Deus e a humanidade é real, mesmo que muitos não tenham a sensibilidade espiritual para perceber isso. No entanto, não podemos negar que a forma de se relacionar com os homens tenha sofrido algumas mudanças com relação à maioria da população mundial. Isso por que o seu tratamento com relação aos seus filhos é um, e com as demais criaturas é outro. Enquanto que, para seus filhos (Aqueles que aceitaram a Jesus com Senhor e Salvador), Ele se deixa ser conhecido de uma forma especial (Um relacionamento de Pai para filho); com as demais pessoas o tratamento é de Criador para criatura.

Como podemos explicar essa diferença no trato para com seus filhos do trato para com o homem natural? Em primeiro lugar precisamos saber que Deus, embora seja amor, é também o Deus da justiça. Nesse caso, mesmo que o seu amor o impulsione a aproximar do pecador a sua justiça requer certa distância. No relato da queda do primeiro casal vemos o que aconteceu no relacionamento que eles tinham com Deus. Enquanto eles viviam em obediência as leis divinas Deus os conservava no Jardim e até vinha visitá-los, mas a partir do momento em que O desobedeceu, foram então, expulsos do Jardim e levados para longe da presença de Deus, como afirmou o Apóstolo Paulo: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” Rom. 3:23.

Adão e Eva eram representantes da raça humana, por isso seus pecados foram imputados a toda a humanidade; e conseqüentemente todos foram jogados para longe da presença de Deus. Entretanto, como o seu amor é infinitamente incomparável e indescritível, Deus vem ao logo dos anos, usando várias formas de se revelar a humanidade. Dentre elas, as mais comuns são: A natureza com suas belezas que encantam céus e terras como está escrito: “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz. A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol, O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho. A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor” Sl.19:1-6. Além do testemunho natural da existência de Deus, existe em todo ser humano – seja ele preto ou branco rico ou pobre, ateu ou religioso; algo chamado espírito, que testifica que existe Deus, o qual anseia por um relacionamento mais íntimo com Ele. E é através desse espírito que um dia Deus soprou e deu vida ao primeiro casal, que Ele deseja se comunicar com a humanidade. No entanto, por estarem cegas pelos encantos do mundo, muitas pessoas não conseguem enxergar a verdade de Deus e para preencher essa a necessidade de Deus, procuram os ídolos. Outros, porém, por não querer aceitar a realidade da existência de Deus, procuram todas as formas de negá-lo. Mas todos, sem exceção, são conscientes da existência de Deus o Criador e sustentador dos céus e da terra.

Dentre as formas usadas por Deus para se revelar ao homem a Bíblia sagrada é a mais eficaz. Através dela o homem conhece a historia da criação, os planos divinos para restaurá-la da queda, o caráter de Deus, seus planos para a consumação do mundo e o que é necessário a humanidade fazer para escarpar do inferno e morar eternamente com Ele no céu. No entanto, a maior revelação de Deus está na pessoa do seu Filho Jesus que veio a este mundo de forma física e sobrenatural; pregou a mensagem de Deus, sofreu e morreu pelos pecados do mundo e ressuscitou para garantir a salvação a todos que O aceitarem. E até hoje, continua falando com o homem, como assim declarou o escritor sagrado: “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho” Heb. 1:1.

O SUCESSO NOS RELACIONAMENTOS DEPENDE DE DEUS

È com muita preocupação que assistimos todos os dias, notícias de relacionamentos interpessoais em crise, como é o caso de conflitos no casamento, membros de famílias que não conseguem se entenderem, relação de patrões e empregados sempre em desequilíbrio, enfim, em todos os grupos sociais se percebe problemas de relacionamentos que paulatinamente vem se agravando. E diante de tanta crise moral, temos apenas duas opções: Deixar Deus fazer parte do nosso rol de amigos, para então passarmos a experimentar uma nova vida de paz e harmonia em nossos relacionamentos; ou então, continuar excluindo Deus de sua vida e ter os seus problemas de relacionamentos cada vez mais agravados. Pois o homem jamais anda sozinho, ou ele anda com Deus, ou anda com satanás. Quem anda com Deus que é o príncipe da Paz, tem uma vida pacata e harmoniosa com aqueles que os cercam, mas quem anda com satanás leva uma vida cheia de conflitos, consigo e com o seu semelhante, porque o diabo é o causador de todos os tipos de conflitos e crises morais e sociais que assolam a humanidade. Foi o diabo que criou o primeiro conflito, ao se rebelar contra Deus no céu, e posteriormente, foi o causador da inimizade entre o homem e Deus.

