sexta-feira, 28 de maio de 2010

A DISCIPLINA NA IGREJA

Como você define o termo “disciplina”: Uma matéria escolar? Um conjunto de regulamentos com o objetivo de manter a boa ordem de uma determinada organização? Submissão ou respeito a um regulamento? Impor castigo a alguém a fim de ensiná-lo uma questão ética, moral ou espiritual? Sim! E muito mais que isso, pois o vocábulo “disciplina” possui vários significados. Contudo o que mais nos interessa neste momento são dois sentidos dos quais a Igreja mais necessita. Um deles é a “disciplina educativa” e o outro a “disciplina corretiva”. Sobre a primeira, veremos a sua importância para o desenvolvimento moral, espiritual e social da Igreja como um dos seguimentos da sociedade, e do seu papel de resplandecer como luz neste mundo de trevas. Na segunda, veremos a sua necessidade no seio da Igreja assim como ela é necessária no contexto familiar no relacionamento entre pais e filhos.

Para que uma criança possa ter um futuro promissor que lhe garanta a independência financeira, status social e a dignidade de um cidadão respeitado, seus genitores precisam trabalhar o seu caráter e proporcionar uma educação de qualidade desde sua tenra idade. Além disso, precisam através dos seus exemplos proporcionarem-lhe um ambiente harmonioso, livre de violências verbais, físicas ou qualquer forma de constrangimentos que traumatizem a criança. Com a Igreja não é diferente, pois ela é formada por pessoas, as quais terão que aprender a se relacionar de forma harmoniosa mesmo que tenham entre si uma série de diferenças que tendem a fluir durante o convívio em seu novo grupo social. Tais diferenças são percebidas quando alguém reage a uma situação estranha ou adversa, que muitas vezes provoca a manifestação dos seus traços da personalidade e do seu caráter, resultantes de fatores biológicos, e do meio pelo qual foi influenciado durante a maior parte de sua infância e juventude. Ou melhor, existe um conjunto de meios ambientes que nos influenciam até a nossa idade adulta, como por exemplo, o lar, o trabalho, a escola, as reuniões sociais, os passeios, etc. E tudo isso contribui para a formação do caráter do individuo; por isso, temos em nossas congregações homens e mulheres que no passado foram ladrões, assassinos, estelionatários, arruaceiros, prostitutas e todo o tipo de mau caráter. Contudo, através da disciplina educativa aprenderam a imitar a Cristo; e hoje são novas criaturas, como disse Pedro: “Porque é bastante que no tempo passado da vida fizéssemos a vontade dos gentios, andando em dissoluções, concupiscências, borrachices, glutonarias, bebedices e abomináveis idolatrias” I Pe. 4:3. Uma nova vida em Cristo Jesus, pois aquele que está em Cristo é nova criatura (II Co. 5:17) que deixou para traz as velhas práticas.

A DISCIPLINA EDUCATIVA

Quanto à “disciplina educativa” podemos afirmar que Deus é o exemplo de um bom pai que se preocupa na educação dos seus filhos, por isso, ao criar Adão, Ele teve o cuidado de instruí-lo nas coisas mais importantes para a sua vida; e o mesmo aconteceu aos seus ascendentes, como Abrão, que foi chamado do meio de uma sociedade corrompida para receber de Deus a educação necessária a transformação do seu caráter.

No que concerne à ética, a moral e as práticas religiosas, Deus queria um povo completamente diferente das outras nações que não O conhecia. Por isso teve a preocupação de instruir seu povo, valendo-se de instrumentos educativos. Como por exemplo, na era patriarcal, falou pessoalmente com Abraão, Isaque e Jacó, de forma verbal. Posteriormente chamou Moisés e o dotou de autoridade e sabedoria para conduzir o seu povo e instruí-lo nos caminhos do Senhor, e para isso, deu a ele a lei escrita em pedras (Lei moral), e verbalmente as leis civis e cerimoniais que deveriam reger a vida religiosa, moral e social do seu povo. Essas leis formavam o cânon sagrado e tinham como objetivo principal fazer com que o seu povo se aproximasse dele pela obediência, e pudessem conviver em sociedade de forma ordeira, justa, humana e harmoniosa.

