sábado, 17 de abril de 2010

BRINCANDO COM A VIDA


Você em algum momento já ouviu alguém proferir esta expressão “brincando com a vida?” Parece um título meio estranho, não é? Bem, mas vamos explicá-lo: Nesta semana tive a oportunidade de ver um pára-quedista brasileiro fazer um salto-livre de um avião a quatro mil metros de altitude, sem pára-quedas, e nem mesmo uma roupa apropriada; ele usava apenas um bermudão. Mesmo sabendo que ele saltou confiado em dois amigos que se uniram a ele enquanto voavam livre no espaço e o amarraram em um deles; cheguei à conclusão de que muitas pessoas ao invés de brincar com a vida, estão brincando mesmo é com a morte. E dentre essas pessoas, vamos comentar nesta semana sobre Sansão, um dos juízes mais conhecidos de Israel.
Sansão foi um homem escolhido por Deus desde o ventre de sua mãe e consagrado para a missão de livrar Israel das mãos dos filisteus,como está escrito: “E havia um homem de Zorá, da tribo de Dã, cujo nome era Manoá; e sua mulher, sendo estéril, não tinha filhos. E o anjo do SENHOR apareceu a esta mulher, e disse-lhe: Eis que agora és estéril, e nunca tens concebido; porém conceberás, e terás um filho. Agora, pois, guarda-te de beber vinho, ou bebida forte, ou comer coisa imunda. Porque eis que tu conceberás e terás um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu de Deus desde o ventre; e ele começará a livrar a Israel da mão dos filisteus (Jz. 13:2-5)... Depois teve esta mulher um filho, a quem pôs o nome de Sansão; e o menino cresceu, e o SENHOR o abençoou. E o Espírito do SENHOR começou a incitá-lo de quando em quando para o campo de Maané-Dã, entre Zorá e Estaol”(vv. 24 e 25) .
Quando Sansão já havia crescido e se encontrava na idade de lutar, foi do agrado de Deus que ele se casasse com uma filistéia: “E DESCEU Sansão a Timnate; e, vendo em Timnate uma mulher das filhas dos filisteus, subiu, e declarou-o a seu pai e a sua mãe, e disse: Vi uma mulher em Timnate, das filhas dos filisteus; agora, pois, tomai-ma por mulher. Porém seu pai e sua mãe lhe disseram: Não há, porventura, mulher entre as filhas de teus irmãos, nem entre todo o meu povo, para que tu vás tomar mulher dos filisteus, daqueles incircuncisos? E disse Sansão a seu pai: Toma-me esta, porque ela agrada aos meus olhos” Jz. 14:1-3.
Sansão como nazireu não podia enquanto durasse o seu voto, ingerir vinho e nem cortar o seu cabelo. Quebrantar um desses mandamentos era perder o que Deus havia lhe concedido. No seu caso, a unção do Espírito Santo que o capacitava como juiz e o dotava de uma força especial que fazia dele o homem mais forte que a história já registrou.
Quando as pessoas se referem a Sansão, às vezes gostam de atribuir a sua derrota o fato dele ter se casado com uma pessoa estranha, o que era proibido pela Lei. A outra coisa é afirmar em tom de brincadeira, que enquanto Sansão estava mentido para sua mulher, Deus estava com ele, quando ele falou a verdade Deus o deixou. Portanto, antes de comentarmos outros pontos importantes quero mostrar que tais afirmações não passam de inverdades desprovidas de apoio teológico.
No caso da primeira questão, você acha que Sansão como um ungido de Deus e dotado de uma boa educação religiosa, e sempre assistido pelos seus pais faria o que fez, se casando com uma mulher pertencente a família dos seus inimigos? É certo que ele pensaria muitas vezes e dificilmente deixaria de desobedecer a Deus e o rogo de sua família. Mas o que levou Sansão contrair matrimônio com uma pessoa estranha, e contra a vontade dos seus pais? A Bíblia tem a resposta: “Mas seu pai e sua mãe não sabiam que isto vinha do SENHOR; pois buscava ocasião contra os filisteus; porquanto naquele tempo os filisteus dominavam sobre Israel” v.4. Muito embora Sansão estivesse fazendo uma escolha que desagradasse aos olhos de sua parentela, por outro lado, estava sem saber, cumprindo em sua vida, o propósito Deus o qual encontrou naquela mulher, uma boa oportunidade para poder se vingar dos filisteus.
Quanto à afirmação de que Deus esteve com Sansão apenas enquanto ele mentia para enganar sua esposa, que na verdade se tratava de uma prostituta por nome Dalila, e não da sua primeira esposa; poço afirmar que essa brincadeira sem graça só pode ter tido origem na mente daqueles que por serem filhos do diabo, querem encontrar na Bíblia apoio para suas incontroláveis mentiras. O que na verdade aconteceu a Sansão foi a falta de vigilância no sentido de resistir suas insistentes perguntas. Ele poderia dizê-la apenas – O segredo da minha força não poço revelar a ninguém - não precisa insistir - eu poço retribuir o seu carinho de outras formas, menos contando isso a você.
