sábado, 19 de junho de 2010

PRINCIPIOS PARA UMA VIDA DE VITÓRIA NUMA CULTURA SEDUTORA

O homem não foi criado para ser derrotado, no entanto, ao ceder à sedução satânica para transgredir os mandamentos divinos, sua vida transformou-se num quadro de sucessivas derrotas em todos os aspectos, mas Deus, através do seu Filho, nos concedeu a oportunidade de revertermos essa situação. Cristãos de todo o mundo podem tomar para si essa declaração do Apóstolo Paulo que diz: “Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso SENHOR Jesus Cristo” I Co. 15:57. Esta certeza de vitória é a declaração de que Jesus veio a este mundo para derrotar todos os inimigos do ser humano inclusive o poder do pecado e do diabo. Com isso não significa que o cristão deve deixar tudo por conta de Cristo, pois o que nós não podíamos fazer Ele fez por nós. Agora, se quisermos ter uma vida vitoriosa em meio a esta sociedade pecadora temos que fazer a nossa parte; e isso não é tão difícil assim (mesmo que exija certo esforço de nossa parte), pois a ferramenta necessária à garantia do nosso sucesso é a fé em Cristo Jesus; como disse o Apóstolo João em sua primeira carta: “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé” I Jo. 5:4.

Os termos, vitória e derrota, dão a idéia de luta. Pois ninguém pode se declarar vencedor se não houver um oponente com quem se possa lutar; e isso nos deixa claro que a vida terrena do cristão não é um paraíso, pelo contrário, é uma estadia no campo de batalha espiritual - numa guerra sem tréguas. E como em todos os campos de batalhas (...) existem inimigos preparados para a luta e sempre dispostos a atacar; o que exige que estejamos sempre alertas e preparados para a batalha - uma batalha que do lado oposto estão inimigos ocultos, e de uma malignidade e astúcias jamais vista.

No que concerne a guerra espiritual, devemos incluir nesse contexto a cultura já que essa se constitui um fator preponderante na formação do caráter do ser humano. Pois o homem é o produto do meio social em que vive. Se ele vive numa sociedade que tenha uma cultura emoldurada nos princípios éticos e morais ensinados na palavra de Deus, a probabilidade dele ser uma pessoa íntegra é bem maior do que aquele que vive numa sociedade de uma cultura com valores inversos. E viver numa sociedade que possui uma cultura diversificada como a do nosso país não é muito fácil, pois temos como culturas de raízes, o conjunto de costumes, práticas, lendas e tradições trazidas da África e Portugal, as quais se juntaram à cultura dos nativos (índios). Com a imigração (mais recentemente) de grupos étnicos como italianos, árabes, asiáticos, etc. E ainda mais com a globalização provocada pelo grande avanço das tecnologias na área da comunicação, as quais disseminam as culturas das centenas de grupos étnicos mundiais em tempo real, o sincretismo tornou-se cada dia mais acentuado.

Ao escolher: “Princípios para uma vida vitoriosa numa cultura de sedução”, como título para a Lição bíblia desta semana, o comentador, Pr. Lourival Dias, deixou claro que a “cultura” de certa forma é maligna e tem grande poder de seduzir as pessoas. Contudo, sabemos que não podemos usar tal expressão de forma generalizada. Pois tanto a cultura como a política que tanto é combatida no meio evangélico, possui o seu lado bom e o seu lado ruim. Em se tratando de cultura como um mal que compromete a vida moral e espiritual cristã, nos referimos àquela originária de mentes desocupadas e sem o devido conhecimento e compromisso com Deus. Essa sim, é que devemos abominar e procurar afastar o máximo que pudermos, antes que ela venha nos afastar de Deus.

Quais tipos de cultura mais comprometem a vida cristã? Tanto a cultura popular quanto a alta cultura (refiro aquelas formadas pelos intelectuais) possuem elementos prejudiciais que agridem os bons princípios sagrados. Como por exemplo, na cultura de massa ou pop, se vê tantas aberrações imorais, como o carnaval que expõe publicamente a nudez das pessoas e invade ruas e lares através dos veículos de comunicação; no folclore, se vê tantas besteiras sem nenhum fundamento lógico, etc. Contudo, não é somente a cultura popular que ameaça a integridade cristã – Temos nos livros de ciência, filosofia, literatura, religião, etc., as mais diversas formas de negação da existência de Deus e as formas mais vis de rebelião contra o Criador.

Dois dos problemas culturais de nossa época é a grande aceitação da sociedade no que diz respeito às questões sobre a verdade. Para o já citado comentador existem dois aspectos importantes na cultura - “relativismo” e o “pragmatismo”. Esses dois conceitos filosóficos são considerados nocivos a cultura bíblica, já que elas tentam desqualificar a verdade que é a palavra de Deus. O relativismo segundo a definição filosófica diz que a verdade é algo relativo, ou seja, o que é verdade em uma época pode não ser em outra; o que pode ser a verdade para uma pessoa pode não ser para outra pessoa; o que pode ser verdade para o analfabeto pode não ser para o intelectual. Com essa forma de interpretar é negada tanto a existência da verdade quanto a existência da mentira. E tanto a Verdade (Palavra de Deus) pode ser desqualificada e jogada por terra, como a mentira diabólica pode ser considerada “verdadeira”. Tal teoria não deve de maneira alguma ser aceita pelos filhos de Deus, pois se trata da mesma forma usada por satanás para seduzir Eva a cair em transgressão contra a verdade de Deus que proibia ela comer da árvore da ciência do bem e do mal que estava no meio do Jardim; sob a promessa de que tal desobediência incorreria em sua morte. Foi aí que ele usou o relativismo quando disse: “Certamente não morrereis” Gen. 3:4; é como se dissesse - isso para Deus é a Verdade, mas uma verdade apenas do ponto de vista dEle. A verdade é que se você comer desse fruto você vai se tornar como Ele, conhecendo o bem e o mal.