Preocupado com a educação do seu povo o Senhor Deus recomendou através de Moisés que os pais teriam como obrigação para com seus filhos, o dever de educá-los de acordo com os princípios da sua lei, quando disse: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas” Deut. 6:6-9. Essa obrigação que os pais tinham de educar seus filhos nos princípios divinos, com o tempo se evoluiu. Com a criação da Sinagoga (Assembléia), provavelmente pela ocasião do cativeiro babilônico, surgiu a escola formal na qual os meninos ainda em tenra idade começavam a freqüentá-la, estudando sobre a religião e outras artes, como a música, por exemplo, e isso durante a semana. Quando alcançava certa idade à criança podia no sábado ouvir os escribas explicar a lei; posteriormente, talvez aos doze ou treze anos, ela podia discutir com os mestres sobre as questões da lei, como aconteceu com Jesus pela ocasião da festa em Jerusalém.

A educação religiosa dos seus filhos sempre foi uma das maiores preocupações dos judeus do antigo Testamento, pois sabiam eles, que do sucesso espiritual dos seus filhos dependia o futuro de sua nação. A mesma concepção e objetivos com relação a educação religiosa devemos ter hoje, pois a educação cristã é quem vai determinar o nosso sucesso como cidadãos terrenos e nos garantir o direito de morar no céu. Pois assim como uma escola de boa qualidade forma bons profissionais, uma boa educação cristã adquirida no lar e na igreja, forma bons filhos, bons pais, bons empregados, bons patrões, bons filhos de Deus e verdadeiros cidadãos dos céus.

Jesus Cristo como o maior mestre que o mundo já pode conhecer, valeu-se de todos os métodos necessários para que a sua mensagem fosse bem assimilada e o objetivo de educar fosse alcançado; para isso, usou linguagem metafórica para ensinar os mais incultos, valeu-se de pretextos para poder iniciar um diálogo, respondia perguntas intrigantes com outra pergunta inteligente, etc,. Ele fez de tudo para poder alcançar os pedidos e tirá-los da ignorância espiritual e com isso garantir-lhes uma vida nova e terna. O Apóstolo Paulo ao escrever sobre a sua maneira de fazer com sua instrução pudesse alcançar todas as classes sociais e diferentes tipos de pessoas, disse: “Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele” I Co. 9:19-23.

A igreja de Cristo diante de tantos exemplos deixados pelo Mestre por excelência e de sua ordem na qual diz: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”Mat.28:19. E nos exemplos legados pelos apóstolos, não deve cometer o pecado da omissão, deixando o dever de promover a disciplina educativa entre os seus membros.

A DISCPLINA CORRETIVA

Falar em disciplina corretiva é falar em aplicação de castigo com o objetivo de fazer o aluno infrator e obstinado, obter maior proveito no processo de aprendizagem, ou seja, fazer com que ele siga as instruções recebidas, já que etimologicamente o termo “disciplina” possui o mesmo significado da palavra “discípulo” (Aquele que segue). E segundo um dos significados apresentados pela Enciclopédia on-line “Wikipedia da Língua Portuguesa”; disciplina tem o sentido de, “castigo que produz obediência”. No entanto isso não é suficiente para convencer tecermos um comentário sobre o assunto da disciplina na Igreja, se não encontrarmos algum respaldo bíblico para este conceito. Portanto, veremos logo em seguida o que diz a palavra de Deus sobre o assunto.

Vamos então procurar nos concentrar nos termos “correção” e “castigo”, mesmo que seja um assunto desagradável para muitos. Quando usamos o termo “castigo” levando em consideração o significado bíblico precisamos entender que nem sempre ele está associado à disciplina corretiva, pois em certos casos o castigo é aplicado em forma de recompensa pela transgressão cometida, ou melhor, é a aplicação do juízo de Deus sobre o infrator, como exemplo tem os casos registrados na Bíblia, como: O grande dilúvio que destruiu o mundo antigo, a destruição das cidades de Sodoma e Gomorra pelo fogo de Deus, um fato confirmado posteriormente pelo Apóstolo Judas que disse: “Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno” Jd. 7. E quem não conhece a história da morte dos egípcios no mar vermelho, e muitas outras?