Creio que todo ser humano possui um segredo que só ele e Deus sabem. E isso é normal na área profissional, religiosa, amorosa, pessoal, etc. Não é pecado guardar segredos, desde que ele não o prejudique e nem a outrem. O que não pode é a pessoa sair falando para as pessoas tudo que ela viu ou ouviu. Por exemplo, você não pode sair falando o que acontece no seu trabalho, no meio da sua família, no âmbito da igreja, para as pessoas estranhas, isso pode lhe causar um prejuízo irreparável; foi o que aconteceu com Sansão, se ele não tivesse contado o seu segredo, não teria sido tão humilhado pelos seus inimigos.
Brincar com a vida ou com a morte – Seja qual destas expressões você ache mais adequada, é algo muito perigoso e às vezes a pessoa sem que a perceba, caminha a passos largos para o abismo - para a ruína profissional, emocional, física, e pior – para o fracasso espiritual.
O QUE PODE FAZER ALGUEM BRINCAR COM COISAS SÉRIAS?
É possível que você já tenha presenciado ou mesmo ouviu falar de alguma criança que após ter se apossado da arma do seu pai, momentos depois ter sido morta com um disparo acidental. Claro, isso acontece pelo fato da criança ignorar o perigo que a arma oferece, e por isso acaba fazendo da mesma um brinquedo como outro qualquer. Quando nos referimos a pessoas adultas, no entanto, sabemos da existência de muitas, que mesmo cientes da realidade do perigo insistem em brincar com coisas sérias e acabam se dando mal; e isso, não apenas por brincar com coisas materiais, mas o mais sério - por brincar com coisas espirituais de valor eterno.
Sansão sabia muito bem do perigo que ele corria ao revelar seu segredo, mas encarou a situação sem muita importância, e o resultado foi ter a vida derrotada. Talvez você esteja dizendo consigo mesmo - Jamais eu comprometeria minha grande força, meu talento, minha espiritualidade, etc., em troca do carinho de uma mulher! Como o coração do homem é bastante enganoso, creio que a princípio Sansão teve esse mesmo pensamento, porém, a falta de domínio próprio mudou todos os seus planos e acabou se entregando as insistências de uma inimiga disfarçada que sem piedade arruinou toda a sua vida, o tornando fraco como qualquer homem natural.
A falta de domínio próprio tem sido a causa dos grandes problemas que tem afetado o mundo, como o grande crescimento da prostituição, pedofilia, assassinatos, roubos, envolvimento com o álcool e outros tipos de entorpecentes. Para evitar prejuízos a nossa vida e a de outrem, devemos manter uma vida cristã temperante e cheia de cautela. Evite andar por uma área minada se você não possui os equipamentos que garantam a sua integridade física. Se Sansão conhecesse a sua fragilidade emocional, e do perigo que ele corria ao revelar o que não devia, talvez tivesse agido de forma mais prudente com a mulher que havia agradado aos seus olhos.
Existe um adágio popular: “É melhor evitar a isca do que se debater no anzol”. Esse é um dos conselhos mais sábios para quem quer ter uma vida com maior tranqüilidade. Portanto, se você não quer ter uma vida de sofrimentos e dissabores, procure evitar as iscas que o diabo lhe apresenta. As coisas que constituem perigo para as nossas vidas geralmente são as que freqüentemente temos que conviver com elas; o que exige de nós muita prudência e uma boa dose de domínio próprio no sentido de evitá-las. Lembre-se de uma coisa – ao se debater no anzol, quando o peixe não cai nas mãos do pescador, escapa-se com o queixo rasgado.
Outro motivo que leva as pessoas brincarem com coisas sérias é o fato delas não darem o devido valor que Deus as deu. Às vezes por não reconhecer o valor da sua posição no reino de Deus, ou quem sabe por não valorizar um cargo ministerial ou pior ainda, não reconhecer o valor do sacrifício de Cristo no calvário; muitos acabam trocando esses valores, por algo neste mundo de valor efêmero, e que no fim só traz amargura para o resto de sua vida.
QUEM BANALIZA AS COISAS SÉRIAS ACABA TOMANDO SÉRIOS PREJUÍZOS
Sansão banalizou as coisas sérias ao revelar que dos seus cabelos longos dependia a sua grande força, colocando em jogo algo que era símbolo da presença de Deus em sua vida. Talvez tivesse duvidado de tudo aquilo que havia aprendido sobre Deus e sobre a importância do seu voto e como ele era determinante na manutenção da sua comunhão com o Criador; e isso custou muito caro para Sansão, pois caiu nas mãos dos seus inimigos, que além de vazar seus olhos, o fez instrumento de zombaria e diversão.