Disse Jesus aos seus discípulos: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” Jo.14:27. Esta Paz deixada por Jesus mudou a vida de Pedro, homem conhecido pelo temperamento explosivo; que mudou também o intolerante Saulo de Tarso em humilde servo de Cristo; pode mudar também a sua vida.

P.A.B.J TO. 03/07/10

sábado, 26 de junho de 2010

ESPERANÇA EM TEMPOS DE INCERTEZAS

A esperança é a última que morre”. Esse é um adágio popular que nem sempre revela a verdade acerca de muitas pessoas que enfrentam momentos adversos em suas vidas. Pessoas massacradas pelo sofrimento físico e psicológico pelo mundo afora, tem chegado ao fundo do poço e desistido da vida. E isso não vem acontecendo apenas às pessoas pobres e iletradas, pelo contrário, segundo os noticiários, o número de suicídios vem alcançando maior índice entre as classes ricas, cultas e bem sucedidas. Isso por que, os problemas de maior gravidade que levam as pessoas ao suicídio são aqueles de caráter psicológicos e espirituais. Problemas esses, que não são resolvidos e nem mesmo atenuados com o poder aquisitivo, com a fama ou qualquer outro tipo de regalia alcançado por alguém... A solução para isso tudo está unicamente em Jesus Cristo, o Médico dos médicos, o Mestre dos mestres, o Senhor dos Senhores, e aquele que é tudo em todos.


UMA SAÍDA NOS MOMENTOS DE DIFICULDADES

O mundo atual passa por momentos de mudanças significativas em vários aspectos: Na economia, como é o caso de países como o nosso, e a China que paulatinamente vem alcançando números bastante significativos; com reflexos na qualidade de vida, no acesso a educação, a saúde, etc.; contudo, são mudanças que resolvem apenas parte dos grandes desafios enfrentados por uma boa parte da nossa sociedade. Pois os problemas mais graves enfrentado pelo o mundo não são, a fome, o desemprego, os desastres ecológicos, a falta de moradia e outros de natureza sócio-econômicos. Mas, as questões de caráter espiritual, que em associação as condições materiais desfavoráveis motivam às pessoas ao desespero.

Um dos problemas que mais afetam o mundo atual é a crise familiar; com lares destruídos pelo ciúme, egoísmo, ambição, vícios e uma série de fatores causadores de males e desentendimentos. São situações desesperadoras vividas por famílias do mundo inteiro; mulher que de tanto sofrer com a ingratidão e desafetos do esposo já não suportam mais o sofrimento e vice-versa; filhos que não suportam mais as agressões sofridas pelos pais; e isso tem causado uma série imensa de problemas como um efeito cascata. Dentre eles, os divórcios, o abandono do lar, as brigas que começam com agressões verbais e se agravam para agressões físicas e assassinatos.

Diante de um quadro dessa categoria, as vítimas podem chegar a uma situação desesperadora. E para se ver livre, procuram dar “fim” ao sofrimento dando cabo de sua própria vida, ou do seu opressor. Atitudes essas, condenadas pelas Escrituras Sagradas, que ao contrário de tais saídas apontadas por satanás, mostra que a melhor e única saída é jogar-se nos braços do Mestre. Ele é a solução para os problemas de todas as famílias da terra. E o mais importante, é que Ele não apenas pode resolvê-los; Ele se interessa, e sempre está se oferecendo para resolvê-los. E isso Ele demonstrou, ao dizer: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” Mt. 11:28-30. Não importa a gravidade do seu problema, pois Jesus não conhece problemas que Ele não possa resolver. Ele é o Deus do impossível, pois é onipotente – um atributo que somente Ele possui. E isso é motivo para que ao invés de você achar que está num beco sem saída, se colocar frente a frente com uma porta que é a saída para uma vida de verdadeira felicidade.

