Pular para o conteúdo principal

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia











Por: Edes

Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contemporâneos, e percebeu que os milagres que realizaram não foram suficientes para que eles fossem considerados como enviados de Deus.  Pelo contrário, a cegueira espiritual, e o preconceito do povo acerca do modo de viver de ambos falaram mais alto, ao ponto das pessoas os considerarem como charlatães; alcoólatra, glutão, pocesso de demonios, etc. Tal preconceito revelou superficialidade no conhecimento das Escrituras; fanatismo religioso e desinteresse com relação ao conhecimento de Deus – era na verdade, o retrato da geração do século XXI. Com tais comportamentos Jesus, em tom de desabafo disse: “Mas a quem hei de comparar esta geração? É semelhante a meninos que, sentados nas praças, gritam aos companheiros: Nós vos tocamos flauta, e não dançastes; entoamos lamentações, e não pranteastes. Pois veio João, que não comia nem bebia, e dizem: Tem demônio! Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: Eis aí um glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores! Mas a sabedoria é justificada por suas obras” (Mateus 11:16-19). Ele deparou com uma geração de pessoas preocupadas com tradição religiosa, com ocupações seculares, com entretenimento e coisas de pouco préstimo espiritual. Seus corações e mentes estavam tão ocupados com as coisas desta vida que não possuíam espaço para comparar os milagres, os ensinos de João e Jesus com as Escrituras, para ver se realmente eles eram dignos de créditos. Uma geração que não possuía conhecimento e interesse o bastante para enxergar o poder de Deus através dos milagres inéditos realizados, nem pela vida moral ilibada vivida por eles. Contudo, via apenas o que queria ver.
Ao observar a indignação de Jesus em relação à geração de dois mil anos atrás, chegamos à conclusão de que se Ele tivesse que falar alguma coisa a respeito da indiferença vivenciada pela maioria dos cristãos atuais, em relação aos valores espirituais, seu discurso seria o mesmo. Pois, vivemos dias de grande afastamento da fé, onde se fala muito em Jesus em todos os lugares, mas poucos querem aprender dEle, para saber a melhor forma de agradá-lo. Para constatarmos essa verdade basta examinar o que os cristãos mais curtem e compartilham nas redes sociais.
No início deste ano propus colocar em prática algo que fiz algumas vezes em 2010, que foi escrever artigos sobre temas abordados na lição da EBD com o intuito de auxiliar aos professores com argumentos e recursos não apresentados na lição bíblica. Porém, fiquei um pouco decepcionado ao perceber por meio das curtidas e compartilhamentos, que poucos irmãos se interessaram em lê-los. A partir de então, despertei minha curiosidade e passei a observar o que os evangélicos mais curtem no Facebook, e constatei que a maioria não está preocupada em ler sobre doutrinas bíblicas - algo de importância para a vida espiritual, mas em assuntos banais sobre entretenimento, coisas curiosas, temas que despertam a sensualidade, à violência, assuntos políticos, sofrimento do próximo, coisas mirabolantes, enfim, coisas sem muita importância para o enlevo espiritual. Aí, percebi com quanta sabedoria Jesus usou episódios como lições para retratar a realidade de apatia das pessoas em relação às coisas sérias da vida. O ser humano não está predisposto a assistir ou ler algo que proporcione satisfação espiritual; mas que causa prazeres carnais, que o faça sorrir, sentir momentos de alegrias, que o faça sentir importante, que exalte o seu orgulho, etc. Algo que faça da natureza velho-adâmica a rainha, e o espirito seu súdito. Mas Jesus disse uma frase muito sábia: “a sabedoria é justificada por suas obras”. Ou seja, é pelos seus resultados que a sabedoria de Deus mostra que é verdadeira.