O maior prejuízo sofrido por Sansão, no entanto, não foi os danos físicos, mas o espiritual, pois a partir do momento em que seus longos cabelos, símbolo da sua aliança com Deus foram cortados, automaticamente a comunhão divina sofreu interrupção e ele passou a ter uma vida amarga de humilhação e sofrimentos – o homem que era temido por todos agora é alvo de todo tipo de críticas. Muita gente neste mundo que hoje estão nas sarjetas sendo cuspido e pisoteado, no passado, fora pessoas exaltadas por Deus e possuíram uma vida feliz, mas não valorizaram a riqueza espiritual que possuíam e a trocaram pelas migalhas do mundo.

A ausência da força na vida de Sansão era um dos indícios mais fortes da perda da comunhão com Deus. Isso é natural na vida de toda pessoa que perde abandona a Deus, pois: “Deus é a minha fortaleza e a minha força, e ele perfeitamente desembaraça o meu caminho” II Sam. 22:33. Sem Deus o homem se torna fraco; pois a lacuna que era preenchida pela presença maravilhosa do Espírito de Deus em seu coração se torna ocupada pelo temor, fragilidade, infelicidade e derrota; deixando-o vulnerável aos ataques do inimigo. O povo de Israel na época do seu governo teocrático sofreu por várias vezes nas mãos dos seus opressores como está relatado nos livros dos Juízes de Israel. Posteriormente pela ocasião da monarquia muitos reis caíram nas mãos inimigas pelo fato de permitir a apostasia nacional.

Ao tratar com Manassés pela sua idolatria, disse: “Porquanto Manassés, rei de Judá, fez estas abominações, fazendo pior do que tudo quanto fizeram os amorreus, que foram antes dele, e até também a Judá fez pecar com os seus ídolos; por isso, assim diz o SENHOR Deus de Israel: Eis que hei de trazer um mal sobre Jerusalém e Judá, que qualquer que ouvir, lhe ficarão retinindo ambos os ouvidos. E estenderei sobre Jerusalém o cordel de Samaria e o prumo da casa de Acabe; e limparei a Jerusalém, como quem limpa o prato, limpa-o e vira-o para baixo. E desampararei os restantes da minha herança, entregá-los-ei na mão de seus inimigos; e servirão de presa e despojo para todos os seus inimigos; porquanto fizeram o que era mau aos meus olhos e me provocaram à ira, desde o dia em que seus pais saíram do Egito até hoje” II Reis 21:11-15.

Diante de todas essas lições é bom que peguemos esses conselhos: “Mas ao SENHOR vosso Deus temereis, e ele vos livrará das mãos de todos os vossos inimigos” II Reis 17:39.

P.A.B.J. – TO. 17/04/10

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...