ENCARANDO AS DIFICULDADES COM ESPERANÇA

As dificuldades sobrevêm a todos, tanto aos não-cristãos como aos cristãos verdadeiros, que muitas vezes são vítimas dos ataques do inimigo. E para que possamos obter a vitória sobre todas elas, o conselho vale para ambos – não recue, e comece a olhá-las sob a perspectiva de Deus. Jamais olhe para o tamanho da dificuldade, olhe para o poder que Deus tem para resolvê-las. A Bíblia nos conta uma história que ilustra muito bem essa verdade. Foi quando os filhos de Israel chegaram à fronteira de Canaã e Moisés precisou enviar doze homens para espiar a terra (Num. 13). Depois de observar as dificuldades e as vantagens existentes na terra, os homens trouxeram dos frutos que lá encontraram à Moisés, como prova do êxito de sua missão. Mas ao darem o relatório acerca da terra, o grupo dos dez disse: “Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto. O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades fortificadas e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Enaque. Os amalequitas habitam na terra do sul; e os heteus, e os jebuseus, e os amorreus habitam na montanha; e os cananeus habitam junto do mar, e pela margem do Jordão” (vv.28 e 29). Homes que fizeram parte desse grupo vira a fartura da terra, contudo, deram maior importância as dificuldades encontradas ali. - Ao contrário da atitude tomada por Calebe que diante do povo disse: “Certamente subiremos e a possuiremos em herança; porque seguramente prevaleceremos contra ela” (v.30).

Ao analisar essas duas formas de encarar as dificuldades constatamos através do estudo da Palavra de Deus, que todos os homens que viram as dificuldades acima das possibilidades de Deus, não conseguiram entrar na terra prometida para nela habitar, pois Deus enviou sobre eles uma grande peste, que matou a todos, exceto Josué e Calebe (Num.14:38), os quais puderam entrar na terra e possuí-la (v.30).

A lição que podemos tirar desse fato é a de que se desanimarmos e darmos lugar ao pessimismo, conseqüentemente permitiremos que a situação se agrave cada vez mais. Por outro lado, se dissermos ao problema que Jesus é maior do que ele, e mantivermos a esperança de que tudo será resolvido com a ajuda dEle, as coisas tomarão um novo rumo em direção a solução.

O que aconteceu aos dez homens é o que acontece a muitos hoje, passam o tempo todo se lamentando; queixam dos gigantes que lhe afrontam e desafiam, alegando que não há recursos para combatê-los. Talvez os dez homens estivessem no vale enquanto olhavam para os gigantes que estavam sobre o monte, e isso os fez parecer maiores do que na verdade eram. Talvez você também esteja no vale, um lugar de lutas e desafios, por isso enxerga os problemas numa dimensão maior do que na verdade os são. Por isso é recomendável subir ao monte - o monte da oração e da aproximação de Deus, assim os gigantes serão jogados para baixo – no vale; e se tornarão menores do que você.

CONCLUSÃO

É difícil ter esperança em uma situação desfavorável que inspira incerteza. Contudo, isso só é impossível quando não se tem a ajuda de Jesus em sua vida. Pois sem Ele, nada se pode fazer. Como diz o Salmos 127:1 e 2: “SE o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono”.

Mas para aquele que tem a Jesus como seu auxílio e nEle confia, diz Paulo: “Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou” Rom.8:37.

P. A.B.J. TO. 26.06.10

sábado, 19 de junho de 2010

PRINCIPIOS PARA UMA VIDA DE VITÓRIA NUMA CULTURA SEDUTORA

O homem não foi criado para ser derrotado, no entanto, ao ceder à sedução satânica para transgredir os mandamentos divinos, sua vida transformou-se num quadro de sucessivas derrotas em todos os aspectos, mas Deus, através do seu Filho, nos concedeu a oportunidade de revertermos essa situação. Cristãos de todo o mundo podem tomar para si essa declaração do Apóstolo Paulo que diz: “Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso SENHOR Jesus Cristo” I Co. 15:57. Esta certeza de vitória é a declaração de que Jesus veio a este mundo para derrotar todos os inimigos do ser humano inclusive o poder do pecado e do diabo. Com isso não significa que o cristão deve deixar tudo por conta de Cristo, pois o que nós não podíamos fazer Ele fez por nós. Agora, se quisermos ter uma vida vitoriosa em meio a esta sociedade pecadora temos que fazer a nossa parte; e isso não é tão difícil assim (mesmo que exija certo esforço de nossa parte), pois a ferramenta necessária à garantia do nosso sucesso é a fé em Cristo Jesus; como disse o Apóstolo João em sua primeira carta: “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé” I Jo. 5:4.