Mesmo diante de tantos exemplos bíblicos precisamos comentar o que mais nos interessa no momento que é a aplicação do castigo como instrumento de correção - uma prática usada por Deus sempre que se faz necessário; e neste ínterim apresentaremos alguns exemplos e conceitos apresentados pelas sagradas escrituras, de castigos impostos pelo próprio Deus, e da necessidade da Igreja usá-lo como instrumento educativo.

Desde os tempos mais remotos Deus sempre usou o castigo como forma de fazer o seu povo seguir os seus mandamentos; e porque o faz? O escritor aos Hebreus responde: “Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija?” Heb. 12:6 e 7. Entendeu porque Ele aplica o castigo para correção? Porque nos trata como filhos! Ele utiliza esse método porque ao considerar alguém como seu próprio filho, o seu amor por ele se torna maior; aí alguém pode se perguntar: Como um pai que se diz amar o seu filho, demonstra isso de uma forma tão constrangedora como é o caso do castigo? Para melhor esclarecer isso, leia o texto seguinte: “Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno” Prov. 23:14. Entendeu porque Deus usa o castigo? Porque o castigo infligido pela pessoa que ama é menos doloroso do que os tormentos que estaria sujeito a sofrer no inferno. Trazendo isso para a nossa vida familiar e para os problemas atuais digo - é melhor você, como pai, que ama seu filho, impor-lhes certas medidas educativas, mesmo que elas pareçam dolorosas, do que deixá-lo crescer na delinqüência e depois você receber a pior notícia que um pai poderia receber sobre o seu filho.

É por querer o melhor para nossas vidas que Deus usa medidas tão duras contra nós. Contudo, Ele é um Pai que sabe o que é melhor para os seus filhos, por isso suas repreensões por mais que pareçam ser difíceis de serem suportadas, jamais nos causará a morte. Como disse o Salmista: “O SENHOR me castigou muito, mas não me entregou à morte” Sl. 118:18.

No Antigo Testamento encontramos vários registros de castigos aplicados por Deus aos seus servos infratores, como por exemplo: Abrão não esperou o cumprimento da promessa feita por Deus de dar-lhe um filho com sua própria esposa Sarai, contudo, por achar que estava demorando ou mesmo tivesse achado impossível para sua esposa gerar com a idade bastante avançada, tentou dar-lhe uma ajudinha, se relacionando com sua própria escrava Agar, da qual nasceu Ismael. Mas essa mãozinha de ajuda não agradou a Deus, e por isso manteve-se em silêncio para com Abrão durante treze anos, ou seja, aquele costumeiro diálogo que freqüentemente tinham foi rompido como forma de uma disciplina corretiva. Outro caso bastante claro foi o de Davi (II Sam. 11) – certo dia enquanto passeava pelo terraço da casa real, ele avistou Bate-Seba, mulher do seu soldado Urias que estava tomando banho – dominado pela sua beleza física, já que a tinha visto despida, David mandou buscá-la e se relacionou com sexualmente com ela, gerando desta relação, um filho. Se não bastasse, Davi mandou que colocasse Urias na frente da batalha para que morresse; consumando, portanto dois graves pecados – adultério e homicídio. Pecados que custou caro para Davi, pois mesmo tendo recebido o perdão da parte de Deus, como castigo, o filho fruto do seu relacionamento ilícito, morreu; um dos seus filhos tido de outra relação (Amnom) cometeu um incesto ao deflorar sua irmã Tamar (II Sam. 13); tempos depois, Absalão, para se vingar de Amnom pelo que fez a sua irmã, mandou seus homens assassiná-lo. E se isso não bastasse Absalão que já algum tempo vinha de olho na sucessão do trono, tentou usurpar-lo declarando guerra ao seu próprio pai, o que acabou em sua morte pendurado numa árvore no campo de batalha. Enfim, os pecados de Davi trouxeram para sua família problemas gravíssimos jamais esperados.