O pragmatismo por sua vez, enfatiza as ações práticas, sem levar em consideração a causa. É como aquele adágio popular que diz: “Todo caminho leva a Deus”; ou como aqueles que na prática, descumprem regras, burlam as leis, fogem dos princípios éticos e morais, etc.; e tudo isso para satisfazer um anseio pessoal, como fama, posição social, enriquecimento, etc.

O pensamento filosófico acerca do pragmatismo não é uma exclusividade dos materialistas e pessoas que não conhecem a Deus; paulatinamente vem alcançando também os grupos religiosos. Pois cresce a cada dia o número de pessoas que dizem cristãs, adeptas da doutrina da prosperidade sem se importar com o mais importante que é a obediência a Palavra de Deus. São aqueles que associam a prosperidade material a uma vida de comunhão Deus, e a pobreza e as doenças, a uma vida de pecados ou falta de fé. Existem também aqueles que aceitam qualquer proposta mesmo sendo imoral e ilícita pela promessa de lucros imediatos, e ainda tentam se justificar sob a alegação de que não fez nada de mal que pudesse contrariar a Deus.

MANTENDO-SE ÍNTEGRO NUMA CULTURA SEDUTORA QUE CONTRASTA COM A CULTURA BÍBLICA

A propaganda é a alma do negócio - esse é um ditado popular que possui grandes verdades pelo fato do seu grande poder de sedução. Por isso, satanás se vale desse recurso para induzir as pessoas ao erro. E isso ele faz utilizando-se dos recursos disponíveis em cada grupo social. E se tratando da cultura perniciosa existente em nossa geração; sabemos que para difundi-la, os veículos de comunicação estão diuturnamente fazendo esse trabalho. Portanto, é preciso muita prudência ao lidar com as novas tecnologias; como televisão, internet, rádio, e outras mídias de massa. Pois elas são os meios que o inimigo utiliza para seduzir as pessoas a se conformarem com a cultura secular que compromete a vida cristã.

Mesmo havendo tantas formas de sedução é possível manter uma vida íntegra; para nos conscientizar dessa possibilidade, basta tão somente olharmos para o legado dos nossos antepassados que conseguiram manter a sua integridade espiritual em meio a um ambiente de culturas comprometedoras. Dentre eles, muitos tiveram seus nomes gravados na galeria dos heróis da fé (Heb. 11).

Dentre os nomes mencionados pela Bíblia, quatro deles foram citados no texto de referência da nossa lição: Daniel, Hananias, Misael e Azarias (Dn. 1:7) que em meio a uma cultura com tanto poder de sedução, conseguiram deixar claro que é possível viver como uma garça em meio ao lamaçal.

PRINCIPIOS QUE GARANTEM A VITÓRIA NUMA CULTURA SECULAR

Neste mundo você pode conquistar muita coisa apenas com o dinheiro e outros tipos de recurso, mas para conseguir obter a vitória sobre o pecado em meio à cultura do nosso século, é necessário que tenhamos em primeiro lugar, a comunhão com o Criador e sustentador de tudo. Sem ela, o homem já pode considerar um derrotado.

Outra qualidade importante é a determinação em manter uma vida vitoriosa. Onde há esforço por parte do homem não falta ajuda da parte de Deus. E pensando nisso o cristão por onde andar deve manter essa determinação independente do que lhe possa acontecer, pois é melhor obedecer a Deus dvero que aos caprichos do mundo. Há quem se diz cristão, e pelo fato de não querer abandonar a fama ou a posição social, aceita tudo o que o mundo lhe apresenta. Como o caso de muitos artistas de televisão que após ter aceitado a Cristo; não abandona a cultura antiga. Tais pessoas precisam ser determinadas, mas para isso precisam ter convicção da fé que professam e a certeza de que se abstendo dos velhos costumes Deus proverá o necessário para sua subsistência.

Outro ponto importante conforme esboçado pelo comentador da lição é o discernimento. Sem o discernimento é impossível o homem saber distinguir o que é pecado e o que não é. Mas para que a pessoa possa ter essa virtude é necessário que o Espírito de Deus habite em seu coração. Sem Ele o homem continua com a cegueira espiritual que o incapacita e o faz andar sem direção.

Portanto, precisamos viver neste mundo considerando a sua cultura como a um peixe que precisamos comer a sua carne sem nos ferir com as espinhas.

P. A. B. J. TO 19/06/10

Uma Geração de Cristãos que não Dança nem Pranteia

Por: Edes Durante o tempo de sua peregrinação, Jesus observou com atenção como Ele e João Batista foram recebidos pelos seus contempor...