Os termos, vitória e derrota, dão a idéia de luta. Pois ninguém pode se declarar vencedor se não houver um oponente com quem se possa lutar; e isso nos deixa claro que a vida terrena do cristão não é um paraíso, pelo contrário, é uma estadia no campo de batalha espiritual - numa guerra sem tréguas. E como em todos os campos de batalhas (...) existem inimigos preparados para a luta e sempre dispostos a atacar; o que exige que estejamos sempre alertas e preparados para a batalha - uma batalha que do lado oposto estão inimigos ocultos, e de uma malignidade e astúcias jamais vista.

No que concerne a guerra espiritual, devemos incluir nesse contexto a cultura já que essa se constitui um fator preponderante na formação do caráter do ser humano. Pois o homem é o produto do meio social em que vive. Se ele vive numa sociedade que tenha uma cultura emoldurada nos princípios éticos e morais ensinados na palavra de Deus, a probabilidade dele ser uma pessoa íntegra é bem maior do que aquele que vive numa sociedade de uma cultura com valores inversos. E viver numa sociedade que possui uma cultura diversificada como a do nosso país não é muito fácil, pois temos como culturas de raízes, o conjunto de costumes, práticas, lendas e tradições trazidas da África e Portugal, as quais se juntaram à cultura dos nativos (índios). Com a imigração (mais recentemente) de grupos étnicos como italianos, árabes, asiáticos, etc. E ainda mais com a globalização provocada pelo grande avanço das tecnologias na área da comunicação, as quais disseminam as culturas das centenas de grupos étnicos mundiais em tempo real, o sincretismo tornou-se cada dia mais acentuado.

Ao escolher: “Princípios para uma vida vitoriosa numa cultura de sedução”, como título para a Lição bíblia desta semana, o comentador, Pr. Lourival Dias, deixou claro que a “cultura” de certa forma é maligna e tem grande poder de seduzir as pessoas. Contudo, sabemos que não podemos usar tal expressão de forma generalizada. Pois tanto a cultura como a política que tanto é combatida no meio evangélico, possui o seu lado bom e o seu lado ruim. Em se tratando de cultura como um mal que compromete a vida moral e espiritual cristã, nos referimos àquela originária de mentes desocupadas e sem o devido conhecimento e compromisso com Deus. Essa sim, é que devemos abominar e procurar afastar o máximo que pudermos, antes que ela venha nos afastar de Deus.

Quais tipos de cultura mais comprometem a vida cristã? Tanto a cultura popular quanto a alta cultura (refiro aquelas formadas pelos intelectuais) possuem elementos prejudiciais que agridem os bons princípios sagrados. Como por exemplo, na cultura de massa ou pop, se vê tantas aberrações imorais, como o carnaval que expõe publicamente a nudez das pessoas e invade ruas e lares através dos veículos de comunicação; no folclore, se vê tantas besteiras sem nenhum fundamento lógico, etc. Contudo, não é somente a cultura popular que ameaça a integridade cristã – Temos nos livros de ciência, filosofia, literatura, religião, etc., as mais diversas formas de negação da existência de Deus e as formas mais vis de rebelião contra o Criador.

Dois dos problemas culturais de nossa época é a grande aceitação da sociedade no que diz respeito às questões sobre a verdade. Para o já citado comentador existem dois aspectos importantes na cultura - “relativismo” e o “pragmatismo”. Esses dois conceitos filosóficos são considerados nocivos a cultura bíblica, já que elas tentam desqualificar a verdade que é a palavra de Deus. O relativismo segundo a definição filosófica diz que a verdade é algo relativo, ou seja, o que é verdade em uma época pode não ser em outra; o que pode ser a verdade para uma pessoa pode não ser para outra pessoa; o que pode ser verdade para o analfabeto pode não ser para o intelectual. Com essa forma de interpretar é negada tanto a existência da verdade quanto a existência da mentira. E tanto a Verdade (Palavra de Deus) pode ser desqualificada e jogada por terra, como a mentira diabólica pode ser considerada “verdadeira”. Tal teoria não deve de maneira alguma ser aceita pelos filhos de Deus, pois se trata da mesma forma usada por satanás para seduzir Eva a cair em transgressão contra a verdade de Deus que proibia ela comer da árvore da ciência do bem e do mal que estava no meio do Jardim; sob a promessa de que tal desobediência incorreria em sua morte. Foi aí que ele usou o relativismo quando disse: “Certamente não morrereis” Gen. 3:4; é como se dissesse - isso para Deus é a Verdade, mas uma verdade apenas do ponto de vista dEle. A verdade é que se você comer desse fruto você vai se tornar como Ele, conhecendo o bem e o mal.