É preciso que mencionemos outro fato que aconteceu com Davi, foi quando ele fez o recenseamento de Israel o algo que contrariava a vontade diretiva de Deus. Mesmo depois de ter reconhecido o seu erro e pedido perdão a Deus, ele não ficou isento da disciplina corretiva; como está escrito: “Foi, pois, Gade a Davi, e fez-lho saber; e disse-lhe: Queres que sete anos de fome te venham à tua terra; ou que por três meses fujas de teus inimigos, e eles te persigam; ou que por três dias haja peste na tua terra? Delibera agora, e vê que resposta hei de dar ao que me enviou” II Sam. 24:13. Davi ao ter a liberdade de escolha um, dentre os três tipos de castigo, disse que escolheria cair nas mãos do próprio Deus, o qual poderia ter misericórdia dele. Assim Deus enviou uma grande peste sobre Israel; e desde Dã até Berseba morreram setenta mil homens.

Considerando o lado instrutivo do castigo imposto por Deus aos seus filhos, constatamos que ele causa grandes benefícios espirituais àqueles que como alunos que possui uma boa capacidade de assimilar as lições, reconhecem seus erros e os abandonam. David errou por algumas vezes, mas como bom aluno que por um pequeno descuido veio a cometer alguma infração, disse: “Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra” Sl. 119:67

Conhecedor do grande efeito positivo que a disciplina corretiva pode proporcionar, disse Jesus à igreja em Laudicéia: “Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te” Ap. 3:19.

A DISCIPLINA CORRETIVA NA IGREJA

A Igreja militante é parte da Igreja invisível, e esta por sua vez, parte integrante de Jesus; ou seja, ela, o corpo - e Cristo a cabeça. Sendo ela o corpo, conseqüentemente deve obedecer aos comandos passados pela cabeça. Nesse caso, a Igreja não é autônoma no sentido de criar leis e ditar ordens - apenas tem o dever de cumprir as já existentes nas santas Escrituras; dentre elas, o dever de aplicar a disciplina aos seus membros. O pastor não deve de forma alguma ser um mercenário que vê o seu cargo como uma profissão. Como alguém que cuida das ovelhas, mas só se interessa em aproveitar a sua lã, a sua carne e o seu leite. O pasto, a água, e o cuidado com a segurança e a saúde delas, no entanto, não se preocupa. Ele precisa pegar o exemplo de Cristo, o bom Pastor que deu a vida pelas suas ovelhas; pegar também o exemplo do Apóstolo Paulo que mesmo distante das Igrejas que fundara não se esquecia de exortar seus membros e recomendar o castigo para os infratores. Ao escrever a Timóteo, Paulo o instruiu dizendo: “Aos que pecarem, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor” I Tm. 5:20. O próprio Jesus deu a Igreja poderes para aplicar o castigo com o propósito de corrigir o infrator, quando disse: “Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada. E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” Mat. 18:15-20.

COMO DEVE SER APLICADA A CORREÇÃO

A Igreja tem como causa da sua existência o amor incondicional de Cristo Jesus que morreu por todos nós, independente da situação moral e espiritual que nos encontrávamos, portanto, ao aplicar a pena ela deve considerar o valor que o infrator representa para Cristo. Nesse caso a justiça, o amor e a misericórdia devem ser os elementos inseparáveis e indispensáveis na hora de aplicar uma medida corretiva. Caso contrário a emoção pode falar mais alto que a razão dando lugar a ressentimentos e vir a partir daí cometer injustiças, e além do mais, fazer como o servo incompassivo da parábola, que enquanto tinha recebia o perdão de uma grande dívida, conduzia seu conservo que lhe devia um valor irrisório.

Sem deixar de considerar o amor e a misericórdia, não deve esquecer-se da aplicação da justiça, e de considerar que a omissão na aplicação da pena punitiva pode ser considerada uma grande falta de amor. Isso porque, alguns pelo fato de cometerem certas infrações, e não receberem a devida repreensão, podem achar que a não punição é uma forma de apoiar seus erros ou considerá-los como algo sem importância. E indiretamente tornar-se-ia um incentivo a sua vida de pecados.

P.A.B.J – TO. 28/05/10

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...