A Sabedoria é justificada por suas obras

Jesus, com essa expressão estava dizendo para os críticos que Ele não precisava usar discursos verbais para provar sua deidade, pois, suas obras eram suficientes para eliminar qualquer dúvida. Ele - a sabedoria de Deus entre os homens, em todas suas palavras e obras, mostrava que somente um ser divino podia realizar o que Ele realizava. Contudo, a carnalidade dominante nos corações de pedra falava mais alto, de forma que não conseguiam assimilar nem absorver seus ensinamentos geradores de vida eterna e da verdadeira sabedoria que vem do alto.
Nossa geração pode ser a última, até que aconteça o grande dia do arrebatamento da Igreja, e não podemos nos entregar às inclinações da carne que só deseja aquilo que a satisfaz. Precisamos estar mais atentos às verdades do Evangelho de Cristo, pois o tempo que nos resta nesta terra é muito breve e precisamos aproveitá-lo na dedicação à obra do Mestre, e para isso temos de nos despojar do preconceito em qualquer aspecto, examinar tudo, e reter o que é bom (como aconselhou Paulo).
Assim como aconteceu dois milênios atrás, Jesus tem usado muitos flautistas e lamentadores de plantão, nos templos, nas praças, nos desertos, na mídia impressa, na mídia eletrônica, enfim, em todos os meios de comunicação, a fim de mostrar a realidade dos propósitos de Deus para com a humanidade, e nós que conhecemos a sua Palavra não podemos deixar ser levados pelo preconceito, o orgulho, e a ilusão de que já temos conhecimentos bíblicos suficientes para prosseguirmos em nossa jornada espiritual. Precisamos continuar crescendo no conhecimento das Escrituras para que tenhamos estrutura suficiente para resistir os impactos causados pelas ondas de perseguição que o deus deste século levantará contra o povo de Deus.
Certo dia enquanto navegava pelas paginas do Facebook deparei-me com um post de uma pessoa que havia dito, mais ou menos assim: “Os evangélicos estão se aperfeiçoando na música e ficando analfabetos no conhecimento bíblico”. Em parte essa afirmação é verdadeira. Digo em parte, porque a música é um dom divino – quem não tem uma boa voz, não existem recursos técnicos que o faça se tornar um bom cantor. Por outro lado, constatamos ser verdadeira a afirmação da negligência ao estudo da Palavra de Deus, pois cada dia que se passa você vê absurdos doutrinários e rituais estranhos praticados por aqueles que se dizem evangélicos. E sabe por quê? Porque quase não estudam, ou não estuda a Bíblia de jeito nenhum. São os crentes papagaios que fazem tudo por imitação. Mas, o propósito de Deus é que seus embaixadores sejam instruídos o suficiente para ter condições de ensinar qualquer pessoa a respeito da salvação.

P.A.B.J. 07.02.15

Comentários

  1. Excelente mensagem, muito edificante, vou compartilhar, Deus continue abençoando e usando a sua vida em nome de Jesus.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira chuva enviada sobre a terra não foi pela ocasião do grande dilúvio, como afirma a maioria

Por: Edes Com frequência vimos pregadores afirmarem que até o dilúvio não havia chuva sobre a terra, ou seja, os povos contemporâneos de Adão e Noé não conheciam chuva; talvez por isso não acreditassem na pregação de Noé a respeito do grande dilúvio que Deus enviaria sobre a terra. Os defensores desta ideia reclinam sobre o divã da negligência em relação ao estudo cuidadoso da palavra de Deus, e debruçam sobre os braços dos ditos populares desprovidos de conhecimento bíblico. Àqueles que pregam essa ideia absurda de que até a época do dilúvio não havia chuva, mas apenas um vapor regava a terra, baseiam-se no seguinte texto bíblico: “Não havia ainda nenhuma planta do campo na terra, pois ainda nenhuma erva do campo havia brotado; porque o SENHOR Deus não fizera chover sobre a terra, e também não havia homem para lavrar o solo. Mas uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do solo”. Gen. 2.5 e 6 Para aqueles que apenas leem este texto de uma forma rápida e sem observar para…

AS CARACTERÍSTICAS DO CRENTE VENCEDOR

Como cristão você já se sentiu derrotado alguma vez em sua vida? O que seria um crente derrotado? O que fazer para ser um vencedor? Quem em toda a sua vida conseguiu nos legar o maior exemplo de vitória? Você sabia da importância que temos de vivermos vitoriosamente?
Se você tem dúvidas a respeito dessas questões, saiba, portanto, que é necessário que tenhamos conhecimento do falso sentimento de derrota, e o que podemos aprender na Bíblia sobre derrota e vitória. Principalmente descobrirmos a pessoa certa na qual devemos nos espelhar para que tenhamos uma vida vitoriosa.

Se você se acha numa condição de derrotado, o que você entende por derrota? Uma adversidade que está enfrentando como: Uma dificuldade financeira? Uma crise no relacionamento familiar ou amoroso? Por ter se decepcionado com alguém, em quem você tanto confiava? Um deslize moral ou espiritual? Por sentir-se solitário? Por estar sendo perseguido? Porque se acha tão insignificante para as pessoas e para Deus?
Geralmente as p…

Deus ordenou Noé fazer a Arca apenas para ele e sua família, pois a porta da Graça já havia fechado para os demais

Por: Edes Depois do artigo abordando um assunto que irá trazer muita polêmica, que foi a questão da chuva e a neblina, quero apresentar outro tema que irá causar estranheza a muitos pregadores. Digo isso porque até o momento não encontrei nenhum artigo ou pregador que esteja de acordo com minha interpretação. A pregação é sempre a mesma, aprendida de sempre com os mais velhos – Noé pregava para que o povo pudesse se arrepender dos seus pecados, e até ajuda-lo a construir a Arca para que pudessem se salvar através dela. Existem até vídeos, e gravações em LPs que desde criança eu já ouvia, onde mostra um Noé pregando o arrependimento e um povo duro de coração o criticando e chamando de louco ou caduco. Pois bem, neste artigo quero jogar por terra todo esse tipo de visão em relação a Noé e seus contemporâneos no período em que ele construía a Arca. Posso dizer sobre isso, que provavelmente Noé nem realizou mais nenhuma pregação a partir do momento em que Deus o ordenou a construir o gra…