O pragmatismo por sua vez, enfatiza as ações práticas, sem levar em consideração a causa. É como aquele adágio popular que diz: “Todo caminho leva a Deus”; ou como aqueles que na prática, descumprem regras, burlam as leis, fogem dos princípios éticos e morais, etc.; e tudo isso para satisfazer um anseio pessoal, como fama, posição social, enriquecimento, etc.

O pensamento filosófico acerca do pragmatismo não é uma exclusividade dos materialistas e pessoas que não conhecem a Deus; paulatinamente vem alcançando também os grupos religiosos. Pois cresce a cada dia o número de pessoas que dizem cristãs, adeptas da doutrina da prosperidade sem se importar com o mais importante que é a obediência a Palavra de Deus. São aqueles que associam a prosperidade material a uma vida de comunhão Deus, e a pobreza e as doenças, a uma vida de pecados ou falta de fé. Existem também aqueles que aceitam qualquer proposta mesmo sendo imoral e ilícita pela promessa de lucros imediatos, e ainda tentam se justificar sob a alegação de que não fez nada de mal que pudesse contrariar a Deus.

MANTENDO-SE ÍNTEGRO NUMA CULTURA SEDUTORA QUE CONTRASTA COM A CULTURA BÍBLICA

A propaganda é a alma do negócio - esse é um ditado popular que possui grandes verdades pelo fato do seu grande poder de sedução. Por isso, satanás se vale desse recurso para induzir as pessoas ao erro. E isso ele faz utilizando-se dos recursos disponíveis em cada grupo social. E se tratando da cultura perniciosa existente em nossa geração; sabemos que para difundi-la, os veículos de comunicação estão diuturnamente fazendo esse trabalho. Portanto, é preciso muita prudência ao lidar com as novas tecnologias; como televisão, internet, rádio, e outras mídias de massa. Pois elas são os meios que o inimigo utiliza para seduzir as pessoas a se conformarem com a cultura secular que compromete a vida cristã.

Mesmo havendo tantas formas de sedução é possível manter uma vida íntegra; para nos conscientizar dessa possibilidade, basta tão somente olharmos para o legado dos nossos antepassados que conseguiram manter a sua integridade espiritual em meio a um ambiente de culturas comprometedoras. Dentre eles, muitos tiveram seus nomes gravados na galeria dos heróis da fé (Heb. 11).

Dentre os nomes mencionados pela Bíblia, quatro deles foram citados no texto de referência da nossa lição: Daniel, Hananias, Misael e Azarias (Dn. 1:7) que em meio a uma cultura com tanto poder de sedução, conseguiram deixar claro que é possível viver como uma garça em meio ao lamaçal.

PRINCIPIOS QUE GARANTEM A VITÓRIA NUMA CULTURA SECULAR

Neste mundo você pode conquistar muita coisa apenas com o dinheiro e outros tipos de recurso, mas para conseguir obter a vitória sobre o pecado em meio à cultura do nosso século, é necessário que tenhamos em primeiro lugar, a comunhão com o Criador e sustentador de tudo. Sem ela, o homem já pode considerar um derrotado.

Outra qualidade importante é a determinação em manter uma vida vitoriosa. Onde há esforço por parte do homem não falta ajuda da parte de Deus. E pensando nisso o cristão por onde andar deve manter essa determinação independente do que lhe possa acontecer, pois é melhor obedecer a Deus dvero que aos caprichos do mundo. Há quem se diz cristão, e pelo fato de não querer abandonar a fama ou a posição social, aceita tudo o que o mundo lhe apresenta. Como o caso de muitos artistas de televisão que após ter aceitado a Cristo; não abandona a cultura antiga. Tais pessoas precisam ser determinadas, mas para isso precisam ter convicção da fé que professam e a certeza de que se abstendo dos velhos costumes Deus proverá o necessário para sua subsistência.

Outro ponto importante conforme esboçado pelo comentador da lição é o discernimento. Sem o discernimento é impossível o homem saber distinguir o que é pecado e o que não é. Mas para que a pessoa possa ter essa virtude é necessário que o Espírito de Deus habite em seu coração. Sem Ele o homem continua com a cegueira espiritual que o incapacita e o faz andar sem direção.

Portanto, precisamos viver neste mundo considerando a sua cultura como a um peixe que precisamos comer a sua carne sem nos ferir com as espinhas.

P. A. B. J. TO 19/06/10

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...